Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

ALBERTO RAMOS


Alberto Ferreira Ramos nasceu em Pelotas, no Rio Grande do Sul, em 14 de novembro de 1871, estudou na Suiça e em Londres. Estudou na Faculdade de Direito de São Paulo, contemporâneo de Alphonsus de Guimaraens, mas só conclui o curso no Rio de Janeiro, tempos depois.  Nietzschiano, certamente cultivava o agnosticismo e repudiaria, em certa extensão, o cristianismo. Poeta parnasiano refinado, tradutor, homem de vasta erudição, colega de Olavo Bilac. Faleceu no Rio de Janeiro, em 1941.

 

EPITALÂMIO FÚNEBRE

Deuses! a vida é bela; a árvore é rica; a fruta
saborosa, purpúrea, agreste e perfumada,
que o meu gesto voraz alcança na ramada;
e longamente aspiro a tenra polpa enxuta.

Doce é o mel prelibado e a paz que se desfruta
ao sol que amadurece a uva embalsamada.
Deuses! terrificante é a Parca desalmada;
dos meus lábios em flor arredai a cicuta!

Não! Venha a morte; incline esta fronte sonora
quando ainda o Sol sorri, quando ainda brilha a aurora,
deuses! e o fruto e a flor pendem na verde rama.

Possa eu votar-te, ó fria e casta e taciturna,
uma fronte viril e um coração de flama
que debaixo da terra ainda abrase na urna.


ENSAIOS MÉTRICOS

I

Laura sorri-se. Os frescos lábios da úmida fragrância
róseos, chilreiam. Papagueiar da infância,

graça, inocência! Ó primavera casta e perfumada!
É o mesmo riso da criatura amada.

 

fino e cruel, que um tênue aviva fugitivo breve
sulco de sangue, boca de rosa e neve.

Os olhos são, que as graças armam de fatal encanto,
queridos olhos, que me enganaram tanto.

Céus! E esta voz! Velada e doce, que ainda mal gorjeia,
é o mesmo canto (pérfido!) da sereia.

 

ELEGIAS

2

Interroguei o céu, as ondas, o arvoredo,
busquei nas formas vãs o enigma que tortura.
Mas o deus taciturno esconde o seu segredo
e desconhece a voz da sua criatura.

Montes, mares e sóis, infinitos espaços,
bem vos entendo a voz sublime e descomposta.
Como eu torceis as mãos, como eu abris os braços
e como eu perguntais o que não tem resposta.


3

Inutilmente o espírito procura.
O pensamento é baixo, a forma escura,
        Cismos dourados! fontes!
Ó claridade! alturas! horizontes!

Tu, natureza, sabes o segredo
de crescer e subir como o arvoredo
        e, como água corrente,
ser límpido, profundo e transparente.


19

Insensato edifica o que funda no vento;
desassisado escreve o que na areia escreve.
Mestres são tempo e estudo. Obreiro grave e lento,
meu sonoro metal caldeio em forma breve.

Como é breve a esperança e breve o desengano,
o dia em que amanheço, a noite em que me agito,
breve a concha do mar e reflete o oceano,
breve o teu beijo, amor, e contém o infinito.

 

ÚLTIMOS VERSOS

3

Que me quer este nome e este segredo?
Amor! Passado é o tempo das loucuras!
Vai-te, e deixa-me estar no meu degredo,
Eu já não sou aquele a quem procuras.

Por que me olhas assim irado e torvo?
Não foste o Deus da minha mocidade?
Deixai-me em paz no sonho em que me absorvo.
Já meu caminho beira a eternidade.

 

6

Esse estranho país, esse Eldorado


da beleza, do amor, da poesia,
não é miragem vã da fantasia.
Existe, existe esse éden suspirado.

Pátria distante, fica numa estrela.
É para lá que sobe a minha prece.
Basta fechar os olhos aparece.
E é preciso ser cego para vê-la.

 

HADAD, Jamil Almansur, org.   História poética do Brasil. Seleção e introdução de  Jamil Almansur Hadad.  Linóleos de Livrio Abramo, Manuel Martins e Claudio         Abramo.  São Paulo: Editorial Letras Brasileiras Ltda, 1943.  443 p. ilus. p&b  “História do Brasil narrada pelos poetas. 

HISTORIA DO BRASIL – POEMAS

 

BARÃO DO RIO BRANCO 

 

José Maria da Silva Paranhos Júnior, Barão do Rio Branco, foi um advogado, diplomata, geógrafo, professor, jornalista e historiador brasileiro.

Nascimento: 20 de abril de 1845, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

Falecimento: 10 de fevereiro de 1912, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro

 

 

RIO BRANCO

 

Uma aurora raiou no teu berço, criança.
Corria pela pátria um frêmito inaudito;
a águia ensaiava o voo imenso no infinito
e era em torno um clamor de júbilo e esperança.

Filho, esse nome aprende; é a nossa grande herança;
como um sacro penhor guardo-o no peito escrito.
Ele amou e serviu este solo bendito
da pátria de quem foi muralha e segurança.

Desdenhosos de um vão renome transitório,
do direito e da paz fez-se arauto na liça,
É o destino, que o pôs de guarda ao território,

 

Marcou de eternidade a fronte augusta e calma
onde foi triunfante a serena justiça
e a vitória civil entrelaçou a palma!

 

 

*

 

 

VEJA e LEIA outros poetas do RIO GRANDE DO SUL em nosso Portal:

 

http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_brasis/rio_grade_sul/rio_grande_sul.html

 

 

 

Página ampliada em outubro de 2021

Página publicada em novembro de 2008




Voltar para a  página do Rio Grande do Sul Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar