Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


JOÃO CARDOSO DE MENESES E SOUSA

JOÃO CARDOSO DE MENESES E SOUSA
( BARÃO DE PARANAPIACABA )

 


(Santos, 25 de abril de 1827 — Rio de Janeiro, 2 de fevereiro de 1915) foi um poeta, jornalista, advogado, tradutor, professor e político brasileiro.

 

Filho de João Cardoso de Meneses e Sousa, formou-se em 1848 pela Faculdade de Direito de São Paulo, residiu alguns anos em Taubaté, onde foi professor de história e geografia. Depois exerceu advocacia na corte no Rio de Janeiro, até 1857. Então entrou para a repartição geral da fazenda, onde exerceu diversas funções no Rio, São Paulo e Pernambuco. Foi deputado por Goiás, de 1873 a 1876.

 

Estreou na literatura aos 17 anos, com o "Cântico do Tupi". Publicou seu primeiro livro em 1849, a "Harpa Gemedora", coleção de poesias, um volume de 112 páginas, edição da Typ. de Costa Silveira, em São Paulo. Também publicou um opúsculo, "O Christianismo", em São Paulo, na Typ. de Azevedo Marques (o Dic. Bibliográfico de Inocêncio Francisco da Silva não informa a data). Traduziu, verso por verso, recebendo muitos encômios, o "Oscar d'Alva", poema de Lord Byron, que saiu impresso na Typ. de Paula Brito, no Rio, em 1857. E também é estimado tradutor de "Fábulas de La Fontaine", 2 volumes, no Rio, em 1886.

 

Recebeu, por Decreto Imperial de 8 de maio de 1883, o título de Barão de Paranapiacaba. É recipiente da comenda da Imperial Ordem da Rosa.

Fonte da biografia (abreviada): Wikipédia

 

“Mesmo que não tenha, pois, mérito primacial, a poesia do Barão de Paranapiacaba, do tempo em que ainda não era Barão, mas apenas João Cardoso de Meneses e Sousa, ou resumidamente João Cardoso, como lhe simplificavam por vezes o nome, não deixa de interessar á historia literária, como documento capaz de esclarecer determinados pontos de nosso romantismo, então a se formar. Da lavra de João Cardoso é o melhor relato, que nos chegou, de poesia "pantagruélica" ou "bestialógica" dos acadêmicos de Direito de São Paulo, poesia essa na qual ele próprio brilhou, ao lado de Bernardo Guimarães, e que teria conseqüências no romantismo. A par disso, João Cardoso foi dos primeiros cultores de nossa poesia "americana" ou indianista; um dos primeiros byronianos de São Paulo, como o demonstram a data em que traduziu o "Osear of Alva" de Byron, as epígrafes de A Harpa Cernedora, o testemunho de Pires de Almeida e certos ingredientes byronianos que se espelham em seu livro inicial; finalmente, urna influência incontestável, tanto no ramo elegíaco, como no indianista (talvez ainda no de sua poesia bíblica) e, também, um elo na formação dos poetas românticos da segunda geração, a patentear, em sua linguagem, o influxo de Firmino Rodrigues Silva e de Joaquim Norberto. Teve, assim, "alguma vibração original na quadra juvenil", mas depois se tornou, como bem percebeu Antonio Cândido, “um “poeta árido e rotineiro”.  “

 

Péricles Eugênio da Silva Ramos in POESIAS ESCOLHIDAS de JOÃO CARDOSO DE MENEZES E SOUSA (BARÃO DE PARANAPIACABA) Introdução, seleção e notas de Péricles Eugênio da Silva Ramos. São Paulo: Conselho Estadual de Cultura – Comissão de Literatura; Imprensa Oficial do Estado, 1945,  p. 4-5

 

 

CORAÇÃO MORTO

 

         Oh! Morto o coração, quão triste é a vida!

DR. A. J. RIBAS

 

Que me resta dos gozos do passado?

Uma por uma, as ilusões murcharam;

Saciado de amor, já não me afagam

Sonhos, que outrora a vida me embalaram.

 

Amei com todo o anelo e forças d'alma,

Ao despontar da aurora da existência;

Era um amor do céu, velado ao mundo

Pelo sagrado pálio da inocência!

 

Veio o gelado sopro do deleite,

Essa divina flor crestar no agraço.

Fugiste, anjo do amor, batendo as asas

Para as etéreas regiões do espaço.

 

Se hoje do extinto amor brilha um reflexo

No coração, que lânguido palpita,

É como a luz da moribunda chama,

Que numa pira fúnebre crepita.

 

V. 10 — Agraço, viço.

 

 

A UNS OLHOS

 

O que no azul fulgura

Cruzeiro sideral,

A luz, que pouco dura,

Da estrela matinal,

 

Os raios, com que esplende

O disco áureo do sol,

Se d'alva após, acende

Na esfera o seu farol.

 

O brilho, que irradia

Nas amplidões do céu,

Quer nele impere o dia,

Quer abra a noite o véu,

 

Quanto, a luzir, cintila,

Imerge na penumbra,

Se vibras da pupila

Clarão, que nos deslumbra.

 

Tu da mulher primeira

Herdaste a luz divina,

Que virginal, inteira,

Conservas na retina.

 

 

À BERENICE

 

Eis teu vulto gentil em fino guache. Ao vê-lo,

Que júbilo suave o coração me agita!

Aos olhos, cuja luz nenhum pintor imita,

Falta a meiga expressão, que anima os do modelo.

 

Apanharas, na pose, em flácido novelo

A trança. Ei-la que, a flux, do pente regurgita,

Rola-te pela espalda e ao chão se precipita,

Osculando-te os pés, a onda do cabelo.

 

Do peito resvalou-te alvo lilás. Guardei-o,

E abri-lhe, carinhoso, um conchegado ninho

Em nosso relicário, a trasbordar de cheio.

 

Perdeu aroma e viço a flor nesse escaninho;

Mas inda nela aspiro eflúvios de teu seio,

Que a neve lhe ofuscou da tez no cego arminho.

 

Caxambu, 1873.

 

O último terceto, carregando em nomes exóticos, como o do vento cansim, Tifon (outro modo de dizer Set, o deus), Tebas, Ramsés e Amon, ostentando aliterações pouco discretas (v. 12 —

Quan - can - que; tra - Ti; do - de; o - or), bem como aparatosa não repetição de vogais tônicas (no mesmo verso; an - - u - im - é - on), dá uma impressão de coisa feita, de "enchimentos" não muito distantes da poesia "pantagruéllca" (que este soneto não aspira a ser).

 

Página publicada em agosto de 2009


Voltar para o topo Voltar para Brasil

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar