Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 

 

AFRANIO ZUCCOLOTTO

 

 

Nasceu em Altinópolis, São Paulo, a 24 de maio de 1913.  Poeta, ensaísta, advogado. Membro da Academia Paulista de Letras.

 

 

TEXTOS EM PORTUGUÊS - TEXTO EM INGLÊS

 

 

TRÊS POEMAS DE

AFRANIO ZUCCOLOTTO

 

 

-VIVA OSWALD!

 

Oswald não baixa ao inferno.

De pé, sobre a sepultura,

Oswald corta o epicédio,

interrompe a discurseira,

cumprimenta, sorri e adverte:

 

Oswald é o maior amigo

e o melhor inimigo.

— Não se falará nisso.

 

Oswald rompe uma velha piada

por uma boa amizade.

— Nisso também não se tocará.

 

É o homem contraditório,

exemplar ambivalência,

o filho do menino por excelência.

— Não se aludirá.

 

Afeto e agressividade,

sarcasmo, desprezo, amor,

concomitância de emoções

justificadas no artista, mor-

da-cidade.

 

— Não se mencionará.

 

Quem ficará

para dar que falar,

para o himeneu,

para o naufrágio

e a volta ao porto

dezessete vezes?

Quem sobrará?

 

Quem ficará

para espantar os búfalos,

do Norte,
conter o estouro

dos touros e centauros?

Quem se erguerá?

 

Para acabar conferência,

encerrar e iniciar debates,

fundar escola, espreitar o congresso,

virar a mesa redonda?

 

E para lançar manifesto

e a última pá de cal

nos heróis ectoplasmáticos?

E continuar a ronda

no subúrbio literário

e inaugurar aprendizes

jovens gênios problemáticos?

 

Quem interpelará?

Quem denunciará?

Quem expulsará o estulto personagem?

 

Quem amassará o pão

quem servirá a levedura

e afastará o pão ázimo,

o pão ásino,

quem é que terá a loucura

de ofender a Jeová?

— Nisso não se falará.

 

Oswald à beira do túmulo

ordena — está ofegante —

a cessação de todos os truísmos.

O cortejo fúnebre aplaude (ouve-se

o especar de isolados lugares-comuns),-

e brada: Morreu Oswald! Viva Oswald!

 

Ele faz uma vênia

e, gracioso, manda descer o caixão.

Agora, atento e mudo,

está olhando o caixão de Oswald.

O túmulo, as tílias, os plátanos,

o último tálamo, a turba atristam.

O caixão desce — cavo —

a voz sobe do peito de Oswald

— cava —

e apontando ele mesmo

a cova,

sério profere os olhos rindo:

— De profundis gargalhavi.

 

                            Novembro de 19S4

 

COMUNICAÇÃO

 

De homem

para homem

não transita

a experiência.

 

Recusa o homem

o aprendizado

provindo

de outro

homem.

Da arte

recebe

como um sopro

auroral

tudo

quanto os outros

aprenderam

para

transmitir-lhe.

 

 

ROMANCE NATURALISTA

 

Alguém matou Leonor

a meiga flor

que morrer não devia.

 

Quem foi logo se soube

logo se soube

no mesmo dia.

 

Matou-a um belo moço

um belo moço

que tinha pai.

 

E desse pai por causa

o moço belo

para a prisão não vai.

 

Que ele não é culpado

não é culpado

é o que se diz.

 

Grande culpado é o pai

somente o pai

do rapas, infeliz.

 

Tal pai nunca lhe dera

nunca lhe dera

exemplo e educação.

 

Pela trilha do bem

não o levara

em nenhuma ocasião.

 

O crime foi do pai

foi só do pai

de quem o filho é obra.

 

E o mundo isenta o filho

de toda a culpa

e o pai exprobra.

 

Mas vem quem diz que o velho

o pobre velho

não será o responsável.

 

Sim, ele por sua vez

um pai tivera

muito pouco elogiável.

 

Então culpa-se o avô

que por seu turno

era filho de alguém.

 

Era filho de um pai

que fora filho

de pai-filho também.

 

E assim sempre subindo

de filho a pai

chega-se à conclusão:

 

O culpado da morte

da meiga flor

teria sido—Adão.

 

 

Extraído da REVISTA DE POESIA E CRÍTICA, Ano IV, N. 6, 1979, p. 2-6.

 

TEXTO EM INGLÊS

From
         REVISTA DE POESIA E CRÍTICA. Ano XIV no 15 Brasília, 1990. Diretor responsável: José Jézer de Oliveira.

 

         NIELS LYHNE

         No, your life is not finished.
         You know yor have not yet attained understanding
         — I will not say of the world — but even of the suburb
                                                                  where you live;
         and even if you should attain it, ypu would still need
         to share this glory first with your neighbours,
         you would still need not to live inside your knowledge,
         but to proclain it with joy to everyone else
         and with everyone else to undertake the understanding of the city.

         You still hesitate between your tools
         and do not know intimately any of men who live within you:
         you are a dancer played on by multiple desires
         and a fakir transfixed by your ideas.
         You have put up your stall in the clouds
         and placed yourself in a region  without rules
         between the blue sea-weed
         Sand total and immediate disappropriation.
         You live effacing the outline of things.
         Your feelings are armour-plated with jasper
         and protect you from the reality at every street-corner.

         Your ultimate pride is in living thus.
         But when you are asked if you are alive or dead,
         when someone asks you the way to the nearest Market,
         you do not know what to say.
         And when a transfigured Fennimore wants to know
         if your balloon can reach the Moon,
         you stroke her face and talk about a white city
         you have glimpsed beyound the quartz mountains.

         Your ballon is losing gas,
         You may ye stay upo n high a while
         If you change over to a glider.
         But when you have to land witout having been to the Moon
         and the first passer-by asks you
         about yesterday´s accident or to tyrant´s birthday
         you will have no answer to give him.
         And you will see that your life is not finished.
         You will see that you have to begin again.

                   (Translated by Leonards S. Downes)

Página publicada em fevereiro de 2011

 


 
Voltar para a página de São Paulo Voltar para o topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar