Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

LUIZ D. SALLES

 

Luiz Donizetti Sales. (04/02/1956), Aparecida SP. Morador de Diadema) assina como Luiz D Salles. Poeta, Compositor. Conselheiro Municipal de Cultura na área de Livro, Leitura e Literatura - Integrante do Conselho Gestor do “Ponto de Cultura Laboratório de Poéticas”, articulador da revista homônima e responsável pela editoria das seções Parabólica e Mirante.  Participa de eventos culturais e oficinas de criação textual com escritores e poetas, tais como: Cláudio Willer, João Silvério Trevisan, Marcelino Freire, Edson Bueno de Camargo, J Geraldo Neres, Nelson de Oliveira, Sérgio Vaz. Participou do projeto “Escrita Total: Sob a orientação de Edvaldo Pereira Lima”. Resultando na  coletânea “Palavras de luz 2011”. “Participou da antologia poética, Prêmio Valdeck Almeida Jesus - 2010”. Participou da “Mostra de Artes 2011 de Diadema”. 3ª lugar com a poesia ”Debaixo dos panos” e  Menção honrosa com o Conto – “À navalha”. Publicou secção Parabólica da Revista Antenas & Raízes nº09, uma série de poemas “Abraços”. Livro Antolgia " Tempo Algum2012  - “Alguns poemas” (Dulcineia Catadora 2012). Tem vários Poemas - Terceiro lugar Mostra de artes de Diadema 2013. Com o Poema " A LUA GOTEJA" publicados em antologias, na internet e Blogs.

http://diariodoleitor.wordpress.com/ http://luizdsales.blogspot.com/

 

SALLES, Luiz D.  Os sorrisos das amoras.  São Paulo, SP: Giostri Editora,2014.  98 p.  14x21 cm. ISBN 978-85-8108-6726-2   

 

          brincar

          brinquedos no terreiro
          o mundo girava mais rápido
          na gangorra

          balanço   e gira-gira
          as tonturas que tenho hoje   não é brincadeira
          são arritmias

 

          meus dias

          o dia amanhece no fogão a lenha
          no bule de café sobre a taipa
          as serras cobertas de algodão
          manhã sonha com os raios de sol
          os cachorros cochilam aos pés da porta
          pão e leite na mesa
          a fome ronca
          a vida corre na bica     transparente
          do lado     da parede da casa
          do lado de fora
          o brinquedo querendo brincar
          pés descalços   no chão batido
          [e os dias se completam    lentamente]

 

          nos calcanhares do tempo

          as bolinhas de gude na rua sem saída
          o jogo de pião
          saibros             calcanhares
          os pés nas poças d´água
          o cheiro    ventos de verão
          todos queriam correr
          superar o tempo efêmero
          com suas asas de cristal
          deitar na grama
          ver figuras de algodão no céu
          nos sonhos do Moa
          do amigo Pelé que se foi
          e o João Português que nunca mais vi

 

          colheita

          o sol    ardia à uma da tarde
          as formigas faziam sua colheita
          — eram rápidas
          as crianças libertas
          entre árvores e grama que as rodeava
          tinha de ser tão rápidas quanto o dia
          — o sol punha-se depressa
          crianças desprezam atenção ao tempo
          caminham com ele sem medo do futuro
          e a infância esvai-se na ampulheta

 

          cerca dos desejos

          os pés de tangerina
          era só pular a cerca de arame farpado
          enfrentar dois cães bravos
          o cheiro que exalava
          instigava qualquer imprudência

 

SALLES, Luiz D.  Alguns poemas.  São Paulo: Dulcineia Catadora, 2013.  36p.  16x22 cm.  capa de papelão   “Luiz D Salles “ Ex. bibl. Antonio Miranda

 

Premeditação corpórea

 

Lustrou os sapatos

 

Alinhou o terno

 

&

Deitou-se na lápide

 

Visão

 

Da varanda

A maresia

Cavalga o

vento

Tsunamis de pensamentos

 

VII

 

 

Periférico

Genérico das

ferragens & parafusos

Apodrecidos

Ácidos comendo os muros

Os cantos das ruas

                              Assassinados

 

O vento assovia nas curvas

 

Palavras dissolvidas

Trituradas no esófago

Engolidas pelo útero

 

Esguicha   saliva ácida

Gases

Grades

Prisão

 

Conexão Intra [...]

      Vagina

        Vida

Ecos na escuridão dos cubículos

 

 

 

Página publicada em julho de 2014; ampliada e republicada em outubro de 2015.


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar