Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 

 

ADELE WEBER

 

 

ADELE WEBER nasceu em Santos, SP, em 1929. Atuou durante vários anos como arquiteta. Participou da antologia "Caixa de Prismas" (1992). Em 1993, publicou pela UERJ seu primeiro livro individual, "Aço e Osso". Em 1994 recebeu o Prêmio Stanislaw e, em 1995 a menção honrosa especial na mesma Premiação. Um ano depois publicou o segundo livro, "Cordas de amarrar o tempo". Em 1998 e em 2006 teve poemas publicados nos números 9 e 24 da revista "Poesia sempre" (FBN). Lançou em 2003, "Tipos de rua e alguns recados" participando do grupo de poesia Letra Itinerante. Lançou em 2005, "Fragmentos de Eliot", seu quarto livro e em 2010, "Inversão íntima".
Fonte da biografia: http://www.mallarmargens.com

 

 

 

POESIA SEMPRE  - Ano 6 – Número 9  - Rio de Janeiro - Março 1998. Fundação BIBLIOTECA NACIONAL – Departamento Nacional do Livro -  Ministério da Cultura.  Volume 9 sob a direção de Antonio Carlos Secchin. Ex. bibl. Antonio Miranda

 

 

         O bronze grego

 

        Não importa se o percurso foi vencido.

 

         No momento supremo do esforço
         jóquei-menino e cavalo,
         um corpo de dois corpos
         quase horizontal, quase voo,
         saltam sobre o tempo
         ajoelhado ante dois mil anos de beleza.

 

 

        Sedução

 

        Serpente sinuosa
         na dança envolvente
         do outro

 

         na prece secreta
         um sorriso ambíguo
         de luz

 

         fascínio do abismo
         o delírio em ritmo
         de queda

 

 

        Clipes de morrer

 

        Bem de perto

 

                            neblina o olho
                            que olha e é olhado
                            — ao espelho,
                            nos limites de alguém ficando cego

 

                                               frente e atrás da bruma
                                               pés duplicados lamberam o chão
                                               em caminhos de terra —
                                               já caminhados todos os sonhos

 

         eu      sendo eu
         e        sendo ela

 

                             parasita
                            minha esperada,
                            a engalanada de surpresas, carne-viva
                            tão cara.
                            Tão alto preço me custas —
                            Mereces?

 

                                               nem outra luz
                                               nem outro tempo,
                                               a simples coisa de cada um
                                               rola com a indiferença da bola.

 

         de morrer
         me determino
         espect / ator

 

                            mais que perfeito
                            in subs ti tuível

                            apago presenças
                            eternizo ausências.

 

                                                         gato lambendo o pelo
                                                         rit      mada     mente

 

 

 

Página publicada em fevereiro de 2018

 

 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar