Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: http://revistaumconto.wordpress.com

ADRIANO SCANDOLARA

 

Adriano Scandolara, autor do livro Lira do Lixo, nasceu em 1988. É tradutor e sente a necessidade cármica de compensar com poesia as coisas sujas que faz por dinheiro. Formado em Letras, utilizou o mestrado como desculpa para traduzir Shelley. (Des)contribuiu já para revistas como Babel Poética, Mallarmagens e Germina. Ganhou uma menção honrosa no Prêmio Off-flip 2012, mas não sabe o que fazer com ela. Mora num prédio feio de Curitiba, com vista para um fosso e um recorte mínimo de céu.

 

SCANDOLARA, Adriano.  Lira de lixo.  São Paulo: Editora Patuá, 2013.  100 p. 14,5x20 cm.   ISBN 978-85-64308-90-9.  Projeto gráfico, capa e ilustração de Eduardo Lacerda.  Col. A.M. 

 

Do progresso nas profissões

 

Não se vê daqui, mas sei

que a prostituta na rua

tem um olho de vidro,

 

É mais aparente o gancho

na mão esquerda

ou, mais à luz, sob o poste

a prótese

 

da perna.

 

A insaciedade da fome de carne

que tem que se satisfazer

com borracha.

 

É tempo de fetiches, pessoas

que se fazem fetiches.

Servir-se

da prostituta na rua

não era tanto sexo com gente

quanto era sexo

com coisa

tevê, geladeira,

sonho transerótico do transumanista.

 

 

A arte de governar

 

O que segura o mundo,

represa o mar de escombros

da queda de edifícios

pilastras governos

revolta e violência popular

deserto de pó e ossos

sob um céu tombado

barbárie e penúria,

 

(de resto,

burocracia)

 

é barbante e fita-crepe.

 

 

Eurídice

 

Até o tempo se perde

nesses negros córregos, vias

pálidas entre os prados

amontoados de lixo.

Embora rápido, o olhar

jamais voltado pra trás

em muito se confunde com o de um

cabresto.

 

Até encontrar o sol

e se dar conta

de estar só.

 

E ela?

Muda sombra, o que disso tudo achava

ninguém jamais perguntou.

 

 

Id(iot)eologia

 

...that common, false, cold, hollowtalk

Which makes the heart denythe yes it breathes

Shelley

 

 

 

Pobre

ou mata ou se mata

pra ser rico,

rico mata

pra manter-se rico,

monges marxistas expiam pecados do mundo

batendo o Manifesto na testa,             i

 

Sem revolução

sem juízo final

os mortos mantêm-se mortos

e os vivos os invejam.

 

 

Página publicada em setembro de 2013.

 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar