Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



FLÁVIO MOREIRA DA COSTA

 

 

            [Porto Alegre, 1942- ] é poeta, escritor e tradutor. Dentre suas obras destacam-se Nem todo canário é belga (1999) e  O equilibrista do arame farpado (1998).

 

           

 Falação

 

Um jogo de dados não será

por acaso ou acaso um jogo de dedos

nas teclas da máquina-piano?;

dedos nas teclas brancas e pretas

em música de silêncio e sussurro:

o piano in-forma

a poesia de-forma

e a forma é pró-forma?

 

Sim,

há poeta real e poeta ideal,

há poeta maior e poeta menor;

maior e menor que seu próprio

tamanho talento ou umbigo

- daqueles tempos d’antanho!

Democratas, santos e pederastas,

comunistas, loucos e lésbicas

- distraídos desarmados desastrados.

E Pedr’Álvares que descobriu o Brasil

(e o índio, mui surpreso com a notícia, via UPI.)

Da civilização da banana à Banana Republic

Pictures e o leão da Metro Golden Meyer.

E muito macaco, chipanzé e gorila,

aves do paraíso e aves de rapina,

e herói corrupto e o político ladrão

- tudo saindo pelo

ladrão.

E o perigo vermelho ou verde amarelado,

o perigo maior de se continuar sendo.

Os índios descobriram Pedr’Álvares em 1500.

Há sifilíticos políticos e analíticos,

epopéias centopéias e melopéias.

Em se plantando, tudo dá.

Coronéis e bacharéis,

Bananal e Copacabana,

Brasília e Santo Antônio

da Patrulha.

Há histórias e estórias e causos

e contos de reis e de réis.

o caboclo acende o cigarro de palha no boi-tatá!

Iemanjá pegou pneumonia

Em se plantando, tudo dá.

São Paulo dá café,

Minas dá Leite

e Oswald de Andrade dá samba

 

(O poeta, grilo falante.)

(26/2/1967-2007)

 

 

Travessia do deserto

 

Horizonte oco invisível,

destino solto.

Deixei de ser urbano,

Sou feliz.

Corpo de flor-de-lis

e boca, boca de pano

 

palco e luz.

Meu coração repousa em cruz,

fala surda que não se escreve;

e muda.

Construo o deserto

- oásis, de grão em grão.

 

Camelos aguardam por nós.

 

 

Extraído da revista POESIA SEMPRE, Número 29, Ano 15, 2008, edição Fundação Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro.

 

Página publicada em novembro de 2009

 

 



 

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar