Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

SILVIO DUNCAN

 

SILVIO Gomes Wallace DUNCAN nasceu em Santiago, RS, a 1° de junho de 1922, filho de Sílvio Wallace Duncan e Ercília Gomes Duncan. Viveu alguns anos em São Borja, Alegrete, Uruguaiana, Bagé, estudando em colégios diversos, formando-se em Direito na Capital do Estado (1946) onde seu pai, Juiz de Direito, fora promovido a Desembargador. Em 1945, com Raymundo Faoro, Wilson Chagas, Fernando Jorge Schneider, todos estudantes de Direito, criava o Grupo Quixote.

Professor fundador do Curso de Comunicação Social da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Desde 1943 escrevia os poemas em prosa de "Paisagem Xucra", alguns dos quais publicou no primeiro número da revista "Quixote" (dez/1947) e que integraram o livro do mesmo título em 1958. Colaborou na criação de "Apenas o Verde Silêncio" com Heitor Saldanha, Joaquim Azevedo e Jorge Cézar Moreira. Participou da publicação coletiva "Poesia Quixote" (1956) e integrou a Comissão Realizadora do I Festival Brasileiro de Poesia (1958).

Publicou crónicas e poemas em diversos jornais de Porto Alegre. De "Paisagem Xucra" Wilson Martins, o crítico, disse ser a história poética do Rio Grande.

DUNCAN, SilvioProfetas do cimento.  Porto Alegre: Movimento; Instituto Estadual do  Livro, 1983.  103 p.  15x21,5 cm.   (Coleção Poesiasul, vol. 37).  N. 03 809Capa de Sila Maria Lagranha Machado, sobre fragmento da gravura em metal intitulada Santo Antonio de Albrecht Dürer, 1519.Inclui o ensaio “ Silvio Duncan e Poesia Quixote”. Imagem do poeta impressa sobre papel manteiga.   Col. A.M. (EA)

 

DONZELA PUDICA

Há uma barreira entre ti e a vida
e que te dá uma tristeza fundamental.
Por isso te alimentas de fantasmas do sexo
acondicionados em quilómetros de celuloide.
E tua mão é corpo
que substitui teu ventre amuralhado.
E a boca beija-se a si mesma
em soluços de ausência.
E as coxas grávidas de esperança
sonham a destruição do hímen
numa alegria de virtudes mortas.
O contato amante das vestes
te suplicia de pecado
e uma fila de padres negros
reza um réquiem.

 

OS MENDIGOS MENTIROSOS

 

Somos pobres, pátria,

somos pobres,

só temos nossas vestes

e a lepra de nossa alma

para te ofertar.

Somos pobres, pátria,

nossos automóveis

são de mentira,

nossas amantes

pertencem

ao erário público,

nosso dinheiro

está condenado

pela inflação.

Ai de nós

que nos sacrificamos

pelo bem do povo,

por amor ao povo

e no banquete da podridão

elevamos brindes

pela salvação da pátria.

Estamos em todos os partidos

distribuindo favores

porque somos as vítimas

deste tempo perdido?

 

 

JOVEM

 

Com o relógio
cravado no corpo,
com as frustrações
prontas para serem
carregadas

e os velhos envelhecendo
sem sabedoria.
Religiões vazias,
moralistas da moral do Eu
e as grandes palavras
para pequenos gestos.
Como não explodir
antes de transformar-se
para sempre

nos velhos ídolos ocos,
e espezinhar o ontem?

 

 

A VIAGEM MARAVILHOSA

o peixe atravessou o aquário
e foi passear seu corpo e turmalina
nas pupilas encantadas da criança

 

 

OS IMIGRANTES

 

Deuses sentados

no azul dos olhos.

Lendas dobradas

no baú da alma.

Mãos enormes

de geotropismo faminto.

Falas estranhas

de um tempo escuro,

vindas de velhos ossos medievais.

 

 

 

 

Página publicada em fevereiro de 2012

 

 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar