Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


NATÁLIA PARREIRAS

NATÁLIA PARREIRAS

Nasceu na cidade de Carazinho, Rio Grande do Sul mas desde os 7 anos de idade vive em Recife, Pernambuco. Aos 12 anos escreveu seu primeiro livro de poesias e foi entrevistada no programa “Jô Soares Onze e Meia” (ainda no SBT) e voltou a completar outro livro aos 15 anos.  Seu primeiro livro impresso – Inverso Verso, Comunigraf Editora do Recife, 2002  -, quando tinha apenas 18 anos.  Estudou Letras na Universidade Federal de Pernambuco. Atualmente vive no Rio de Janeiro.

Blog:  http://sonatainsone.blogspot.com/

Conheci Natália numa festa durante a FLIPORTO 2009, em Porto de Galinhas e ela me dedicou o livro: “Para o querido Antonio Miranda, com todo o anseio da menina em ser poetisa!. Com todo meu respeito, admiração e carinho”.  Respeito, admiração e carinho que agora retribuo...  ANTONIO MIRANDA

 

“Despedida”

Um rosto,
Um apego,
Mil lembranças.

Sem traços,
Sem rastros,
Sem esperanças.

Só um esboço,
Nesse esforço,
De pele e osso,
É o que faço.

Lágrimas que não têm rumo,
Tristezas profundas que em sumo,
São sentimentos rasos.

Pele quente, peito aberto,
Toda desgraça chega perto.
Nesse meu rosto sem marcas,
Deixo cortes, passo a faca,
Num desespero discreto.

Sangue que derrama,
Que encharca a alma e minha cama,
É um destino certo,
No suicídio secreto,
De alguém que ninguém ama.


“Clipes, eclipse, apocalipse e ouros fins”


“E como se nunca tivesse ido, ele voltou.
Rindo das próprias idas e vindas, passando por cima
das despedidas, melancolia ressentida, muito Rock´n´roll.
Fez dos próprios braços a foice e do passado sombrio,
Tez de olhos rasos, coice no pecado, consentiu.
Me envolveu com ternura digna do apocalipse,
E se eu não ouvisse a juá benigna frente ao eclipse,
Eclipse da tua ida com a tua vinda,
Veria novamente a dor da despedida,
Mais um dia de porta sem maçaneta no nada da vida,
E poesias de gaveta aprisionadas por clipes.”

 

Página publicada em novembro de 2009

 


Voltar para a  página do Rio de Janeiro Voltar ao topo da página

 

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar