Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Imagem: https://marxismo21.org

 

CLOVIS MOURA

 

(Amarante, Piauí, 1925 — São Paulo, dezembro de 2003)

Clóvis Steiger de Assis Moura, mais conhecido como Clóvis Moura, foi um sociólogo, jornalista, historiador e escritor brasileiro. Militou pelo Partido Comunista Brasileiro e, em 1962, na cisão do partido, migrou para o PCdoB.

 

 

Do livro Argila da memória, 2ª. ed., 1982:

  

       RIO SECO      

 

              Cemitério de peixes enterrados
no areal ardente e transparente
pedras que furam os pés dos caminhantes
marcaram a transferência dos sedentos.

 

                Pedaços de memórias marulhantes
ainda chegam à noite nos seus ecos
e roteiros de barcos são fantasmas
na memória de luas macilentas.

 

                Há no sol que caustica as suas curvas
um sádico desdém por suas margens
que hoje se fundem ao leito que era líquido.

 

                As carcaças de tíbias e caveiras
de bois marcam a distância do mistério
e o amor é sua linfa derradeira.
 

      

 

       O RIO PARNAÍBA

Gargarejo de mortes de afogados
e brilho de luar sobre o silêncio
ruídos sem barulho de asas brancas
invisíveis na esteira do mistério.

 

                Embarcações fantasmas com seus remos
violando o espelho da corrente
e a história dos antigos moradores
que perlustraram a estrada do degredo.

 

                Nas margens as pergunta os inquéritos
o tiro a interjeição e a morte cinza:
gargalhada de álcool nas bodegas.

 

                A indiferença escorre como gosma
e o rio na derrota da incerteza
leva faunas estranhas no seu ventre.

 

       

REVISTA DE LITERATURA BRASILEIRA – LB 34 São Paulo, SP: 2004.  Direção: Aluysio Mendonça Sampaio.   Ex. bibl. Antonio Miranda 

 

 

A FLAUTA, O PASTOR, A MÚSICA

 

Havia uma pequena pedra
que ouvia música.

Todos os dias o pastor com a sua flauta
sentava-se à sombra da árvore sem nome
e humanizava a pedra
com os sons do instrumento.

(No entanto, um dia passaram

cavaleiros com lanças e bandeiras:

o pastor sumiu, desapareceu o seu rebanho).

 

Somente a pedra que ouvia música
lembra-se do pastor, da sua flauta,
da música.

 

E da paz que ela trazia aos seus ouvidos.

 

 

 

 

 

Página publicada em setembro de 2019


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar