Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 

GERALDO RAMON PEREIRA

 

Conhecido como Gê da Viola, o poeta-violeiro, Geraldo Ramon Pereira nasceu em Maracaju, MS, no dia 7 de outubro de 1939.  Vive em Campo Grande desde um ano de idade. Formado inicialmente em Odontologia, depois estudou na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, SP, onde se especializou em Fisiologia Médica e Biofísica, fazendo depois pós-gradução na Unicamp. Professor tiular aposentado da UFMS, é autor de 8 livros publicados, dois CDs com música regionais. Jornalista, coordena o Suplmento Cultgural  do Jornal Correio do Estado. Autor de mais de 250 sonetos.  Site:  www.gedaviola.com.br

 

 

CABELUDO

 

Já estou cheio de tudo ...

Ninguém corta cabelo

e só eu sou cabeludo!

 

No entanto, essa mania

de não ir mais ao barbeiro

só lhe traz economia ...

 

E por outra, lá em casa

todos entraram na roda:

minha irmã usa apenas "saia-cinto"

porque diz que está na moda ...

 

Meu irmão nem usa cueca!

E sou eu quem paga por tudo,

por ser humilde cabeludo

filho de um pai careca!

 

 

A CULPA É DE VOCÊS

 

Me fizeram bonitão:

alto, forte, esbelto,

cabeludo, um pão...

Me criaram com toddy,

caldo de carne, vitaminas ...

Vejam se pode:

Essas boas meninas,

afinal, não estão nem aí

e gamam no papai aqui!

Depois, me deram um carrão:

tala larga, rodas Fittipaldi,

vidros raibã, aquele som ...

Tudo de bom:

Ora, bolas:

E agora vocês me perturbam

com esse falatório indiscreto,

dizendo que eu sou culpado

de tão jovem lhes dar um neto!

E eu nem aí estou:

antes ser um "papai jovem"

do que "coroa vovô"! 

 

 

CONSELHOS DO "VELHO"

 

—Escute o "coroa" aqui:

zíper só vive enguiçando,

é bem melhor o botão ...

Calça larga vai arrastando

e suja toda no chão;

siga, pois, a minha seita:

calça — só de boca estreita;

braguilha — somente com botão.

 

—Meu chapa, que cafonice ...

Quantas vezes já lhe disse

que tempo na vida é ouro:? .. .

E se de repente a polícia

pegar a gente com malícia,

sossegado, nalgum matão ...

Como fazer, no apuro,

pra vestir calça estreita no escuro

e abotoar tanto botão?! ... 

 

 

PEREIRA, Geraldo Ramon.  Auroras e crepúsculos. Espectros poéticos em sonetos.      Campo Grande, MS: Life Editora, 2010.  234 p. 

 

Vai-e-volta

 

Meu Deus, ei-la de volta! E tão mais bela

E tão diaba e tão santa em sua graça,

Que a luta em vão para esquecer-me dela

Só pôs fogo à paixão que me devassa!

 

A um tempo, ela me cura e traz sequela,

E quanto mais machuca, mais me enlaça...

Da vida minha é dúbia sentinela,

Se a mim volta, me alegra e me desgraça!

 

Imploro então que logo vá-se embora,

Que minha dor carregue mundo afora,

Que agora vou sorrir com ela ausente...

 

Mas tão logo a expulso aos olhos meus,

Eis-me de novo suplicando a Deus

Que à minha vida a traga novamente!

 

 

 

Boa-ventura

 

(Para a Profa.. Maria da Glória Sá Rosa)

 

 

Rosa é do amor, espinho é desventura;

 

Deserto é sede, oásis é alento;

A mão divina às vezes refulgura

Plasmada em elo de ouro e sofrimento!

 

Assim, teceu-nos Deus uma Escritura

Tão cheia de contraste e amor-tormento;

A vida esconde em si a sepultura,

Cada alegria agoura algoz lamento!

 

Perdão, Senhor, por esta investidura

Do meu efémero ao teu ab aeterno:

Acho que exageraste na amargura

 

Da mãe que perde o filho amado e temo.

Seria a vida santa Boa-ventura

Se o convívio "mãe-filho" fosse eterno!...

 

 

 

 

Página ampliada e republicada em maio de 2012


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar