Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MIGUEL DE SOUZA

 

Miguel de Souza (nascido em 8 de agosto de 1969) é jardineiro há 25 anos  em Manaus.Tem um livro publicado (Poemais) e mantém um blog(miguelsouza.36.blogspot.com.br)

 

SOUZA, Miguel de.  maximínimas.  sonetos sobre aforismo. Miguel Ferreira de Souza. Rio de Janeiro: Autografia, 2018.   68 p.   14 x 21 cm.  ISBN 978-85-518-1291-4   Ex. bibl. Antonio Miranda

 

"Prisioneira do corpo, a alma vive em guerra com o carcereiro."
  Carlos Drummond de Andrade

 

I.

Nascer é estar na prisão da matéria!
É travar uma guerra todo dia,
com esse carcereiro sem folia,
autor de grandes traduções funéreas.

Abandonar as horas deletérias,
e fazer parte da fisionomia
crepuscular, com toda autonomia,
e fundir-se também com a bactéria.

É trazer em seu peito a sentença,
é curvar-se também ante a presença
do sempiterno Autor, o carcereiro.

E saber que a matéria tem origem.
E da alma que mais parece vertigem,
qual mesmo será o seu paradeiro?

*

 

         "O amanhecer é uma festa para convidados que estão dormindo”
 -       Carlos Drummond de Andrade

 

         II.  

Enquanto todos dormem justo sono,
a natura prepara linda festa!
O sol, aos poucos se manifesta,
e ornamenta o horizonte de cromo.

O arco-íris não o deixa no abandono,
e esparrama no cimo, como fresta,
as sete cores que ninguém contesta,
para saudar do mundo, o grande Dono.

Enquanto todos dormem nas alcovas,
a natura trabalha... Eis aí a prova,
para o dia que logo vem surgindo.

E esses primeiros arrebóis solares,
espalham-se por todos os lugares,
para a alegria dos que estavam dormindo.

*

 

Não é difícil ser amado por duas pessoas; difícil é amar as duas.”
- Carlos Drummond de Andrade

 

III.

Nunca amei, ao mesmo tempo, duas vezes,
se Deus só me concedeu um coração.
Assim como a Eva foi a eleita de Adão,
já tive a minha musa por uns meses.

Mas, ao longo da vida, nos revezes
dela, feito um abandonado cão
Fiquei. Agora, agarrado à solidão,
quais solitários gatos siameses,

estou. Mas, ser amado em dose dupla,
não sentiria, eu sei, nenhuma culpa
por isto. E as duas, eu não as amaria.

Sei que se trata de algo impossível,
pois, amá-las, ao mesmo tempo, é incrível!
Já sou compromissado co' a poesia.

 

Página publicada em novembro de 2018

 


 

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar