Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 




Fonte: http://www.plataforma.paraapoesia.nom.br/2005btentrevista.htm

 

BRUNO TOLENTINO
(1940 - 2007)

 

Nasceu no Rio de Janeiro em 1940. Revelação de autor em 1963 por Anulação e outros reparos. Com o golpe militar de 1964 mudou-se para a Itália a convite de Ungaretti. Na Inglaterra a partir dos anos 70, ensinou nas universidades de Bristol e Essex antes de suceder a W. H. Auden como editor da Oxford Poetry Now. Ainda na Europa publicou Le vrei le Vain (Paris, 1971) e About the Hunt (Oxford, 1979). De volta ao Brasil em 1993, vem reunindo sua obra poética em português com: As horas de Katharina (1994), Os Deuses de hoje (1995), A balada do cárcere (1996), O Mundo como Idéia. São Paulo: Globo S. A., 2002. Recebeu os prêmios Jabuti e Abgar Renault, no centenário da Academia Brasileira de Letras.

 

Veja também>>> POÈMES EN FRANÇAIS

 

 

VIA CRUCIS

A Via Crucis foi uma selvageria,
a Crucifixão uma brutalidade;
mas em três, quatro horas, acabou a agonia,
baixou a eternidade.
Eu vivo aqui, crucificada noite  e dia,
carrego da manhã à tarde
o meu lenho de opróbrio e a noite me excrucia,
lenta, fria, covarde.
Ah, como eu preferia
que crucificassem de uma vez, sem o alarde
de algum terceiro dia!
Mas toca-me seguir nessa monotonia,
a agonia de alçar-me do catre
e abrir de novo os braços, vazia.

 
         Extraído de As Horas de Katharia*.

 

*A obra acaba de ser reeditada pela Editora Record (em 2010).  O relançamento mereceu um artigo de Reinaldo Azevedo, antigo colega do polêmico Bruno Tolentino ma redação da revista Bravo!.   Revela que "Bruno foi demasiadamente humano nas qualidades e nos defeitos. Aquelas fizeram dele um poeta universal; estes tornaram sua vida atribulada. O poeta saudado por artistas e intelectuais do porte de W.H. Auden, Saint-John Perse, Ungaretti e Yves Bonnefoy (...)".  Ganhador do Prêmio Jabuti duas vezes, Bruno, segundo Azevedo, "Não era um vândalo da ruptura, mas um reformador da tradição já desde seu primeiro livro, Anulação e Outros Reparos, publicado quando ele tinha 23 anos, com prefácio de José Guilherme Merquior. Abominava essa bobajada de "ate social" ou "arte engajada". Não foi prisioneiro do verso livre nem escravo da invenção." (VEJA, edição 2177, ano 43, n. 32) 11 DE AGOSTO , 2010

 

=====================================

Segundo Movimento

Mas vem o amor, o amor que faz tão doce
o travo em que circula à flor do instante,
e entre resíduos vai como se fosse
suficiente, plácido e constante...

Mas se é amor é muito mais cortante
e em lâmina tão leve disfarçou-se
que por melhor alar seu golpe pôs
cintilações de ganho em cada instante.

E a alma se insurge, cobra a amor que abrande
seu ginete malsão tonto de posse,
esse peso de corpo que a alma torce

e não doma, esse breve, esse bastante
soluço da vontade no imperfeito —
mas a alma cede, a alma sucumbe ao peito...


MECANISMOS


Havia um azul sereno
naquele roxo florindo,
o jardim dava no tempo
e o tempo passava rindo.

É tudo de que me lembro.
Quase nada do que sinto.
Deu-se a flor ao pensamento
entre a memória e o instinto.

O mais é aquilo que invento,
as músicas que mal digo,
orvalhos que ficam sendo
daquele jardim antigo.

 


FLAUTM

Guardaremos juntos
os acertos, breves,
os enganos, fundos,

e aquele remoto
amparar de parcos,
altivos escolhos.

Cairão o signo
e a secreta cinza
desse ardente enigma.

Não lamentaremos
mais que o desencontro
dos humanos termos,

a rápida marca
que o passado imprime
na face, na máscara,

e os puros despojos
que às vezes são versos
e sempre são ossos.

Não diremos nada
dos velhos desejos
que a memória abraça,

sem qualquer palavra
não recordaremos
o que nos pesava,

mas apenas isso
que nos pese ainda:
ter vindo, ter sido.


FRAGMENTO DE UM CORO

Nós
         os de cinza e tempo
nós os de olhar barrado
nós os de céus ardendo
e ventos desfigurados
nós os de mito e queda
nós os de mãos atadas
ecos
         desdobrando
                            gritos
mudos mantos desdobrados
nós silenciados muros
de desesperos caiados
nós cegos irmãos em luto
por mundos manietados
nós sonâmbulos
                   remotos
nós vagos
só recordados
os estáticos andantes
escuramente pisados
nós os egressos da sede
diuturnamente velada
nós o exílio de nós mesmos
viva lâmpada apagada
nós entre o infinito e o medo
esparsos
            desencontrados
nós frios
de cinza e tempo
em tempo e cinza
                       encerrados

De  Anulação e outros reparos, 1963

-------------------------------------------------------------------------------------------------

 

 

D´O CASTELO INTERIOR

 

         Não saberei, Senhor, se era possível

evitar o degredo ensimesmado,

se ao coração sedento de invisível

e cedo emparedado em seu quadrado

         de febre, de impureza e de impossível,

fora talvez possível, por um lado,

escapar à masmorra, ou preferível,

por outro, haver crescido encarcerado.

         Sei que duro é o exílio e que difícil

a arte de, nos pulsos tendo algemas,

escalar pedra a pedra o precipício.

         Sei quanto é frio o fogo em que nos queimas,

que renitente a lenha e quão propício

teu cadafalso às almas mais extremas.

 

         Não permitas, Senhor, que a minha carne

se confunda outra vez e eu me atrapalhe

e caia como cartas de baralho

o castelo em que entrei para salvar-me.

         Teresa, castelã, valha o que valha

o meu fervor, o meu fragor de armas,

sustentai-me, rogai que eu não desarme,

que não se apague o fogo meu, de palha,

         talvez, mas seja palha de fogueira;

fogo de auto-da-fé, se necessário,

mas fogo irrevogável, se primeiro

         hei de arder que render-me ao ilusório.

E se hei de merecer algum martírio

tanto mais duro quanto o assédio é sério.

 

 

Á TERRA PROVISÓRIA

 

         Adeus cimos e vales e veredas,

e bosques e clareiras e campinas

soltas ao vento, sacudindo as crinas

das espigas do sol na luz de seda.

         Adeus troncos e copas e alamedas,

esmeraldas selvagens que as neblinas

salpicavam de prata, adeus colinas

que iam subindo como labaredas

         de cobalto no ar... Adeus beleza

irrepetível, que me viu nascer

e toca-me deixar: a natureza

também é feita de deixar de ser,

e eu levo agora a sombra e deixo a presa

à inevitável luz do amanhecer.

 

 

RESPONSABILIDADES

 

         Ah, o país dos poetas! Quanto mais

improvável aqui, no pobre agora

dos desastres morais, quanto mais fora

das probabilidades do fugaz,

         quanto mais sujo, mais doente, mais

esquecidiço, quanto mais demora

a aparecer esse país, a hora

de defender-lhe as torres ancestrais,

         as coisas que fundaram esta linguagem,

ou a replantaram aqui nesta paisagem

insultada mas certa do que é,

         a hora de erigir-se alguma fé

faz-se mais clara e cheia de coragem

que obriga a não ceder, a fincar pé!

 

 

O MUNDO COMO IDÉIA

 

         O mundo como idéia (ou pensamento).

Entre a gnose e o real (talvez) o acordo.

Mas no ramo (imperene) cantão tordo

(provisório) e invisível vem o vento

         e leva o canto e deixa um desalento,

a queixa dos sentidos... Não recordo

se sonhei tudo isso ou não: um tordo

e a noite em meus ouvidos um momento,

         outro rapto no vento... Mas supor

que o triunfo moral do cognitivo

restitua-me o ser menos a dor,

         é resignar-me a um perfume tão rápido

que não existe quase, insubstantivo

como a Idéia... Não: o mundo como rapto!

 

 

O VERME

 

         O coração, enfermo porque vive

do que morre,debruça-se à janela,

vê a luz desertando-o no declive

entre a vida e a paixão do ser por ela,

         e comovido vai compor a tela

em que a reduz para contê-la. Eu tive

essa mesma ilusão, compus a bela

equação passional da mente livre

         e pus meu coração nesse vazio.

Mas falhei. Ele nunca permitiu

o oásis ilusório na epiderme

         sensível do real. Eu tinha um verme

no coração, que foi roendo o fio

da ilusão e acabou por socorrer-me.

 

 

Extraídos de 41 POETAS DO RIO, org. Moacyr Félix.  Rio de Janeiro: FUNARTE, 1998.  514 p.

 

 ----------------------------------------------------------------------------------

16  VALSE OUBLIEE

 

Certas estrofes perdidas

longe de papel e lapis

vão e vêm e doem-me ainda,

tão límpidas quanto rápidas,

 

como certos, certos fatos

de uma fluida inconseqüência

na rapidez da existência,

certos rasgos, certos raptos,

 

certas cenas, certa faca

de que às vezes sou bainha,

afiada quando ataca

e cega quando sozinha.

 

 

18  ESTREITEZAS

 

Madalena, Madalena,

no escuro da minha cela

penso em ti como naquela

que passou pelo portão

mais estreito: o do perdão

depois do doce pecado.

Mas meu corpo encarcerado

não tem nenhuma opção:

na estreiteza desta cela

a pele ardente e morena

que me acossa e me flagela

não conhece remissão.

Na comprida noite fria

como na manhã vazia,

minha carne, Madalena,

não tem escolha ou perdão.

 

 

80 WIEDERGEKOMMEN

 

E aqui venho de volta e Te agradeço

me haveres socorrido,

porque não levo mais no corpo combalido

a dor que ainda mereço.

 

Perdi-me muitas vezes, mas paguei logo o preço,

e por fim o alarido

do fogo eterno já não faz nenhum sentido.

A minha longa litania foi um terço

 

Rezado às escondidas,

sem que a consolação

da vida eterna me curasse desta vida.

 

Mas Te agradeço que um martírio sem razão

fechasse uma ferida

sem culpa e sem perdão.

 

 

Extraídos de AS HORAS DE KATHARINA. São Paulo: Companhia das Letras, 1994. 215 p.

 


A CAMINHO DO CAIS


Pátria minha, que apostasias,
que desertas a ti mesma e dás,
como lesma ao bico voraz,
teu corpo cheio de harmonias,

tua alma jovem... Quantos dias,
quantos anos desolados vais
alimentar os teus chacais
com a carne dos filhos que crias

e abandonas à desesperança!
Vou deixar-te para não te ver
atravancar o amanhecer

com balbúrdias e carnificinas,
a tragédia que desde criança
vi-te amontoar nas esquinas.

         Rio de Janeiro, 8/5/1964


À TERRA PROVISÓRIA

Adeus, cimos e vales e veredas,
e bosques e clareiras e campinas
soltas ao vento, sacudindo as crinas
das espigas de sol na luz de seda.

Adeus, troncos e copas e alamedas,
esmeraldas selvagens que as neblinas
salpicavam de prata, adeus, colinas
que iam subindo como labaredas

de cobalto no ar...  Adeus, beleza
irrepetível, que me viu nascer
e toca-me deixar: a natureza

também é feita de deixar de ser,
e eu levo agora a sombra e deixo a presa
à luz do provisório amanhecer.

 

Poemas extraídos de OS DEUSES DE HOJE; poemas.  Rio de Janeiro: Record, 1995



Voltar para a  página do Rio de Janeiro Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar