Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ANTONIO MIRANDA

 

ORAÇÃO

 

ORAÇÃO

 

                por JOSÉ FERNANDES in

 

*Extraído de FERNANDES, José. Poesia e ciberpoesia: Leitura de poemas de Antonio Miranda.    Goiânia, GO: Editora Kelps, 2011.  172 p. ISBN 978-85-400-0216-6

 

 

Ao incrustar as palavras em um livro de pedra, sustentado e indicado por mão de pedra, fica clara a determinação dos princípios por que as orações devem pautar-se, uma vez que a pedra é o símbolo do permanente. Mas, se considerarmos que a inscrição hora sim hora não determina um intervalo em que se não ora, o texto resvala para a ironia, como a dizer que só se ora, quando se sente necessidade e, portanto, o ato de orar deixar de ser obrigação para se converter em uma espécie de troca: reza-se para se obter algum favor da divindade.

 

A alternância das horas pode apontar também para uma ironia; rígidas regras a que determinados religiosos tem-tinham de seguir, como determinava, por exemplo, Santo Inácio de Loiola, fundador dos jesuítas que afirmava: Acredito que o branco que eu vejo é negro, se a hierarquia da igreja assim o tiver determinado. Essa capacidade de o religioso perder a identidade do pensamento, considerando que oração transmite a noção de impotência, também é legível no silêncio eloquente da afirmação e da negação.

 

Outra leitura possível seria vermos na oração a própria conformação do estilo poético verbivocovisual, extremamente estrutural, despojado e sóbrio, como a vida religiosa; mas que, em decorrência de sua arquitetura, assemelha-se aos ofícios dos monges e à arte das igrejas, mosteiros e catedrais, à medida que, na sobriedade da condensação de signos e símbolos, oculta e revela o Sublime. Assim, a expressão hora sim hora não seria a matéria do esconder-se e do mostrar-se, como ocorre aos espíritos do bem e do mal às horas abertas e fechadas e ao mistério de se transubstanciar em pão e vinho.

Assim, entendido, o ato de orar marcaria, religiosamente, um momento de ultrapassagem do humano, à medida que o súplice se eleva ao divino no momento da oração. Porém, em decorrência de sua humanidade, retoma à sua condição de miséria e de limites. Por isso, hora sim hora não. Do mesmo modo, a oração no sentido de criação literária também revelaria instantes de divindade e de humanidade, uma vez que a arte expressa o sublime do humano; mas também pode revelar suas imperfeições, porquanto constitui uma forma de o artista ultrapassar-se, uma forma de o artista ressuscitar-se ininterruptamente e vencer o tempo, como bem o caracteriza Fernando Aguiar, em sua concepção a que denomina O contrário do tempo: hora sim hora não.

Esta interpretação evidencia-se, quando verificamos que o texto se incrusta em pedra, como a materializar a elevação do espírito de quem ora, mesmo sendo hora sim hora não, e a perenidade do texto poético, que exercita um duplo movimento de ascensão e de descensão, à medida que ele sacraliza e des-sacraliza a pronúncia primeira do faça-se. Por este motivo, hora sim hora não.

No campo da metalinguagem, ainda podemos ler no livro posto na mão da estátua as transformações por que passa o fazer estético ao longo dos tempos e os necessários artifícios de que o artista tem de valer-se para esculpir os novos estilos artísticos. Assim, interpretado, a expressão hora sim hora não, que se lhe incrusta, materializa a mobilidade impressa ao espírito bustrofédico de que as artes contemporâneas são caudatárias, à medida que os estilos estão sempre em movimento de ir-e-vir, semp abrindo e fechando sulcos na linguagem e, por isso, sempre sendo e ní sendo: horas sim e horas não de arte.

 

O movimento bustrofédico do moderno, em que as formas e fôrmas se sucedem em ritmo sistólico e diastólico no tempo, envob verdadeiras metamorfoses, entendidas naquele sentido de atualizações ( velho sob novas imagens, na criação de um mesmo poeta, como se e operasse a intertextualidade da própria obra. O poema Oração constitui- um exemplar deste processo na poesia de Antonio Miranda, pois retoma na edição de Artefício artefacto, de 2010, inteiramente outro, sob a fôrma de um hakai. A troca do substantivo hora, que a despeito da semelhança fônica com o verbo orar, sugeria ambiguidade temporal; agora, conforma-se ao verbo, em sua forma imperativa, mais que indicativa, com o significai de súplica à divindade; mas, notadamente com seu sentido etimológico de falar, dizer, pronunciar uma fórmula ritual, uma prece, um discurso.

A oração, no sentido de falar, relacionada à composição do poema 

estende-se aos momentos de revelação; mas, sobretudo, aos instantes de silêncio, que pode se correlacionar com a solidão e, sobretudo, com o não- dito, com a ambiguidade do texto, ao revelar-se para esconder e ao esconder para revelar. Consoante essa perspectiva, o significado de pronunciar uma fórmula ritual também se aplica ao poema, à medida que a pronúncia do verbo, no discurso poético, obedece ao ritual realmente mágico, porquanto a palavra assume exatamente as dimensões do orar, naquela acepção e que o poeta tangencia o mistério:

 

ORAÇÃO

 

ORA

S I M

ORA

NÃO

 

         O ritual da pronúncia, não sendo continuado, exige também o imperativo ORA NÃO, a fim de o poeta pensar o criado, perquirir a palavra, para inseri-la no sublime, no transcendente. Daí a leitura do vocábulo prece, uma vez que o poema é a oração, o discurso e a homilia do evangelho poético para, mediante o rito da palavra, instituir o estético, que é a tran-substanciação do ser na verdade revelada em linguagem.

 

         Se iniciarmos a leitura do poema pela direita, encontramos a primeira pessoa do presente do indicativo do verbo arar: ARO. Ela nos aponta para uma leitura anagramática e bustrofédica que carrega aquele sentido grego impresso ao poema analisado ao início deste capítulo, em que o poeta compara a composição ao leito do rio, e, deste modo, lemos ARO SIM ARO NÃO. Essa interpretação nos leva à verificação de que o ato de arar refere-se ao preparo exigido ao poeta para sulcar a língua com seu mar de palavras, a fim de navegar na superfície e na profundidade do discurso. A expressão ARO NÃO, nesta interpretação, assinalaria o momento do descanso, em que o poema exercita sua função de crescer e produzir, mediante o campo semântico e as isotopias linguísticas, e o poeta possa empreender uma farta colheita, porquanto lavrou a palavra consoante as normas dos campos semântico e estético do discurso artístico.

 

         A leitura das letras que compõem o verbo ORA também nos leva ao sentido de arar e lavrar, uma vez que o fonema [O], em seu simbolismo profundo de olho e fonte, traduz a essência mesma do ato de arar a terra e, mormente, a palavra. Enquanto o olho confere à letra o significado de profundidade interior, imprescindível à revelação, à epifania do ser lírico, a fonte, ao trazer a essência das profundezas da terra, estabelece estreita ligação com o ato de criar, porquanto implica arrancar a palavra de seu estado de inércia e colocá-la na dimensão do criado; mas mediante o olhar do divino e do sublime. Do mesmo modo, o ato de ler tem implicações com a fonte e com o olho, pois a percepção total do significado só se conquista mediante mergulho na construtura plena do discurso estético.

 

         Por sua vez, a letra [R], ao significar começo, no sentido de pronúncia primeira, também se correlaciona com o verbo arar, ação imprescindível ao plantio e, por analogia, necessária à elaboração do texto artístico. Já a letra [A] final fecha o ORA, agora verbo e substantivo, pois se conforma à semântica de criar, como se fosse o nascimento, e ao círculo, a marcar o eterno retomo, ao eterno criar-se através da palavra, pois essa letra contém o começo e o fim, o fim e o começo. Além disso, como o ato de criar também se liga ao verbo esposar, como simbolismo da letra [A[ sugere ainda uma relação erótica que se estabelece entre o ser lírico e a poesia, pois fazer e criar implicam a existência do amor, entendido como ação imprescindível ao fazer poético ποιεσις.

 


 

 

 

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música