Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ADRIANA LISBOA

 

Adriana Lisboa (Rio de Janeiro, 1970) é uma escritora brasileira.

Cresceu em sua cidade natal. Morou na França, em Paris e Avignon, e desde 2007 vive a maior parte do tempo nos Estados Unidos da América (numa pequena cidade próxima a Boulder, no Colorado). É autora de seis romances, além de poemas, contos e histórias para crianças. Seus livros foram traduzidos ao inglês, francês, espanhol, alemão, árabe, italiano, sueco, romeno e sérvio, e publicados em catorze países. [1] Integrou várias antologias de contos e poesia no Brasil e no exterior.

Recebeu o Prêmio José Saramago, em Portugal, pelo romance Sinfonia em branco, o Prêmio Moinho Santista, no Brasil, pelo conjunto de seus romances, e o prêmio de autor revelação da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil (FNLIJ) por Língua de trapos. O projeto Bogotá 39/Hay Festival listou-a entre os 39 mais importantes jovens autores latino-americanos em 2007. Recebeu bolsas de criação e tradução da Fundação Biblioteca Nacional (Brasil), do Centre National du Livre (França) e da Fundação Japão.

Bacharel em música pela Uni-Rio, Adriana Lisboa foi cantora de MPB na França aos dezoito anos, mais tarde professora de música no Rio e também tradutora. Fez mestrado em literatura brasileira e doutorado em literatura comparada na UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro). Foi ainda pesquisadora visitante no Nichibunken (International Research Center for Japanese Studies), em Kyoto (2006), na Universidade do Novo México (2007) e na Universidade do Texas em Austin (2008-2009). Entre outros autores, traduziu para o português obras de Cormac McCarthy, Margaret Atwood, Stefan Zweig, Robert Louis Stevenson, Jonathan Safran Foer, Emily Brontë e Maurice Blanchot.

Sua novela "O coração às vezes para de bater" foi adaptada para o cinema no Brasil por Maria Camargo, num premiado filme de curta-metragem.Em 2012, o cineasta Eduardo Montes-Bradley realizou um documentário sobre sua vida, intitulado "Lisboa" e filmado em Denver e Boulder, Colorado (EUA).  Fonte: wikipedia.

 

Extraído de:  CÂNDIDO – Jornal da Biblioteca Pública do Paraná. N. 62 – Setembro 2016.  Ilustração: André Coelho.

 


DOIS POEMAS COM JOHN CAGE

 

1

No lugar mais silencioso do mundo

ruge-ruge o ruído da vida

o homem é feito de sangue e neurônios

que cantam sua própria música

sem partitura ou I Ching

o silêncio não existe:

forma é vazio

vazio é forma

e tudo isso cabe no intervalo

de quatro minutos e trinta

e três

segundos.

 

 

2

Um cogumelo

é um cogumelo é um cogumelo

em Stony Point havia enorme variedade deles

e quanto mais os estudava

mais tinha dificuldade em identificá-los

um cogumelo

tão-só

um cogumelo

e no entanto

quantas estrelas ruíram

para que esse pequeno e necessário

milagre

brotasse em Stony Point.

 

 

 

CORTINA

 

A cortina se estufa

quarto adentro como se viva

a primeira trovoada

reboa lá fora

o cachorro corre e

se esconde na escada

escura

a cortina se estufa

como se animada por dentro

da trama do tecido

o fole de um pulmão

que sugere:

nada mais

urgente do que inspirar

este momento

(nada:

nem mesmo um cortejo inteiro

de notícias ou poemas)

este momento

a tempestade em prelúdio

e o sopro

de lilases

que ela traz.

 

 

 

A UMA CALÇA JEANS

 

Eu te peço desculpas pela

lambança da bainha

pesquisei o passo

a passo mas a agulha é muito

pequena a linha é muito fina

e minhas mãos se impacientam demais

outras calças que tive no passado

desfrutaram da costura contemplativa

que minha mãe lograva — talento que não

herdei embora tenha tentado (agulhas

de tricô aos dez anos inclusive)

minha destreza não passa

de um emaranhado de linhas

para a emergência de um botão

sinto muito calça jeans

parece que seguiremos

tropeçando juntas em nossas

costuras mal-ajambradas

enquanto ainda coubermos uma na outra

e o tempo

condoído

ainda couber em nós.

 

 

A FUNÇÃO DAS COISAS

 

Nos objetos fabricados pelos tuaregue

com seus poucos recursos

para o uso cotidiano

bolsas

selas de camelo

tendas

seria de se supor alma seca

alinhavada pela funcionalidade

no entanto eles os fabricam

intrincados

coloridos

lindos

com seus poucos recursos

cunhando

do deserto

um carnaval

 

 

 

Página publicada em outubro de 2012


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar