Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


MÁRIO DE ALENCAR

MÁRIO DE ALENCAR

Mário Cochrane de Alencar (Rio de Janeiro, 30 de janeiro de 1872 — Rio de Janeiro, 8 de dezembro de 1925) foi um advogado, poeta, jornalista, contista e romancista brasileiro. [Também conhecido na literatura por Mário C. de Alencar, ou simplesmente Marcio Alencar.]Filho de José de Alencar, foi membro da Academia Brasileira de Letras. Autor de folhetins, teve muito dos seus escritos em prosa e poesia dispersa entre jornais e revistas.

Utilizou-se de pseudônimos como Deina e John Alone em algumas publicações em periódicos. Colaborou com vários órgãos de imprensa do Rio de Janeiro/RJ, desde a adolescência, tais como: Almanaque Brasileiro Garnier, Brasilea (1917), Correio do Povo (1980); Gazeta de Notícias (1894); O Imparcial e A Imprensa (1900), Jornal do Commercio, O Mundo Literário, Renascença, Revista Brasileira (1895-1899), Revista da ABL e Revista da Língua Portuguesa, além de alguns periódicos paulistas. Ocupante da cadeira 21, foi eleito em 31 de outubro de 1905, na sucessão de José do Patrocínio.

Obras: 1888 Lágrimas; 1902 Versos; 1903 Ode cívica ao Brasil; 1906 Dicionário de rimas; 1910 Alguns escritos; 1912 O que tinha de ser; 1913 Se eu fosse político; 1914 A Semana; 1919 Catulo da Paixão Cearense: sertão em flor; 1920 Contos e impressões.  Fonte da biografia: wikipedia

 

MARINHA

 

Sopra o terral. A noite é calma e faz luar.

Intercadente

Soa na praia, mansamente,

A voz do mar.

 

Os homens dormem; dorme a terra, e no ar sereno

 

Nenhum ruído

Perturba o encanto recolhido

Do luar pleno.

 

No azul profundo a lúa branca pelo céu

Sem nuvens vaga

E cobre o mar, vaga por vaga,

De um branco véu.

 

Longe, a mercê da branda aragem, vai passando

Tarda falua;

Nas pandas velas bate a lua

De-quando-em-quando.

 

Sobre a falua alguém, de amor talvez, lá vai

Cantando, e o vento

Traz para a terra o sonolento

Som que se esvai;

 

Som que se esvai no espaço e ao qual o rumor d'água, 

Como um gemido,                        

Faz estribilho indefinido

De inquieta mágoa.                        

 

Algum marujo vai talvez do coração

As brandas queixas

Dizendo assim nessas endechas

À viração.

 

Enquanto lá no azul profundo em que flutua,

Indiferente

À térra, ao mar, à humana gente

Abre-se a lua.

 

(De: Versos.  Rio de Janeiro, H. Garnier, 1909)

 

OCASO

 

Hora calma da tarde que adormece.

O céu é tão límpido que ainda

O sol está no céu, e já aparece

O fulgor das estrelas. Tarde linda!

 

A terra está quieta, recolhida,

Olhando o espaço. O ar se cala: e até

Parece que suspende agora a vida

Em tudo, como em êxtase de fé.

 

Dobram-se meus joelhos para a terra,

E os meus olhos se perdem na amplidão.

E minh´alma que aos poucos se descerra

Do corpo, vai onde os olhos não vao.

 

E ficou imóvel, mudo, sem sentido.

Do que há torno a mim, e dentro sinto

Outro mundo em que vivo, já vivido,

Talvez quando o meu corpo era indistinto.

 

E estou assim como quem vai sentindo

Que o sono vem e as pálpebras fechou;

Outro mundo em que vivo, já vivido,

Talvez quando o meu corpo era indistinto.

 

E estou assim como quem vai sentido

Que o sono vem e as pálpebras fechou;

E acordado não está, nem está dormindo,

E está n´um sonho. Assim eu estou.

 

(De: Versos.  Rio de Janeiro, H. Garnier, 1909)

 

Entre árvores ao pé de água corrente

 

Nem tudo, sábio Horácio, o que aspiravas

E a Mecenas pedias, é o que aspiro.

A mim basta-me um plácido retiro,

Entre árvores, ao pé da água corrente,

Ouvindo a voz das musas que invocavas.

Com isso apenas viverei contente.

 

Longe da turba inquieta que aborreço,

Nem teria ambições, nem cuidaria

De haver glórias da terra. Na poesia

É o grande prêmio dela o vago sonho,

Com que eu, vivendo embora, a vida esqueço

E num mundo melhor viver suponho.

Tão alto não irei no imenso espaço

Que toque os astros como tu, amigo.

Mas sei que astros e céus tenho comigo

Enquanto com estes sonhos bons me iludo;

E como as aves cantam, versos faço.

Isso - que vale o mais? - vale-me tudo.

 

 

Página publicada em maio de 2000


Voltar para a  página do Rio de Janeiro Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar