Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

FERNANDO MARQUES

 

Jornalista, professor universitário, poeta e compositor, nascido no Rio de Janeiro em outubro de 1958. Temartigos publicados em jornais e revistas de São Paulo, Brasília e Rio. Mestre pela Universidade de Brasília com trabalho sobre o humor nas peças de Nelson Rodrigues, vem preparando um estudo sobre o teatro musical. Publicou o livro de poemas Retratos de Mulher (Varanda) e é autor das canções do show Samba do Amor Omisso (2001) e da peça Últimos.

 

MARQUES, FernandoZé: peça em um ato; adaptado em verso e canções dp Woyzeck de Georg Buchner.   Ilustrações Andréa Campos de Sá.   São Paulo: Perspectiva, 2003.  135 p.  Inclui as partituras das música ao final do livro.   Patrocínio Brasil Telecom.  Col. A.M. 

 

CENA 1 – QUARTO  (fragmento)

 

(Quando os espectadores começarem a chegar, os músicos estarão

executando a Canção de Maria, sem letra. O cenário mostra o quarto

do Capitão. Ele está sentado numa cadeira; Zé lhe faz a barba. A

canção se encerra.)

 

CAPITÃO

 

- Calma, José, calma!

Assim fico tonto.

O bigode pronto

em tempo tão curto

não vale uma palma.

Calma, homem, calma!

Ganhei dez minutos

exatos, enxutos.

Pra que tanta pressa?

Mais vale é a alma...

Pensa, José, pensa:

 

só tens trinta anos,

tnnta lindos anos,

horas, dias, meses...

A vida é imensa!

 

 

- Sim, seu Capitão!

 

 

CAPITÃO

 

— Convém fazer planos.

Deixar de ser tonto,

deixar de ser pronto.

 

(Bate no bolso, figurando dinheiro. Muda de tom; agora pensativo.)

Temo pelo mundo

e seus muitos enganos.

 

Eu tremo ao pensar

no trabalho eterno!

O trabalho eterno

que logo se esfuma

e some no ar!

Eu sinto pavor

ao pensar que o mundo

não para um segundo!

Que grande canseira.

E, muito pior,

pra onde, afinal,

tudo isso conduz?

Que peso, que cruz.

Fico melancólico

ao ler o jornal.

 

- Sim, seu Capitão.

 

CAPITÃO

 

— Estás sempre apressado.

Um homem de bem,

um homem, alguém

de mente tranquila,

tem menos cuidados.

(maquinando algo)

Mudemos de assunto.

Como está o tempo?

 

 

— Ruim. Muito vento.

 

(...)

 

CENA 5 – A FEIRA, TENDAS, LUZES, POVO

 

CHARLATÃO (desfilando com um cavalo)

 

— Vamos, mostre seu talento!

A sua sabedoria!

Envergonhe a sociedade!

Esse animal que estais vendo,

o rabo por sobre as patas,

é mais que um simples jumento,

mais do que pareceria:

é sócio de uma entidade

de sábios! Bicho tremendo,

ele até redige as atas!

Professor da academia,

e com ele os estudantes

aprendem a cavalgar

e a usar o chicote.

E um animal doutor!

Um asno que saberia

agir, por alguns instantes,

não com instinto vulgar

mas tendo a razão por mote.

Dupla razão, sim senhor!

(ao animal)

 

Pense com dupla razão!

O que você faz ao pensar

com a razão vezes dois?

Há um burro entre os doutores?

(O cavalo sacode a cabeça.)

 

Estais vendo, acompanhando?

Não é um animal, não.

Capaz de raciocinar.

Vamos ver o que depois,

meus senhores, meus senhores,

esse bicho ser humano

mda irá nos exibir...

Um ser humano animal,

uma pessoa, de fato;

 

ainda assim é um jegue,

uma besta, um pedro-bó.

Vinde, vinde ver e rir.

 

(O cavalo comporta-se mal.)

Isso, envergonhe, imoral,

és um homem ou um rato?

Esse animal não consegue

ser mais do que areia e pó.

Você foi feito de areia,

de pó, de areia e lodo.

Quer ser mais do que a matéria

de que foi feito, afinal?

Senhores, tenhamos dó!

Não é tão ruim da ideia,

não é insano de todo,

sabe da própria miséria.

Um ser humano animal:

 

faz contas como um doutor

sem poder contar nos dedos.

Ser humano transmudado,

nos diga, que horas são?

Quem de vós tem um relógio?

Um relógio, por favor!

 

SUBOFICIAL

 

— Um relógio?

(Com um gesto grandiloqüente e estudado puxa um relógio do bolso.)

 

CHARLATÃO (enfático)

 

— Aqui o temos!

 

MARIA

 

— Ser humano transmudado?

Vai dizer que horas são?

(Passa para a primeira fila, ajudada pelo Suboficial.)

 

TAMBOREIRO-MOR (referindo-se a Maria)

 

— Que negócio, que negócio

para o Tamboreiro-mor.

 

 

Página publicada em março de 2013

 

 

 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar