Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 

 

ABILIO PACHECO

 

 

Nasceu em Juazeiro, Bahia, viveu a primeira infância em Coroatá (Maranhão), dos 7 aos 27 anos morou em Marabá, e hoje reside em Belém do Pará. Licenciado em Letras pela UFPA-Marabá e Mestrado em Letras – Estudos Literários pela UFBA-Belém.

 

Obra poética: Poemia (1998) e Mosaico primevo – poemia (2008).

 

 

“Mosaico primevo, montado pela argúcia e pelo labor de Abílio Pacheco, incita-nos, pela beleza imagética, a reavivar nosso interesse pela poesia, dimensão verbal interrogante por excelência, e pela vida”  Sílvio Holanda 

Blog do autor:  www.abiliopacheco.com.br

 

ABILIO PACHECO

De

MOSAICO PRIMEVO – POEMIA
Belém: Edição do autor, 2008.  53 p.

 

Poema brevíssimo
Ensaio sobre a Cegueira

Am I blind?
Vejo, (enx)ergo sum
meu olho, se nego
(c)ego
!

  

Retrato II

 

A Cecilia Meireles

 

 

Eu também não tinha este rosto

assim tenso, assim denso, assim calvo,

nem olheiras e rugas

nem cabelos alvos.

 

Eu não tinha estes olhos de agora

tão rubros, tão turvos, tão vagos,

nem esta mão incerta,

nem dedos fracos.

 

Mal venho notando esta mudança

que lenta, constante e suave

do espelho vem desbotando

a minha face.

 

 

Andança

Carrego meus males todos
juntos no mesmo bolso,
juntos do mesmo lado — no peito esquerdo.

Sigo assim meio de lado
puxando de uma perna
e arrastando meu corpo torto
pela rua muda.

 

 

Habitação

 

Há um silêncio seco percorrendo as paredes da casa:

Ratos roem roupas sujas esquecidas nos sofás,

fazem seus ninhos entre os nossos tecidos

e mijam nas loucas adormecidas sobre a pia;

Baratas revoam sobre a mesa da sala

são insetos burocráticos, bibliófilos, alfarrábicos

que se fartam nos papéis, cartas, revistas e jornais

que há dias estão reunidos na mesa de jantar;

Grilos entoam acordes de árias desafinados

e muriçocas lhes riem finos gargalhos;

Formigas carregam as migalhas da última ceia

da ceia de ontem, da ceia de sempre;

Urna única mariposa tenta a morte em vão na luz da sala;

E aranhas ressecadas nos telhados podres

permanecem estáticas à teia urdida

 

Enquanto os gatos, os cães,

os homens estão perdidos pelo mundo.

 

 

Habitat

 

Sempre são meus os olhos que habitam esta casa:

paredes de tábuas despregadas,

ratos podres pelos cantos,

sapatos empoeirados nos tapetes,

comida estragada nos lixeiros,

caibros comidos por cupins,

telhas quebradas no telhado,

varias trancas nas janelas,

teias de aranha nos portais,

fogão engordurado por descuido,

quadros mal pregados nas paredes,

livros espalhados pelo chão,

roupas sujas sobre a mesa,

porta e fechadura arrombadas a tiro;

 

e os meus olhos assustados e despertos

já não habitam mais em mim.

 

 

Construção

Na tarde quente de sol
areia pedra barro
tênue terra tenra
ocas cores curas

duro muro nu

 

 

epigramalone

 

 

O sonho   vai   e   eu  fico só.

 

O sonho   vão   e   eu  só  fico.

 

Os sonhos vão   e   só   eu fico.

 

Os sonhos  vãos   e    só   fico eu.

 

 

 

Página publicada em junho de 2009, corrigida e republicada em janaeiro de 2010.


Voltar à página do Pará Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar