Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 





CRISE


Poema de Antonio Miranda

Ilustração do autor*


Tem um anti-herói - Macunaíma - levitando no Congresso.

Os intelectuais estão mudos, perplexos
monologando sobre a utopia corrompida
relendo manifestos. Paquidermes ressentidos.

Os políticos sangram, desencantam
(quem foi estilingue virou vidraça)
sugam as entranhas do poder
num inferno a céu aberto.
Em posições trocadas, os canalhas
em espelhismos e disfarces sutis
exorcizam fantasmas redivivos
- ou seriam mortos-vivos
canibalizados.

Um batráquio atônito discursa
para as colunas surdas
para ouvir o próprio eco.

Não, não e não!!! é o bordão
dos acusados. Ato falho, coerção
enquanto os jornalistas sádicos
regozijam, triunfantes
sobre os escombros.

Os urubus planam ávidos
sobre a esplanada desconcertante
e os ratos roem os alicerces
precários.

Os banqueiros estão blindados
mas assustados.
Os militares cegos, os religiosos surdos
e os juizes calados.

A população aturdida
- enquanto a lama medra -
não entende mas pressente
a véspera do nada.




Brasília, 3 de setembro de 2005

*"Estrutura" Bandeira do Brasil, trabalho em cimento armado colorido, de autoria de Antonio Miranda, construido na Chácara Irecê, no município de Cocalzinho, Goiás.

 

CRISE – POEMA DE ANTONIO MIRANDA publicado em agosto de 2017 em:

http://voarforadaasa.blogspot.com.br/2017/08/crise-poema-de-antonio-miranda.html



 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar