Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


JORGE MAUTNER

JORGE MAUTNER

Henrique George Mautner, o Jorge Mautner, nasceu na cidade do Rio de Janeiro, no dia 17 de Janeiro de 1941. Filho de pai judeu vienense e mãe iuguslava, que fugiam do holocausto.

Poeta, músico, cantor e compositor. Autor de muitos plaquetes e livros publicados desde 1962, ano em que lançou “Deus da chuva e da Morte”, seguido de “Kaos” (1963) e muitos outros, muitos dos textos usados em suas célebres composições, sucessos gravados por vários nomes da MPB, entre eles: ("O Vampiro" com Caetano Veloso); ("Maracatu Atômico" com Gilberto Gil); ("Filho Predileto de Xangô" com Celson Sim); ("Lágrimas Negras" com Gal Costa); ("Samba dos Animas" com Lulu Santos); ("Rock Comendo Cereja" e "Samba Jambo" com Jongê); ("Orquídia Negra" com Zé Ramalho).

POESIAS DE AMOR E DE MORTE

De
POESIAS DE AMOR E DE MORTE
e/ou
CANTOS DO CAMPO DE CONCENTRAÇÃO
DO HORROR E DA PAIXÃO ZR 4538 m.
Com um só prisioneiro à espera da libertação
pelas tropas aladas de arcanjos e anjos aliados

São Paulo: Edição do Autor a carga de Massao Ohno –
Roswitha Kempf Editores, 1981

CANTO III

Sinfonia ligeira
Não chega ao fim
Queira ou não queira
Eu sou é assim

Te dei meu corpo
Te dei minha pele
Mesmo depois de morto
Esta força me impele

Força dos grandes destinos
Que estão muito além
Dos hinos e dos sinos
E do aum e/ou do om e do amém

Mas te amo, te amo, te amo
Como nunca se amou na Terra
Nem no Brasil, no Vietnã ou no oceano
Nem na China nem na Inglaterra

Monstro dourado
De amor e dengue
Sou eternamente gamado
Nestes quadris que dançam merengue

Fico feliz
Quando tu chegas
És a matriz
Das minhas horas mais negras

De onde tu vens?
De onde? De onde?
Será que tu é quem tens
O ouro do conde?

Falo bobagem
Começo a ser fragmento
A grande chantagem
É a morte a todo momento

 

— MOVIMENTO UNIVERSALISTA DO KAOS —

 

O partido do Kaos com k

É o mais querido

O que é que há?

É Kaos com k. K. K! Colorido e destemido

 

Vai nascer

E já nasceu

Vai ser o ser

Do ABC do plá do Anjo e do Zebedeu

 

Vai brotar das águas

Como Vênus-Afrodife

Ou lemanjá e lavar as mágoas

De quem como eu é como o povo e como a elite

 

Estamos iniciando

O movimento que tal, em paz

Amamos e estamos amando

Todo o tempo do tempo e o mal, aliás, jaz no jamais

 

E no espaço e no vento

Nos ciclones e vendavais

Eu sou o aço do abraço e o documento

Dos nomes e fomes e se és dos homens e lobisomens e dos

                                               [etcétera é tais

 

Movimento Universalista

Do Kaos com k

É o envolvimento no universo sensualista

Do Tao e do som de eon do balafon do elétron

                                      [ bom e do plá do plá

 

É como a canção

Do Jackson do Pandeiro

É o Rei Momo e o não da emoção

O dõ do kendô do Aikido do amor de Xangô e do

                            [ verdadeiro brasileiro

 

Universal

E nacionalista de um neo-nacionalismo

Tolerante e democrático social-existencial-global- sensual
E futurista-realista-surrealista de um mel de humanismo

 

Mistura fina

De cultura pagã

E aventura-doçura-procura latina

De cura e de anti-linha dura de qualquer ditadura sã e super saudável

 

==================================================================

 

 

 

De  ANTOLOGIA POÉTICA DA GERAÇÃO 60.  ÁLVARO ALVES DE FARIA; CARLOS FELIPE MOISÉS, organizadores. São Paulo: Nankin Editorial/ Instituto Moreira Salles, 2000.

 

 

Perfuro o ventre da escuridão

 

Perfuro o ventre da escuridão

onde as coisas se escondem

porque estão cheias de sim e de não e de confusão

e quando pergunto sobre qualquer assunto nunca

         respondem

São como coisas presas ao labirinto

com algemas nos pulsos e tudo

são cinco pras cinco e eu já me sinto

dentro do seu não e de um caixão de veludo

 

Toca teu samba, toca

e tortura meu ser com prazer de ser

a tortura como aquela coisa que nos choca

onde a alegria me enganava se dizendo a alegria de não ter

 

Não ter o quê?

Ora, tá na cara

não ter é não ter você                

seja com grilo ou seja odara

 

Luas de prata conseguem

fazer com que lentamente

as sensações das emoções naveguem

e invadam como as fadas minha mente

 

Doem-me todas as cicatrizes

e sinto as rugas das verrugas

Sei que és como atores e atrizes

e que sempre atacas quem te quer por em fugas

 

Tocas então mil serenatas

e antigas cantigas e rondós

depois mijas no chão como os cães vira-latas

e ficas falando de ti quando estamos a sós

 

É por isso que sinto todos estes e aquelas

dores incolores e na garganta estes nós

Nem as cores de óleos, hologramas ou aquarelas

poderiam expressar tão bem estes meus ós, ós, ós!

 

 

  

RASEC, César  Jorge Mautner. em movimento.  Salvador, BA: Edição do autor, 2004.  408 p.  ilus.  16x23 cm.  ISBN 85-904410-1-6  Inclui depoimentos de Gilberto Gil, Caetano Veloso, Capinan, Rogério Duarte, Maria Bethânia, Galvão, Waly Salomão, Nelson Jacobina, Luiz Carlos Maciel,, Dulce Maia, Luiz Caldas, Roberto Sant´Ana, Antonio Adolfo, Paulo Bomfim, Jary Cardoso, Aguilar e Fausto Nilo. Inclui um CD, incluindo 1, KÁOS com Luz Caldas, e CORDEL DIONISÍACO, com Ble-Bule, Bira Paim e Missinho. “ César Rasec “ Ex. Bibl. Antonio Miranda

Letras de músicas:

 

SAPO CURURU
 

(Jorge Mautner)

Esse sapo cururu
No andar de bicicleta
Mas ele anda dizendo
Que a lua é careca

Se a lua fosse careca
Ela usava cabeleira
Ah, como é bonita
A bandeira brasileira.

 

“PLANETA DOS MACACOS”

(Jorge Mautner e Jards Macalé)

Vem comer essa banana
Que é uma refeição de fato
Meu bem, te dou o melhor naco

Vem vestida de baiana
Ou boneca doidivanas, neném
No planeta dos macacos

Vem cá, boneca minha
Ser a única rainha
Nessa selava de batuque
Onde o palhaço dança, pula com o duque
Fantasiados de animais
Somos todos iguais nestes carnavais.,

 

GINGA DA MANDINGA

(Jorge Mautner – Rodolfo Grani J.)

Olha só que dengue
Que eu faço aqui para você nesse merengue
Olha que ginga
Que eu pingo aqui para você só de mandinga
Olha só que tombo
Que você leva sambando aqui no quilombo
Olha só que banda
Que toca assim pra saudar quem vem da aruanda
Tem estrelas no céu
Tem estrelas no mar
Tem uma estrela sozinha
No fundo do seu olhar
São tudo lantejoulas
Que a note vem usar
Em cima do terreiro
Onde você vem sambar
Usando aquela fantasia
Que tem a cor do meio-dia
E tem o sol de pedraria
Só pra me ofuscar!

 

MAUTNER, Jorge.  Kaos total. Org. João PauloReys e Maria Borba: seleção dos fragmentos Natasha Felizi.  São Paulo: Companhia das Letras, 2016.  414 p. ilus. col. 14x21 cmm.  ISBN 978-85359-2873-6   “Jorge Mautner” Ex. bibl. Antonio Miranda

 

          Ao seguir aquele vulto
          que percorria o labirinto
          descobri que era eu mesmo oculto
          dentro das coisas que sinto
 

 

Maracatu atômico

Atrás do arranha-céu tem o céu, tem o céu,

e depois tem outro céu sem estrelas.

Em cima do guarda-chuva tem a chuva, tem a  chuva

que tem gotas tão lindas que até dá vontade de comê-las.

 

No meio da couve-flor tem a flor, tem a flor

que além de ser uma flor tem sabor.

Dentro do porta-luva tem a luva, tem a luva

que alguém de unhas negras e tão afiadas
                                        se esqueceu de pôr.

 

No fundo do para-raio tem o raio, tem o raio

que caiu da nuvem negra do temporal.

Todo quadro-negro é todo negro, é todo negro,

e eu escrevo o seu nome nele só pra demonstrar
                                       o meu apego.

 

O bico do beija-flor beija a flor, beija a flor

e toda a fauna, flora, grita de amor.

Quem segura o porta-estandarte tem arte, tem arte

e aqui passa com raça, eletrônico, o maracatu atômico!

 

Musicada por Nelson Jacobina

 

 Video no Youtube: MARACATU ATÔMICO:

https://www.youtube.com/watch?v=0ocevnfp0vU

 

 

Página publicada em janeiro de 2009; republicada em setembro de 2009; ampliada em outubro de 2015. Ampliada em maio de 2016.

 

 


Voltar para a  página do Rio de Janeiro Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar