Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


CARLOS RODRIGUES BRANDÃO

Bacharel em psicologia e psicólogo pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1965). Possui mestrado em Antropologia pela Universidade de Brasília (1974), doutorado em ciências sociais pela Universidade de São Paulo (1980) e livre docência em antropologia do simbolismo pela Universidade Estadual de Campinas. Aposentou-se da UNICAMP em 1997. Permanece como professor do Doutorado em Antropologia e do Doutorado em Ciências Sociais da UNICAMP. Realizou estudos de pós-doutorado em antropologia junto à Universidade de Perúgia e a Universidade de Santiago de Compostela.

Divide sua obra escrita entre a antropologia, a educação e a literatura. Publicou ou coordenou a edição de sessenta e dois livros nestas três áreas do conhecimento. É comendador da Ordem do Mérito Científico, recebeu prêmio do CNPq por sua obra em cultura popular. Recebeu a medalha Roquette Pinto da Associação Brasileira de Antropologia e o Prêmio Poesia-Liberdade pela Fundação Centro Alceu Amoroso Lima. Recebeu também a medalha Dom Helder Câmara, da Pontifícia Univerisade Católica do Rio de Janeiro. É professor emérito da Universidade Federal de Uberlândia. A partir de 2010 seus livros e artigos poderão ser encontrados no link LIVRO LIVRE do site:  www.sitiodarosadosventos.com.br/

 

 

O OFÏCIO DE MORTO 1

 

êsse que vai morto

vai a vau.

esse que vai, morto

vai ao valo.

 

êsse quem o leva morto

leva a morte ao valo. essa

a tarefa:por em cova o corpo

onde a cava enterra a carne.

 

desse que vai morto

sai a cal.

esse que vai

morto vai ao ralo.

 

êsse: o que se leva morto

leva o caso ao ralo. essa .

a morte: por o corpo ao lado

de onde a terra apressa o fruto.

 

êsse que vai morto

vai a pau.

 

nêsse que vai morto

cai o malho

 

êsse o morto: o que se leva

e leva a morte ao malho. essa

a fun$ao: por na morte a parte

em que a fome aponte o fato.

 

desse que vai

morto sai o sal.

êsse que vai,

morto cai ao lado.

 

êsse o que se leva: morto

leva a lavra ao lado. essa

a morte: por o homem longe

de onde a safra perde o trato.

 

nesse que vai: morto?

vai sinal.

 

desse que vai (morto)

sai o brado.

 

êsse o morto que se leva

e leva a morte ao brado. êsse

o sinal. por na coisa a causa

em que a luta acabe a grita.

 

 

O OFÍCIO DE MORTO 2

 

a morte

essa morte não mata

a metade do morto.

essa morte (se mata)

a si mata com o corpo.

 

o corpo

êsse corpo não gasta

a metade da morte.

êsse corpo (se gasta)

em si gasta essa sorte.

 

a sorte

essa sorte não leva

a metade do nome.

essa sorte (se leva)

o que leva é sem lume.

 

o lume

êsse lune n~so queima

a metade da roupa.

êsse lume (se queima)

a si queima com a coisa.

 

a coisa

essa coisa não causa

a metade do resto.

essa coisa (se causa)

em si causa essa luta.

 

a luta

essa luta não come

a metade do homem.

essa luta (se come)

o que come tem nome.

 

o nome

êsse nome não clama

a metade de tudo.

êsse nome (se clama)

o que clama diz tudo.

 

*

 

PLANTA

 

planta a planta

colhe o fruto?

 

quando planta o fruto aponta

põe o grão e enterra a terra.

quando colhe o pouco escolhe,

perde a parte, e quanto aporta?

 

planta a palmo

colhe a custo.

 

planta a planta

colhe o fruto?

 

o que planta em pouco importa

posto o grão em terra: espera.

o que colhe é pouco e encolhe,

posta a perda, a quanto aparta?

 

planta a palmo

colhe a custo.

 

planta a planta

colhe o fruto?

 

onde planta em pouco lança

cuida o grão e aguarda a safra,

onde colhe em pouco acolhe,

pesa o pêso, e quanto guarda?

 

planta a palmo

colhe a custo.

planta a planta

colhe o fruto?

 

porque planta e pouco alcarça

tira o fruto e parte a parte.

porque colhe e escolhe a soca,

pensa a perda e apronta o passo.

 

planta a palmo

colhe a custo.

 

planta a planta

colhe o fruto?

 

planta o grão e colhe o fruto

cuida a coisa e gasta o gosto.

colhe o pouco e escolhe a soca,

pesa a falta e passa a luta,

 

planta a palmo

colhe a custo.

 

 

 

O PEDREIRO (dança)?

 

faz: do braço ao trago

o risco acerta: faz:

no ato a dança. a dança

faz: o risco — o acêrto.

 

faz: do traço ao pasto

o pouco em prato: faz:

do fato o passo. o passo

faz: o pouco — o apêrto.

 

faz: do pasto ao prumo

a massa enxerta: faz:

no ato a dança. a dança

faz; a massa — a messe?

 

faz: do prumo ao pulo

a fome informa: faz:

do fato o passo. o passo

faz: a fome — o cêrco.

 

faz: do pulo ao troço

a hora acerta: faz:

no ato a dança. a dança

faz: a hora — o acêrto.

 

 

 

Extraídos de PRAXIS  revista de instauração  critica e criativa.  Número 5 Ano 4/5  1965/1966. São Paulo. Dirigida por Mário Chamie.
Conservamos a ortografia tal e que aparece nos textos da revista.

 

Página publicada em fevereiro de 2010

 

 

Voltar para a página de São Paulo Voltar para o topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar