Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 

JÔNATAS BATISTA

(Piauí, 1885 – São Paulo, 1935)

 

Jônatas Batista nasceu em 1885 em Natal, atual Monsenhor Gil. Poeta, teatrólogo, ator e jornalista. Dominou e agitou a vida teatral de Teresina por mais de 30 anos. Pertenceu à Academia Piauiense de Letras e à Sociedade Brasileira de Autores Teatrais do Rio de Janeiro. Obras: Teresina de improviso; Cidade Feliz; Alegria de Viver; O Bicho; Astúcia de Mulher; Cincelos; Improvisos e Improvisadores; Treze de Maio; Frutos e Frutas; A Luta; A Alma Sem Rumo; As Crianças; Jovita, a Heroína. Toda a obra literária de Jonatas Batista rescende a poesia. Em vida, realizou o sonho supremo de artista. A obra do poeta já é de domínio público.
Fonte da biografia: http://www.poetasdobrasil.com.br/

 

SONETOS. v.2. Jaboatão dos Guararapes, PE: Editora Guararapes EGM, s.d.  151 - 310 p.  16,5 x 11  cm.  ilus. col.  Editor: Edson Guedes de Moraes. Inclui 171 sonetos de uma centena de poetas brasileiros e portugueses.  Ex. bibl. Antonio Miranda

 

 

         AOS TRISTES   

 

       Escrevo para vós, almas tristes, vencidas.
Exaustas de sofrer e de viver cansadas;
Ermas de sonho e fé, sem destino, perdidas
Num pesadelo atroz de esperanças finadas.

        São múrmuras canções, são rimas repetidas,
Pelas vozes do vento às praias atiradas...
Escrevo-as para vós, almas desiludidas,
Prisioneiras da sombra, eternas torturadas.

        Para vós, para vós, ó corações descrentes!
Os versos que escrevi nas horas de amarguras,
Os versos que eu tracei, em trínulos gementes...

        Fi-los por mim, por vós... Por todo aquele que erra,
Perdidamente, só, nas planícies escuras,
Pelas noites sem fim das vastidões da terra...

 

 

        PARA VENCER   

 

       Homem, fito de frente o roso da desgraça
E não me acurvo nunca aos embates da sorte.
Enfrento, sem temor, o temporal que passa,
Sorrindo com prazer dos esgares da morte.

        Aprumo-me no solo em destemido porte,
Sem desmentir jamais  as tradições da raça...
Arrojo-me, sem medo, ao mais rijo, ao mais forte,
Envolto o veja, embora, em rígida couraça.

         Volto agora cansado e exangue...
Para que o mal de crer duro me puna,
Rebenta-se-me o peito em fel e em sangue...

        Consola-me dos fados a demência:
— Se me encontro mais pobre de fortuna,
Muito mais rico sou de experiência.

 

 

 Página publicada em dezembro de 2019


 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar