Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


ANDRÉ RICARDO AGUIAR

Nasceu em Itabaiana, Paraía, é poeta, contista, autor de livros infantis. Publicou pela Editora Ideia o seu livro de poemas “A Flor em Construção” (1992). Fruto de uma viagem a Portugal, escreveu “Bagagem Lírica” (2003), publicado pela Sal e Terra.

Blog do autor:  www.andreicardoaguiar.wordpress.com

No outro extremo indicamos a poesia de André Ricardo Aguiar. Ela conquista sua estranheza e beleza pelo uso radical da imagem, que está na raiz de sua singularidade. Imagem: metáforas, comparações, toda sorte de figuras de linguagem; que no caso de André Ricardo Aguiar, têm também um poderoso poder de evocação visual.” Fábio Andrade, pernambucano, poeta, ensaísta e editor da revista Crispim de Crítica e Criação.

 

Leitura da Insônia  

Q telhado,
essa quilha
que me lê

muito antes
do leite da manhã

dos garis
que catam
restos de salário

ë dos homens
de rara alvenaria

esses pássaros
que trocam o vôo
pelo dia.  

 

O Ciclista 

À flor veloz   
colhe o tempo
(pedal)        
pé ante perigo
no risco de dar consigo

Centauro de rodas e aros,
meio homem, meio
de transporte

A pena da bicicleta
escreve ruas
até que uma esquina
engatilha o ciclista
e dispara—

A pólvora do instante
o ciclo da vida

Tudo pássaro
e passageiro.

 

Terceira vigília

Mulher nua dormindo. O mistério em pétalas.
Os labirintos semicerrados, como se deuses
movessem a mobília dos sonhos.

A cama é uma mulher silenciosa. Gótico barco
e páginas de antigos mares na insônia
das palavras caladas, âncoras de sombra.

Noite entre mulher e vigília. 0 luar salta a janela
(uma lagoa) e por uma fresta mínima
a ternura sonha pequenos dragões.

 

Os Argonautas

Os mortos com seus sapatos ébrios.
Quem os detém? Beberam os licores
da perda e andam por corredores
com suas certezas de pó, desafagos,
suas bíblias da inércia.
Parecem dizer algo, anúncio de verme.
Às vezes, cismam e por instantes
folheiam o vento, habitam
uma fotografia, pesam uma lágrima.

Não os tivessem tocado, é o batismo
geral ou a relva inconcebível
voltariam a arquivá-los
numa lua de esquecimento.

 

Extraído de ANTOLOGIA SONORA – Poesia Paraibana Contemporânea. João Pessoa: Edições O Sebo Cultural, 2009. Produção executiva de Heriberto Coelho de Almeida. Contendo 9 CD com gravações de poemas nas vozes dos autores, e 31 encartes em caixa de madeira. ISBN 978-278-995423

 

AGUIAR, André Ricardo.  A idade das chuvas.  São Paulo: Editora Patuá, 2012.  92 p.  ilus. col.  16x23 cm   ISBN 978-85-64308-64-0   Editores: Aline Rocha, Eduardo Lacerda.  Projeto gráfico, capa e ilustrações: Leonardo Mathias – flickr.com/leonardomathias   Col. A.M. (EA)

 

Motivo

 

Digo-te apenas o necessário

com duas ou três palavras,

uma praia, um caminho,

jeito de pousar o livro.

 

E de dizer aqui: tens uma ponta

de um pensamento ou nuvem

com que descubro

o quanto és semovente.

 

Também dizemos presença

para o grão ou a lágrima,

e também quando fenece

o girassol da espera.

 

Apenas te digo: ouve

o respirar de uma chuva

quando quer escolher

tipos de despedidas.

 

Ou me dizes: não descansa

uma árvore sua sombra?

Tudo o que é necessário, germina.

Folha, canção, precipício.

 

Assim disse o poema.

 

 

 

Bilhete a Bishop

 

Tudo soa como perda,

a mesa, esse poema,

uma cachaça,

um continente,

o alarido abstraio

dos quintais,

pétalas do calendário,

o amor

(esse outdoor silencioso)

runas e ruínas

o tempo cronometrado

do metro,

as segundas exiladas,

os domingos

em ponto morto,

tudo soa e ressoa

melancolicamente

pequena luz

para insetos:

 

a perda,

maçã sabendo

a paraíso perdido.

 

 

 

Epitáfio

 

Posto que não serei nada

que meus versos mais esquivos

sirvam de esquife (ou de esfinge)

que eu saia da vida por via da dúvida

e que minha poesia,

mais que um rarefeito horto,

seja uma poesia de menos

e de poucos.

 

 

 

 

Página publicada em outubro de 2009, a partir do material cedido pelo Editor. Página ampliada em outubro de 2012 a partir de exemplar do livro enviado pela editora.


 

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar