Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Foto extraída de: http://www.proparnaiba.com

 

LÉA MADUREIRA LIMA

 

 

Texto e poemas extraídos de

 

POESIA VIVA em revista.  v. 6 / Leda Miranda Hühne et al.  Rio de Janeiro: Uapê, 2010.
166 p.   


AS CERCANIAS DO OUTONO

 

Sementes pulam das gavetas

buscando a promessa do chão.

Agulha e linha costurando

a indiferença de retalhos.

Da ríspida palavra, o corte.

 

No emboço da parede, a angústia

resistia à demolição.

Do adulto a permanente infância,

memória visitando a dor.

Perdidas vozes, brincadeiras.

 

Não conheço o tranquilo voo

do azul em lassidão de outono.

Nua é, das asas, a incerteza

da liberdade. E a solidão

em metamorfose do sono.

 

O riso refletido em taças

de cristal, os dedos feridos.

Da louça inglesa vão-se os cacos.

E o estardalhaço de talheres

zomba da casa em cinza e prata.

.

 

 

CAÇADA SEM FIM

 

Hora do chá, presença da avó à mesa.
Jarro de flores, copos, fruteira, a louça.
No repente, o cavalo e o caçador,
da fina porcelana pulam
pro quadro da parede.

Antes, a madrinha declinava os nomes,
e os toques, bem marcados pela pauta,
corriam nos detalhes da toalha.
Esmero no bordado das irmãs,
em ponto de cruz.

Inda as ouço, as lições ao piano interrompidas.
sempre que apuro a marcha na corrida
em busca da cavalgada,
no rastro do cavaleiro.
Pela caçada sem fim.

 

 

AS CERCANIAS DO OUTONO

 

por Astrid Cabral

 

 

Em As cercanias do outono, a poeta Léa Madureira Lima celebra a maturidade existencial. O conjunto de poemas é o fruto do momento sazonal em que ela já pode contemplar o passado nostalgi-camente, bem como já dispõe do distanciamento imprescindível às reflexões de sabedoria.

 

Quatro são as partes da obra: Morada, Cercanias, Pulsação e Rumores, em amorosa afinação com as belas epígrafes de Lélia Coelho Frota, extraídas de Menino deitado em Alfa e Brio.

 

Nos dois primeiros segmentos, a autora procede à exumação não só de sua infância, mas também de um Brasil pretérito que a urbanização acelerada das últimas décadas soterrou. De modo metonímico, fragmentos de realidade vão construindo o resgate de um mundo perdido em que havia quintais, folguedos, balões de São João, malhação de Judas, realejos, bondes etc. Aí se encontram as zonas oeste e sul do Rio de Janeiro, envolvidas ainda de um bucolismo que contrasta com a atualidade violenta do tiroteio no morro do Turano, à que aludirá depois na parte final.

Não apenas sobre a saudade do já vivido se debruça a autora, pois também expressa a melancolia do não vivido, aquilo que Bandeira definiu como o que poderia ter sido e não foi.

 

Já os poemas de Pulsação se definem por caráter mais abstrato em função do afastamento das contingências. Estamos diante de um eu-lírico que se interroga, analisa e expressa a interioridade dos sentimentos, em vez de observar e descrever o exterior. Rumores encerrará a coletânea com o ressaibo do sofrimento advindo pelo trágico da vida, a amarga decepção com os desmandos da sociedade brasileira, e onde, em pungente poema, lembra que urge gritar: Basta! Assim, se em O anjo do Pastoril, imagem luminosa da infância, o encantamento faria suas asas voarem, elas agora ressurgem em Anjos caídos, no lixo sobre o as¬falto, o estampido sobrepondo-se à canção. Porões trancados não são mais o espaço de esconderijos e brincadeiras uma vez que se transformaram em sombrios subterrâneos. Ficam ressoando no leitor sentenças como página nublada, céu incinerado e o verso síntese: O cálice vazio de esperança.

 

Léa Madureira Lima possui alto grau de consciência criadora. A organização equilibrada do material poético, a insistência no uso de métrica e de estrofes, assim como os três bem elabora¬dos sonetos apontam os fortes vínculos que mantém com a tradição. Por outro lado, seu discurso democrático incorpora tanto termos populares como os de léxico erudito. Sua poética expõe eloquência velada e a dinâmica da justaposição de olhares. Algumas vezes a sintaxe surge sincopada porque o frequente hipérbato trava-lhe a fluência, revelando uma sensibilidade crítica, em contrapelo com a realidade precária da vida contemporânea. A poeta se impõe pela aguda conexão mantida com o momento social que lhe cabe viver.

 

Página publicada em novembro de 2018


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar