Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

RICARDO THOMÉ

 

 

(Rio de Janeiro), é poeta, romancista e doutor em Literatura Brasileira. Organizou e prefaciou Melhores poemas de Ivan Junqueira (2003) e publicou os romances Cão danado solto na noite (1999) e A hora em que os lobos choram (2002), e o livro de poesia Arranjo para cinco vozes (2005). 

RICARDO THOMÉ

 

 

Poema inconformado

 

Se você tivesse morrido

eu lhe teria enterrado,

faria rezar uma missa

de sete dias de finado.

 

Ou, então, se tivesse se ido

em um boeing pro fim do mundo,

essa saudade que me atiça

eu mandava que fosse junto.

 

Se exilado na Cochinchina

em endereço ignorado,

ou lá no cafundó do Judas

eu me teria conformado.

 

Se depois dos quintos dos infernos,

onde o zebu perdeu as botas,

eu desistiria, afinal,

de pôr fé nas suas lorotas.

 

Ou se para os raios que o partam

tivesse lhe enviado Deus,

eu abdicava de vez

de sonhar com os beijos seus.

 

Porém, sabê-lo aqui por perto

dá ganas de pô-lo num jegue,

mandá-lo, com todo o respeito,

para o diabo que o carregue.

Por sabê-lo aqui bem perto,

belo como nunca se viu,

me dá vontade de mandá-lo

lá para a dona que o pariu!

 

 

Canção triste

 

Fica comigo, seu moço,

fica comigo, me abraça,

não tenha pressa, isso passa,

fica aqui, to no caroço,

to comigo-não-há-quem-possa,

eu tô que é feito uma joça,

eu to que é tipo no gesso,

no anverso de mim, no avesso.

 

Eu tô no fundo do poço,

no oco do oco mais oco,

to na lama, na poça,

fossa mais fossa do fosso.

Eu tô comigo-nem-eu-posso,

eu to que é um treco,um troço,

no toco do osso, na corda,

bem no olho desse sufoco.

 

Não troça de mim, seu moço,

por favor, não faça troça.

Que essa joça é tão sem bossa,

e essa bossa é tão insossa,

e eu ainda sou tão moça,

pra morrer assim tão cedo,

pra viver assim com medo,

pra penar assim, minha nossa!

 

Tô comigo-ninguém-pode,

não faz troça, não me mace,

ta tudo insosso, assim, alface,

não debocha, não me fode.

Eu to na força, no impasse,

só por um triz, por um passo,

e até que isso passe,

fica comigo, seu moço!

 

 

 

Pô,  Ema!

(Exercício poético)

 

Ser lã para o teu corpo, e alegre sê-lo,

Seguir-te até a China, até a Marte,

colar, grudar em ti por tanto amar-te

como fosses a carta e eu fosse o selo.

 

Eu que todo a amava se toda a via

(tamanho amor, assim, onde cabê-lo?),

amava cada fio de teu cabelo

e amava-a ainda mais e mais, todavia.

 

(Quando passar a morte a sua foice

sobre a vida mais rica que é a tua,

terei a saudade de ti que atua

no meu lembrar-te, Ema, e o tudo que foi-se).

 

Poemas extraídos da revista POESIA SEMPRE (Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro), Número 26, Ano 14, 2007.

Página publicada em novembro de 2009.

 

Voltar à página do Rio de Janeiro Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar