Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Foto:  https://gavetadoivo.wordpress.com

NILO BRUZZI

 

Nilo de Freitas Bruzzi nasceu em Pomba, Minas Gerais em 1879, e faleceu no Rio de Janeiro em 1978.  Bacharel em direito, foi Procurador Geral do Estado do Espírito Santo. Advogado e jornalista.

Deixou, a partir do livro de contos O Antunes, de 1920, copiosa obra literária da qual destacamos o Auto de Nossa Senhora da Vitória (teatro, Rio de Janeiro: SNT, 1951), bela peça que foi encenada quando das comemorações do IV Centenário de Vitória, em 1951. Publicou as obras Luar de Verona (versos); O Antunes (contos); Livro de amor (versos); O bohemio e As de rosto bello e as de beleza na alma (palestras literárias).

Membro do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo. Biografia: www.sefa.es.gov.br

 

 

 

ÚNICA

 

No turbilhão da vida cotidiana
Há sempre um rosto oculto de mulher.
Há no tumulto da existência humana
Alguém que a gente quis e ainda quer.

 

E numa sede de paixão insana,
Cego e humilhado, aceita outra qualquer,
Mas, no íntimo ardor, de alma profana
Porque a alma nem acordará sequer.

 

E vão passando, assim, uma por uma,
Mulheres e mulheres , como vieram,
Sem depois despertar saudade alguma…

 

Pobre de quem, como eu, vê que, infeliz,
Tive todas aquelas que o quiseram
Mas, nunca teve aquela que ele quis. 

 

 

A MULHER NA POESIA DO BRASIL. Coletânea organizada por Da Costa Santos.  Belo orizonte, MG: Edições “Mantiqueira”, 1948.  291 p.  14x18 cm.  Capa de Delfino Filho. 

Ex. bibl. Antonio Miranda

 

 

 

DESCONHECIDA

Sempre ela vinha, quando eu não estava,
Uma rosa depor na minha jarra,
E aquela rosa se despetalava
Sobre a alvura macia do meu leito...

E ela assim, diariamente, continuava...
A ternura novíssima, bizarra,
Daquele gesto pôs-se contrafeito
Pois, nunca no meu quarto eu ficava.

E muitos dias, meses, vários anos,
Eu levei esperando que ela viesse
Reter a marcha dos meus desenganos...

Preferiu continuar desconhecida...
(Antes nunca uma rosa ela me desse)
Foi a mulher que eu mais amei na vida...

 

 

 

DESPREZADA

Eu imagino a dor que te crucia!
E é com piedade, com profunda pena,
Que te acarinha a minha mão serena
Que nunca descreveu uma alegria...

Almas há, pobre amiga, frias, de hiena,
Que indiferentes passam nesta via
Dolorosa, sangrenta, de agonia,
Sem nem olhar a nossa dor terrena...

Esconde um silêncio de teu peito
E na quietude do virgíneo leito
A mágoa que os amores te causaram,

Porque a humana piedade dos humanos
É, talvez, o maior dos desenganos
Que no mundo os perversos espalharam...

 

 

*

 

VEJA e LEIA outros poetas  de MINAS GERAIS  em nosso Portal de Poesia:

 

http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_brasis/minas_gerais/minas_gerais.html

 

 

Página publicada em setembro de 2021

 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar