Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


HINO NACIONAL BBASILEIRO

JOAQUIM OSORIO DUQUE ESTRADA
 (1870-1927)


Nasceu em Pai de Alferes, Rio de Janeiro. Poeta, professor e teatrólogo, é o autor da letra do Hino Nacional Brasileiro, cuja música é de Francisco Manuel da Silva.

 

HINO NACIONAL BBASILEIRO

 

Ouviram do Ipiranga as margens plácidas

De um povo heróico o brado retumbante,

E o sol da liberdade, em raios fúlgidos,

Brilhou no céu da Pátria nesse instante.

 

         Se o penhor dessa igualdade

Conseguimos conquistar com braço forte,

         Em teu seio, ó liberdade,

Desafia o nosso peito a própria morte!

 

         Ó Patria amada,

         Idolatrada.

         Salve! Salve!

 

Brasil, um sonho intenso, um raio vívido,

De amor e de esperança à terra desce,

Se em teu formoso céu risonho e límpido

A imagem do Cruzeiro resplandece.

 

Gigante pela própria natureza,

És belo, és forte, impávido colosso,

E o teu futuro espelha essa grandeza,

 

         Terra adorada!

         Entre outras mil

És tu, Brasil,

Ó Pátria amada,

Dos filhos deste solo és mãe gentil,

         Pátria amada,

         Brasil!

 

Deitado eternamente em berço esplêndido,

ao som do mar e a luz do céu profundo,

Fulguras, ó Brasil, florão da América,

Iluminado ao sol do Novo Mundo!

         Do que a terra mais garrida,

Teus risonhos lindos campos têm mais flores,

         "Nossos bosques têm mais vida"

"Nossa vida" no teu seio "mais amores".

 

Ó Pátria amada,

Dos filhos deste solo és mãe gentil,

         Pátria amada,

         Brasil!

 

Brasil de amor eterno seja símbolo

O lábaro que ostentas estrelado,

E diga o verde-louro dessa flâmula

— Paz no futuro e glória no passado -

 

Mas se ergues da justiça a clava forte,

Verás que um filho teu não foge à luta,

Nem teme, quem te adora, a própria morte,

 

Terra adorada!

Entre outras mil

És tu, Brasil,

Ó Pátria amada,

Dos filhos deste solo és mãe gentil,

         Pátria amada,

         Brasil!

 

 

 

VELHO TEMA

Fatigado viajor, que do deserto,
Ledo, percorre o areal que o sol castiga,
Busca um pouso na terra, onde se abriga,
Vendo as sombras da noite que vem perto.

Assim também — ó minha doce amiga! —
Em meio ainda do percurso incerto,
No teu regaço, para mim aberto,
Fui repousar , exausto de fadiga...

De uma planta fatal, que em meio à trilha
Em flores perfumadas se desata,
Bene a morte o viajor que o sono pilha...

Assim teu beijo a vida me arrebata
— Beijo que guarda como mancenilha
O mesmo aroma que envenena e mata!


(Seleção de Napoleão Valadares,
para JORNAL DA ANE, junho/julho 2015).

 

 

 

Página publicada em maio de 2009; ampliada em julho de 2015.



Voltar à página do Rio de Janeiro Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar