Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PAULO REIS

PAULO REIS


Paulo Reis, poeta e formado em Letras pela Faculdade de Filosofia Santa Dorotéia, é natural de São José do Ribeirão, Bom Jardim - RJ, 1964. Reside em Nova Friburgo desde 1985.

Em 2003, sua poesia Friburgo foi recitada na abertura do desfile cívico-militar em comemoração aos 185 anos da cidade. A Câmara Municipal o concedeu, por unanimidade, Voto de Congratulações; e em 2007, participou como poeta convidado da revista Academia, edição comemorativa dos 60 anos da Academia Friburguense de Letras. Seus versos também estão inscritos no Memorial do Professor, inaugurado em 2008, na Praça do Suspiro, nesta cidade. Tem poemas publicados em coletâneas, e-book, jornais e websites.

Aqui uma mostra inicial da obra do jovem poeta.  

 

O HOMEM E A TERRA

 

Forneces-me o alimento

Devolvo-te o excremento

Cuspo e te piso

Corto tuas veias

E bebo o teu sangue

Arranco teus membros

Visto-te com roupas impermeáveis,

Impedindo que te banhes e respires.

 

Mas suportas calada!

Porque sabes que um dia

Render-me-ei a teus pés,

Vestindo o que te arranquei,

Para que me engulas.

Então, serei pó

E como pó,

Sentirei o que sentes!

 

 

FRIBURGO


Entre cascatas e serras

Tenho o verde e puro ar

Do Pico da Caledônia

De longe eu vejo o mar.

 

O poço é feio

Mas muita gente vai pra lá

A noiva está sempre bela

Sem nunca desencantar.

 

O cão espera sentado

A quem queira lhe visitar

Se a Suíça é brasileira

É porque aqui é melhor que lá.

 

A produção de horti-fruti

Leva o verde a muitas mesas

A capital da moda íntima

Toca o íntimo e traz riquezas.

 

O teleférico no Suspiro

Faz a gente suspirar

Com a vista panorâmica

Que encanta o olhar.

 

A praça Getúlio Vargas

Deslumbra por sua beleza

É o coração da cidade

Em meio à natureza.

 

 

POEMA COM GOSTO DE SANGUE

 

 Os fogos

de sacrifício

invadem

entranhas.

É noite

de sem joão.

O céu

fica todo apagado...

E a cidade,

cega,

surda,

muda,

acompanha.

 

 

QUADRO

 

Sou um quadro

inacabado

pintado pelo tempo.

Obra que não verei
concluída.

 

 

 

Página publicada em fevereiro de 2009

 

 

 

 

 

Voltar para a  página do Rio de Janeiro Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar