Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

VALENTIM MAGALHÃES

VALENTIM MAGALHÃES



Filho homônimo de Antônio Valentim da Costa Magalhães e de D. Maria Custódia Alves Meira. Formou-se em Direito pela Faculdade do Largo de São Francisco, em São Paulo, onde ingressara em 1877. Ali colabora para os periódicos acadêmicos "Revista de Direito e Letras", "Labarum" e "República", este último de Lúcio de Mendonça. Ainda nesta cidade publicou três obras: "Idéias de Moço", "Grito na Terra" e "General Osório", este último em parceria com Silva Jardim, além de seu primeiro livro, intitulado "Cantos e Lutas". Ali também casou-se, em 1880.

Voltando para o Rio, dedica-se ao jornalismo, dirigindo o periódico "A Semana" (fundado em 1885), que torna-se o veículo dos jovens escritores da época, além da propaganda abolicionista e republicana, sendo um período de marcadas agitações culturais e políticas, estando Valentim Magalhães no proscênio dessas lutas todas. Sobre sua participação, regitrou Euclides da Cunha, que o sucedeu na Academia: "A geração de que ele foi a figura mais representativa, devia ser o que foi: fecunda, inquieta, brilhantemente anárquica, tonteando no desequilíbrio de um progresso mental precipitado a destoar de um estado emocional que não poderia mudar com a mesma rapidez".

Seu grande envolvimento com as causas que defendia não lhe permitiram uma maior produção literária, sendo comum entre os críticos que seu papel foi o de divulgar os demais escritores nacionais.

Ficou célebre pelas inúmeras polêmicas criadas, que redundaram em ataques e desafetos, bem como pelas defesas que dele faziam os amigos.

Durante o Encilhamento, falsa prosperidade econômica que se seguiu à Proclamação da República por obra do seu confrade Rui Barbosa, então feito Ministro das Finanças, Valentim dedicou-se ao lucro rápido, fundando uma companhia e, logo mais, como todos, vindo à falência.

Sobre seu papel na memória futura, então ainda presenciando os reveses, declarou:

"A princípio fui gênio; mais tarde cousa nenhuma. Hoje César, amanhã João Fernandes…"

Registra Manuel Bandeira que o autor participara, ao lado de Teófilo Dias, Artur Azevedo, Fontoura Xavier e outros, da chamada "Batalha do Parnaso", uma reação ao romantismo, iniciada ainda na década de 1860, e que ganhou força com a agitação promovida por Artur de Oliveira. Este misto de boêmio e intelectual conhecera em Paris os intelectuais parnasianos, e influenciara os autores brasileiros.  Fonte: http://pt.wikipedia.org/


Íntimo

 

Esta alegria loura, corajosa,

Que é como um grande escudo, de ouro feito,

E faz que à Vida a escada pedregosa

Eu suba sem pavor, calmo e direito,

Me vem da tua boca perfumosa,

Arqueada, como um céu, sobre o meu peito:

Constelando-o de beijos cor de rosa,

Ungindo-o de um sorriso satisfeito…

A imaculada pomba da Ventura

Espreita-nos, o verde olhar abrindo,

Aninhada em teu cesto de costura;

Trina um canário na gaiola, inquieto;

A cambraia sutil feres, sorrindo,

E eu, sorrindo, desenho este soneto.

 

 

TORTURA

Ante a mesquita d´áureos minaretes
açoitam dois telingas a traidora:
as vergastas, sutis como floretes,
sibilam sobre a carne tentadora.

À vibração das varas, estremecem
seus níveos membros firmes, delicados,
e, nos espasmos do sofrer, parecem
das contorções do gozo eletrizados.

Geme aos golpes, que as carnes lhe retalham,
e aberta a rósea boca, os olhos belos
pérolas vertem, que seu peito orvalham;

dobram-se as curvas, soltam-se os cabelos,
e do alvo colo, amargurado e exangue,
— como esparsos rubis — goteja o sangue


 

 

De
Valentim Magalhães
Rimario
1878-1899 
Paris: Ailhaud & Cia, 1900.  248 p

     (mantivemos a ortografia original dos poemas)


À mãe

Martyr, que a dôr santificou, a dôr
De ver morrer alguem que de ti veio,
Reclca o mar das lagrimas no seio
E não amaldiçoes nosso amor.

Elle era un céo na terra, de astros cheio,
D´astros de estranho e raro esplandor;
Nesse vergel de luz, de flôr em flôr,
Voámos felizes num feliz enleio.

Mas veio um dia, ha um anno, a ladra Morte
E nos levou a flor de mais perfume.
A estrella de mais pura claridão.

Ao nosso amor perdôa! Ouve, e sê forte:
Tambem a mim me abafa este negrume
E entanto ainda me bate o coração!

         Lisboa, Fevererio - 24 - 1895

 

Renascimento

Já não luto, bem vês; fôra loucura
Tentar deter de um rio a correnteza.
Rendo-me , pois, à tua formosura,
Pois mais forte não sou que a Natureza.

Seja qual fôr — ventura ou desventura —
)E já me não affilge esta incerteza),
Seja qual fôr o fim d´esta loucura,
Venceu-me a tua candida belleza.

Sou teu, pertenço-te, adorada minha.
Vem dos teus olhos para mim o dia,
Como do sol antigamente vinha.

Só de te amar me alegro e me contento:
E a minha vida, outr´ora erma e sombria,
Brilha e floresce num renascimento.

 


Página publicada em novembro de 2010

Voltar para a  página do Rio de Janeiro Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar