Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

XAVIER PLACER

(1916-2008)

 

Professor universitário, bibliotecário, atuou na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. Nasceu em Niterói, em 1916. Autor de muitas obras ensaísticas, de poesia e prosa refinadas. É membro da Academia Niteroiense de Letras.

 

I

 

... Porque para esse recalcitrante vivente, o homem,

a poesia importa pouco.

Mas está-aí. E assume muitas formas, silentes,

insidiosas, submarinas.

A poesia sabe-se destino, a poesia

sabe-se a íntima do ser, e lá

- seva não, grande senhora –

dobra a alva túnica-sem-costura e ajoelha todas as horas.

Aqui a poesia empresta aos mármores a matéria de seu rosto.

 

 

XXXII

 

ALEGRIA nessa vitória! Destemor, eis a palavra.

Então cerravas os olhos. E os cerravas, oh labirinto!

para não ver. Romper

foi preciso lógicas e guardados,

irrisórias horas desviver, tantos fogos avivar. – Um dia

madrugou.

Contempla, contempla como esse em labaredas

consumou o prisioneiro, formidável incêndio.

UM HOMEM CAMINHA SOLITÁRIO E FORTE

EM CAMPO ABERTO.

 


Extraídos de Sondagem.
Rio de Janeiro: Livraria São José, 1977.

 

 

 

SÉTIMO ANDAR

 

Nem aurora ou galo

 

Três da manhã

o irreal se adensa:

conjunto nulo

o alto silêncio

 

Cheiro em ascensão

do pão a cozer

é o fresco BOM-DIA

 

 

O GESTO

 

Junto às coisas somos

que nem dão por nós

 

Vertigem e fúria –

tudo na voragem

fenece e perece

 

Só o gesto, o claro

gesto, funda

morre nunca

 

 

A ERIKA

 

Não desesperes, Érika

da sorte

 

Um a um os teus deuses

mudaram-se pra América

do Norte?

 

Toda-poderosa –

dança! voa! ri da morte

 

Extraídos de Minipoemas. Rio de Janeiro: Edições Xagorá, 1978.

 

 

 

Mortos os dias. Morta

a aventura. Morto o afã de absoluto

Dura o grande pinheiro na planície,

duram, sem tempo, as pedras do castelo;

naus das terras d´Irlanda e Cornualha

rompem as águas; reina el-Rei; pervivem

a aia, os felões, a felonia. Dos que acordam

a provam, desde a hora primeira,

o selo. – Que passe a amada

a Bela-dos –Cabelos-de-Oiro e junto

jaza ao amigo inerte. Foram chama.

A luz e seus contornos os negaram,

o chão e o destino, a noite os una:

deles amantes! A paixão, deles a morte

 

 

TRISTÃO & ISOLDA

aqui, legenda e símbolo se unindo para esplendor de Eros ; a Arnaldo José de Castro.

 

....................................................................................................................

 

 

PELO QUE o acaso tenha carreado

para teus óleos de efêmero

isso, Pancetti, não conta, o tempo desagrega;

 

mas pelas tuas lisas pinceladas

assimiladas por mãos de grumete a pintar navios

(mãos de neto e filho de artesãos em mármore

Mestres d´obras de Massa e de Carrara);

 

tuas cores ascéticas

cores que entre a paleta e o lugar do quadro

ascenderam e estão; pela, neles,

aérea perspectiva, céus intuídos, adivinhados;

aquele deus-dentro-de-ti perante a tela em branda

logo palpitação de mares e de pedras, de areias

e de barcos, - isso ficará.

 

 

PANCETTRI PINTOR PINTURA

Pancetti (anteponha-se José), o das marinhas & figuras espantosas.

 

 

 

Extraídos de Memorial. Rio de Janeiro: Edições Zagorá, 1980.

 

 

15

 

T AL-QUAL o vermelhar da rosa no capulho

que em círculos entorna aroma

seu pudor

o amor ama

e ama porque ama, o amor

Mas regougam feras nos fojos

pântano ciladas outros frêmitos

estão presentes são ativos

 

Qu´é deles? – os nupciais – ali

onde jorravam águas saltarinas, ali

onde a serpentina

plumagem de dois cisnes o alvo colo alongava?

 

Tudo conspira

então prenúncio de desastre

O dom maior, a beleza, ah! abeleza

É terrível; a posse? – o limite

 

 

Extraído de O Jovem Par. Rio de Janeiro: Edições Zagorá, 1985.

 

 

TESTAMENTO

 

EU, Abderame III,

Califa da ilustre Córdoba,

Por meio-século reinei.

Na guerra andei meu cavalo

minha espada me deu fama,

coroei, na paz, as letras.

Riqueza honra prazeres

chegava tudo a um aceno:

aparentemente nada faltou

a tanto poder.

 

Mortal, quem quer que sejas,

no esperes aqui felicidade.

isto te deixo em meu escrito:

meus dias felizes neste mundo

cuidadosamente os contei,

- sobem a catorze.

 

 

-------------------------------------

recortado de um escólio às obras

de Vauvenargues.

 

Extraído de Cartuns. Niterói, RJ: Letras Fluminenses, 1990.

 

 


Voltar à página do Rio de Janeiro Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar