Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 

ISABEL VILHENA

 

Isabel Vilhena (20/08/1893 - 19/12/1988)


 

Maria Isabel Gonçalves de Vilhena

formou-se professora na primeira turma de concludentes da Escola Normal em 1913.

Isabel Vilhena nasceu em Teresina a 20 de agosto de 1896 e faleceu nesta mesma cidade a 19 de dezembro de 1988, aos 92 anos de idade.

É formada pela Escola Normal Oficial e, por educação domiciliar, estudou Francês, língua que dominava com fluência. Foi professora e diretora da Escola Modelo e lecionou Português e Francês nos colégios Diocesano e  Sagrado Coração de Jesus. É acadêmica desta casa, tendo ocupado a cadeira cujo patrono é Da Costa e Silva.

  (Texto extraído de https://www.portalentretextos.com.br/

 

 

A ALMA DO SINO

O sino canta!...
O sino está dizendo,
Numa voz de festivo repicar,
Que alguém chegou e vai se batizar.
Numa alegria doida de criança,
A voz do sino é um canto de esperança!
O sino vibra!
O sino vai cantando
Um hino de inocente contrição!
A capela da igreja encheu-se da revoada
De crianças de véu e de grinalda,
Que vão fazer a sua comunhão!
A voz do sino sai purificada
Como o sol, ao romper da madrugada!
O sino chora!...
O sino faz chorar ...
O sino entoa o derradeiro canto:
A prece da saudade, em voz de pranto!
E, soluçando, o sino vai dizendo
Que alguém partiu ... e que não vai voltar.

 

 

 A BORBOLETA

Na transparência viva e luminosa
Dessa manhã de sol, passou fugindo
A borboleta azul, silenciosa,
Ligeira, breve, qual um sonho lindo.

Cabelo ao sol e face cor-de-rosa,
Dedinhos frágeis, gracioso unindo,
Atrás da flor aérea, vaporosa,
O garotinho ansioso vai seguindo.

A borboleta pousa numa flor,
Devagarinho, mudo, cauteloso,
Quase a pendeu! Fugiu... Que dissabor!

Garoto lindo! Borboleta esquiva!
— Coração moço, crente, esperançoso,
Em busca da ventura fugitiva!


(De Seara humilde...(1940))

 

 

ALMA DAS COISAS    

Olhando a serra, lá distante,
E o sol que sobre a serra desce,
Escuto nesse instante
O pássaro feliz e as flores da campina,
O arvoredo que vive sem saber
Agasalhando a paz dos ninhos,
Dizerem sua prece!
E quando no horizonte o dia acorda,
Na pompa da alvorada,
A hora virginal do amanhecer,
É para mim como se eu mesma visse
O próprio Deus olhando para o mundo!
Então, minha alma reza ajoelhada,
Em silêncio profundo,
A prece mais bonita que eu já disse
E que a ninguém na terra eu vou dizer!
Ao ver o rio deslizar sereno,
Na sua vida plena de bonança,
Nessa marcha saudosa de partida,
Refletindo no espelho de águas mansas
Um retalho do céu todo estrelado,
Os ninhos e um pedaço de montanha,
Eu o comparo àquele que, na vida,
É bem feliz, porque o rio
Sonha acordado...
E sem saber que sonha!

 

                                (De Seara humilde (1940)).

               

 Página publicada em janeiro de 2020

               


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar