Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



HELENA KOLODY
(1912 — 2004)

Nasceu em Cruz Machado (PR), em 12 de outubro de 1912, e faleceu em Curitiba (PR), em 15 de fevereiro de 2004. Seus pais nasceram na Galícia Oriental, Ucrânia, mas se conheceram no Brasil, onde se casaram em janeiro de 1912. Passou a maior parte da infância em Três Barras. Foi professora do ensino médio e inspetora de escola pública. De 1928 a 1931, cursa a Escola Normal Secundária (atual Instituto de Educação do Paraná). Consta que foi a primeira mulher a publicar hai-kais no Brasil (1941).  Foi admirada por poetas como Carlos Drummond de Andrade e Paulo Leminski, sendo que, com esse último, teve uma grande relação de amizade.  A partir de 1985, quando recebe o Diploma de Mérito Literário da Prefeitura de Curitiba, a sua obra passou a ter grande repercussão no seu estado e no restante do País. Em 1988,  é criado o importante Concurso Nacional de Poesia Helena Kolody", realizado anualmente pela Secretaria da Cultura do Paraná. Em 1989, o Museu da Imagem e do Som do Paraná grava e publica um seu depoimento. Em 1991, é eleita para a Academia Paranaense de Letras. Em 1992, o cineasta Sylvio Back faz  filme "A Babel de Luz" em homenageia aos seus 80 anos, tendo recebido o prêmio de melhor curta e melhor montagem, do 25° Festival de Brasília. E, 2003, recebe o título de "Doutora Honoris Causa" pela Universidade Federal do Paraná.  

Bibliografia: Paisagem Interior (1941), edição da autora; Música Submersa (1945), edição da autora; A sombra no rio (1951), edição da Escola Técnica do Paraná; Poesias Completas (1962), edição da Escola de aprendizagem do SENAI; Vida Breve (1965), edição da Escola de Aprendizagem do SENAI; Era Espacial e Trilha Sonora (1966), edição da Escola de Aprendizagem do SENAI; Antologia Poética (1967), Gráfica Vicentina; Tempo (1970), edição da Escola de Aprendizagem do SENAI; Correnteza (1977, seleção de poemas publicados até esta data), Editora Lítero-Técnica; Infinito Presente (1980), Gráfica Repro-SET; Poesias Escolhidas (1983, traduções de seus poemas para o ucraniano), Tipografia Prudentópolis; Sempre Palavra (1985), Criar Edições; Poesia Mínima (1986), Criar Edições; Viagem no Espelho (1988, reunião de vários livros já publicados), Criar Edições; Ontem, Agora (1991), Secretaria de Estado da Cultura do Paraná; Reika (1993), Fundação Cultural de Curitiba; Sempre Poesia (1994, antologia poética); Caixinha de Música (1996); Luz Infinita (1997, edição bilíngüe); Sinfonia da Vida (1997, antologia poética com depoimentos da poetisa); Helena Kolody por Helena Kolody (1997, CD gravado para a coleção Poesia Falada); Poemas do Amor Impossível (2002, antologia poética); Memórias de Nhá Mariquinha (2002, obra em prosa); Viagem no Espelho (1995), Editora da Universidade Federal do Paraná. 

Na minha infância conheci já moça a professora cujos olhos azuis irradiavam a ternura de uma  eterna amiga. Mais tarde vim a perceber sua visão amorosa refletida em seus poemas, sínteses de suas idéias poéticas. Contemplando uma rosa sobre o muro, animava-a, sua visão era a de que a rosa estava sonhando. Na reflexão sobre o tempo, via -o como um mar que se alarga. Numa viagem de encontro ao sol, uma eterna madrugada. Helena Kolody é prova da visão amorosa do artista. Poesia pura, através de imagens de enlevo, doçura,  sentimentos, amor sublimado,  Helena descortina o belo e o bem no mundo.
Noel Nascimento

 

Página construída por Salomão Sousa

HELENA KOLODY

 

 

AREIA

 

Da estátua de areia,

nada restará,

depois da maré cheia.

 

 

HAI-KAIS

 

Deus dá a todos uma estrela.
Uns fazem da estrela um sol.
Outros nem conseguem vê-la.

 

Arco-íris no céu.
Está sorrindo o menino
que há pouco chorou.

 

Trêmula gota de orvalho
Presa na teia de aranha,
Rebrilhando como estrela.

 

Festa das Lanternas!
Os ipês estão luzindo
De globos cor-de-ouro.

 

Corrida no parque.
O menino inválido
aplaude os atletas.

 

Nas flores do cardo,
leve poeira de orvalho.
Manhã no deserto.

 

O brilho da lâmpada,
no interior da morada,
empalidece as estrelas.

 

A morte desgoverna a vida.
Hoje sou mais velha
que meu pai.

 

 

ANTES

 

Antes que desça a noite,

imprimir na retina

         os rostos amados,

                   o sol

         as cores,

o céu de outono

e os jardins da primavera.

 

Inundar de sons

         de vozes

e de música eterna

         os ouvidos

antes que os atinja

         a maré do silêncio.

 

Conquistar

os pontos culminantes

                   da vida,

         antes que se esgote

   o prazo de permanência

em seu território sagrado.

 

 

PÂNICO

 

Não há mais lugar no mundo.

Não há mais lugar.

 

Aranhas do medo

fiam ciladas no escuro

 

Nos longes, pesam tormentas.

Rolam soturnos ribombos.

 

Súbito,

precipita-se nos desfiladeiros

a vida em pânico.

 

 

LIMIAR

 

I

Da soturna jornada

Pelas brumosas sendas

Da anestesia,

Não guardei memória.

 

Sou um pêndulo que oscila

Dos limites da vida

Aos limites da morte.

 

Rubros lobos me espreitam silentes,

Numa densa garoa vermelha

Que lateja no ritmo da febre.

 

Venho à tona, por segundos,

E volto ao limo do sono.

 

Da sede, brota em meu sonho uma fonte:

Água fria em chão de pedra.

No fundo, uma alga se espreguiça

E essa alga sou eu. 

 

II

Luminosa alegria de olhar!

De todos os lados, o apelo do verde,

Da vida verde e serena.

Aquele cipreste

Que gesticula e dança,

Acorda-me na lembrança

Reminicências vegetais:

Pequenino fremir de relva

No dorso dos campos;

Altos pinheiros imóveis;

Floresta oceânica e múrmura.

Festivo apelo do verde,

da vida verde e serena.

 

Ventura elementar de estar ao sol,

Viva e sem dor.

 

 

FLAMA

 

Na flama divina

que em nós resplandece,

palpita a alegria

de ser para sempre.

 

 

ABISMAL

 

Meus olhos estão olhando
De muito longe, de muito longe,
Das infinitas distâncias
Dos abismos interiores.
Meus olhos estão a olhar do extremo longínquo
Para você que está diante de mim.
Se eu estendesse a mão, tocaria a sua face.

 

 

MAQUINOMEM

 

O homem esposou a máquina
e gerou um híbrido estranho:
um cronômetro no peito
e um dínamo no crânio.
As hemácias de seu sangue
são redondos algarismos.

 

Crescem cactos estatísticos
em seus abstratos jardins.

 

Exato planejamento,
a vida do maquinomem.
Trepidam as engrenagens
no esforço das realizações.

 

Em seu íntimo ignorado,
há uma estranha prisioneira,
cujos gritos estremecem
a metálica estrutura;
há reflexos flamejantes
de uma luz imponderável
que perturbam a frieza
do blindado maquinomem.

 

 

EXILADOS

 

Ensimesmados,

olham a vida

como exilados

fitando o mar.

 

Não estão no mundo

como quem o habita.

Estão de visita

num planeta estranho.

 

 

TRANSEUNTES

 

Transeuntes

da vida provisória:

que rumor de asas eternas

para além das fronteiras e dos símbolos!

 

 

OSCILAÇÃO

 

A cada oscilar do pêndulo

algo se apaga

ou para nós termina.

 

De segundo em segundo,

algo germina

ou para nós floresce.

 

 

JOVEM

 

Suporta o peso do mundo. 

E resiste.

 

Protesta na praça.

Contesta.

Explode em aplausos.

 

Escreve recados

nos muros do tempo.

E assina.

 

Compete

no jogo incerto da vida.

 

Existe.

 

 

VÔO CEGO

 

Em vôo cego,

singro o nevoeiro.

Onde o radar que me guie?

 

Perco-me em labirintos interiores.

Que mistérios defendem

tantas portas seladas?

 

Quem me cifrou em enigmas?

 

  

FUGITIVO INSTANTE

 

Captar os seres

em seu fugitivo instante de beleza.

 

 ===========================================================================

HELENA KOLODY

 

GRAFITE

1988

 

Meu nome,

desenho a giz

no muro de tempo.

 

Choveu,

sumiu.

 

 

ESPELHISMO

1988

 

Olhou numa poça d'água

e viu a mão estendida.

 

Alongou a própria destra,

num impulso de acolhida

 

Mas, a mão tocou em nada

 

Era, apenas, refletida

no espelho da água parada,

a sua mão estendida.


 

LOUCURA LÚCIDA

1988

 

Pairo, de súbito,

noutra dimensão

 

Alucina-me a poesia,

loucura lúcida.


 

MENTIRA

1988

 

Mentira que as rosas

Rosas são de veludo.

São da roseira, os espinhos.

 

 

ALEGRIA DE VIVER

1987

 

Amo a vida.

Fascina-me o mistério de existir.

 

Quero viver a magia

de cada instante,

embriagar-me de alegria.

 

Que importa a nuvem no horizonte,

chuva de amanhã?
Hoje o sol inunda o meu dia.


 

SEM AVISO

1988

 

Sem aviso,

o vento vira

 

uma página da vida


 

TERNURA-MENINA

1988

 

Saudade,

ternura-menina,
lua cheia sobre o mar.

Navego no seu quebranto,
sem vontade de voltar.

 

                   (De Reika, 1993)

 

HELENA KOLODY

TEMPO

 

Cai a areia da vida

Na ampulheta da morte.


 

ILHAS

 

Somos ilhas no mar desconhecido.

 

O grande mar nos une e nos separa.

 

Fala de longe o aceno leve das palmeiras.

Mensagens se alongam nas líquidas veredas.

 

Cada penhasco é tão sozinho e diferente!

Ninguém consegue partilhar a solidão.

 

Ilhas no grande mar, aprisionadas.

Apenas o perfil das outras ilhas, vemos.

 

Só Deus conhece nossa exata dimensão.


 

FIM DE JORNADA

 

Caminhar ao encontro da noite.

Como o camponês regressa ao lar.

Após um longo dia de verão.

 

Sem pressa ou cuidado.

Na tarde ouro e cinza.

Sozinho entre os campos lavrados.

E as colinas distantes.

 

Caminhar, ao encontro da noite.

Sem pressa ou cuidado.

A noite é somente uma pausa de sombra.

Entre um dia e outro dia.

 

                   (De Vida Breve, 1964)

 

 

 

ATAVISMO

 

Quando estou triste e só, e pensativa assim,

É a alma dos ancestrais que sofre e chora em

 

/mim.

A angústia secular de uma raça oprimida

Sobe da proíünde2a e turva a minha vida.

 

Certo, guardo latente e difusa em meu ser,

A remota lembrança dos dias amargos

Que eles viveram sem a ansiada liberdade.

Eu que amo tanto, tanto, os horizontes largos,

Lamento não ser águia ou condor, para voar

Até onde a força da asa alcance a me levar.

Ante a extensão agreste e verde da campina,

Não sei dizer por que, muitas vezes, senti

Saudade singular da estepe que não vi.

 

Pois, até o marulhar misterioso e sombrio

Da água escura a correr seu destino de rio,

Lembra, sem o querer, numa impressão falaz,

O soturno Dnipró, cantado por Taras...

 

Por isso é que eu surpreendo, em alta

/intensidade,

Acordada em meu sangue, a tara da saudade

 

                   (De Paisagem Interior, 1941)

 

 

KOLODY, Helena.  Caixinha de música.  Curitiba: Secretaria de Estado da Cultura, 1996.  Iv, 60 p.    15x21 cm.  Col. A.M.  (EA)

 


O DOM DE SONHAR

 A esperança engana.
Mente o sonho.
Eu sei.

Que mentiras lindas
eu mesma inventei
e contei pra mim...


SIGNIFICADO

No poema
e nas nuvens,
cada qual descobre
o que deseja ver.


DIPLOMACIA

Talento e astúcia requer
a perícia consumada
de falar sem dizer nada,
quando não há nada a dizer.

 


QUANDO?

Vai o barco à deriva
e se afasta do cais.

Quando se soltaram as amarras
para nunca mais?

 

 

 

 

         Publicada em agosto 2007; Página ampliada e republicada em junho de 2008; ampliada e republicada em janeiro de 2009.



Voltar para o topo da página Voltar para poesia dos Brasis Paraná

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar