Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



HELENA PARENTE CUNHA 

 

Nasceu em Salvador (BA), em 1930. Poeta, ficcionista, tradutora, professora universitária, pesquisadora, ensaísta e crítica literária. Em 1954, com bolsa de estudos da CAPES, especializou-se em Língua, Literatura e Cultura Italiana em Perúgia (na Itália). Seus primeiros escritos foram publicados no Suplemento Literário do jornal Estado de São Paulo, na revista Tempo Brasileiro, na Revista Brasileira da Língua e Literatura, entre outros. Em 1956, deu inicio aos seus trabalhos de tradutora de obras da língua italiana. Trabalha, desde 1968, na Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

 

Estreou, em 1960, com o livro de poemas Corpo do gozo, premiado no Concurso de Poesia da Secretaria de Educação e Cultura da Guanabara, em 1965. Outros livros de poesias da escritora: Corpo no cerco, editora Tempo Brasileiro, 1978, com apresentação de Cassiano Ricardo; Maramar, editora Tempo Brasileiro, 1980; O outro lado do dia, editora Tempo Brasileiro, 1995; e Além de estar, editora Imago, 2000 (reúne seus livros de poesia anteriores, além de trazer material inédito). A poesia de Helena Parente Cunha tem o mérito de iniciar no país um avanço em relação ao Concretismo — experiência que iria desaguar no movimento neobarroco, principalmente com o poema “Além de estar”.   

Salomão Sousa

 

 

ALÉM DE ESTAR

 

vesti-me com a luz pendida

nas espumas que mais brancas

 

nas ondas que mais ondas

descontei o meu ficar

 

nas pedras depois das pedras

meu deixar-me por deixar

 

nos azuis de mais que azul

meu estar-me além de estar

 

CREPUSCULAR

 

perpendicular

ao caminho

insisto

andar

 

circunscrita

na hora

duro

o percurso

 

horizontal

cheguei

para

me crepuscular

 

 

BLOQUEIO

 

onde sopra agora o vento

que levava o que eu dizia?

 

onde se perderam os nomes

que tantas coisas tiveram?

 

onde ficaram as coisas

chamadas em minha voz?

 

e minha voz

como assim subtraída?

 

gosto de pedra

na saliva em minha língua

 

as palavras me emparedam

onde houvera minha boca

 

 

RETRATO

de agora a mil horas
o meu retrato
ainda estará aqui

quem aparece
onde pareço?

pouso de passagem
na fotografia

atrás do quadro
que me contorna
desapareço

quem comparece
na própria face?

poso de novo
(me encontra pronta
cada hora que mil)

de agora a mil horas
quem perece
no meu retrato

 

 

 

RAMALHO, Christina.  Dois ensaios sobre poesia: Fênix e harpia: Faces míticas da poesia e da poética de Ivan Junqueira; Desejo de tulipas: O eu em expansão na poesia de Helena Parente Cunha.  Santa Cruz do Sul, RS: EDUNISC, 2007.  136 p.  ISBN 978-85-7578-180-7   O primeiro ensaio já fora publicado anteriormente pela Academia Brasileira de Letras.  Col. A.M.

 

 

O CAMINHO DE LONGE

 

Ao sair

coloquei novamente sobre os ombros

 

o meu nome

e atravessei o portão.

 

Olhei para trás

sem querer assumir a distância.

 

Mas em frente

eu estava

- longe –


 

PERTO

 

Daqui

desta janela ocidental

da minha rua das laranjeiras

entre os cabelos assustados

dos dois coqueiros frente ao meu prédio

daqui

junto ao convite maternal das mangueiras

daqui

deste instante brasileiro

que se move aberto

pela minha janela carioca

daqui

da minha verde verdade tropical

eu vejo

sim eu vejo

daqui

a limpidez dos cedros

e a serenidade inequívoca dos pinheiros

plantados no outro lado do dia.

 

 

BUSCA (2)

 

Buscando definições

viajei dentro de espelhos

e pelo fundo do mar

e pela borda do abismo

e na fímbria do horizonte

 

Só foi buscar e perder

 

Reflexos de imagens simuladas

moles caminhos molhados

riscos em fundo de perigo

intricados de fios no limite

 

Mas ganhei no que perdi

 

Do indefinir do espelho

do inacessar do mar

do indecifrar do abismo

do reviver tanto fim

sem final

 

 

 

 

Página preparada por Salomão Sousa e publicada em janeiro de 2008. ampliada e republicada em dezembro de 2012.

 



Voltar para o topo Voltar para página da Bahia Voltar para  Rio de Janeiro

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar