Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 

 

ALARICO BRASIL

 

Alarico Herculano de Sampaio Ribeiro (Cachoeira do Sul, 7 de outubro de 1876 - Cachoeira do Sul, 2 de outubro de 1905) foi um poeta brasileiro. Bacharel em Direito, jornalista e teatrólogo, combateu do lado republicano na Revolução de 1893.

Poeta da escola parnasiana.  Obra: O Tronco e os Vencidos - carta a D. Isabel (poema), 1889; Oásis (poesias), 1896; Glossário Policial (instruções), 1899; A Letrada (comédia), 1901; O Tributo das Árvores (poesias), 1903 e Os Vencidos – inédito.  Fonte: wikipedia.



RIBEIRO, AlaricoOásis.  Prefácio Luiz Antonio Assis Brasil. Notícia bibliográfica e crítica Maria Eunice Moreira.    Santa Maria, RS: Ed. da UFSM, 1997.  157 p.  ilus. 13,5x18 cm.  Capa (em papel Kraft) e programação visual Valter Noal Filho.   ISBN 85-7391-003-8    Col. A.M.

 

AS CARTAS

 

                    A Caldas Júnior

 

 

Não que eu renegue as cartas cariciosas,

cheias de fé e amor, terno e eloquente,

Nas quais se espelha tudo que só sente

O coração das mães — almas bondosas!

 

Não que as despreze... Adoro-as, certamente,

Que me falam, me arrulham, dolorosas,

Como um bando de pombas amorosas

No pombal de minh'alma, irial e ardente!

 

Mas, que pode dizer-nos numa carta

Mais do que disse já, que não nos farta,

Um coração de mãe, santo e divino,

 

Se, como a mim, te fala sempre e eterna

A imagem grata da mulher superna

Que te formou a alma em pequenino?...

 

1892

 

 

 

INFINITO DO SONHO

 

                              À D. Cândida Fortes

 

Como a criança a correr atrás das borboletas,

Vamos estrada afora, em busca da Alegria...

De sonho em sonho, então — vêm as paixões infectas!

De sonho em sonho, após — foge um dia e outro dia!

 

A vida nos retraía em lúcida magia,

Essas noites sem fim de luares repletas,

Em que nos fala a Luz às almas da ironia

De um mundo que nos abre as ambições secretas...

 

À tarde a criança volta à casa. A rede leva

De borboletas cheia, e brinca e folga, e lança

Uma por uma à chama, - a morte enfim as ceva...

 

Mas, nós seguimos sempre, e, quem sabe, sem termos

No peito úmido e frio o fruto da esperança,

Para servir de pasto aos corações enfermos!

 

1892

 

Página publicada em dezembro de 2013


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar