Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

LAURO LEITE

Lauro Bocayuva Leite Filho, poeta, jornalista e radialista, nasceu em São Luis do Maranhão em 19 de dezembro de 1937. Letra Fria/ Sentir foi seu livro de estréia em 1967.

 

 

Os tempos

 

Tinha uma porção de anjos

segurando o algodão daquela nuvem branca;

e o que pintou de azul o fundo,

manchou de cinza o fim dos nossos olhos

e nos beijamos.

 

Tinha um lago calmo

e o vento sussurrava malícias,

o peixe prata luar de agosto saltou

e nos amamos.

 

Tinha o fogo dos infernos,

um Lucifer danado

e homens se matando;

eu tinha lágrimas nos olhos

e tu também choravas

quando nos deixamos. 

 

 

lronia lúcida

 

Agora é tempo de sorrir

e ser de novo

o garoto das compras e dos recados

 

Agora é tempo de fingir

que nada valem

os eternos fundilhos remendados.

 

Agora é tempo de esquecer as lágrima

- engoli-Ias de uma vez! -

e voltar à surdez da ignorância,

pois já me afogo em tanta ironia,

pois não suporto ter-me em consciência

e já não quero amar-me em lucidez.



(Os Filhos de Dom Quixote/1987)

 

 

Página preparada por Zenilton de Jesus Gayoso Miranda. Alguns textos do poeta foram extraídos de matéria publicada no Suplemento Cultural e Literário JP Guesa Errante. Página publicada em novembro de 2008.


Vinde a mim

as velas coloridas

que aportam às prostitutas

do Desterro.

 

Abram os caminhos:

quero falar com a Mãe de Deus

e receber a unção

da ansiedade

e da poesia.

 

Calem, por favor,

as radiolas regueiras;

quero ouvir o boi-bumbá

e o criola,

quero rodopiar o corpo

no balé negreiro.

 

Agora, tragam a rede

que o poeta vai dormir

com o sonhar afoito

das gentes maranhenses

e o corpo cansado do viver intenso.

(Discurso Essencial / 1992)

 

LEITE FILHO, Lauro.  Moacyr e Ambrósio.  São Luis: Gráfica e Editora Jornal do Dia, 1970.    s.p.  14x18,5 cm.  Ex. col. Antonio Miranda

 

moacyr e Ambrósio
pés no chão

 

São pobres

eu vejo

          que tão pobres são

          que vejo a pobreza

          na dor

          e no ar

          que enche seus peitos

          sofridos

          sentidos

          irmão e irmão

 

2

 

pequenos ainda

          já sentem sentir

          de quem padeceu

          uma vida

          de anos

          tão longos e feios

          passados

          levados

          irmão e irmão

 

3

 

os dois

de mãos dadas

          correndo no lixo

que o mundo lhes deu     

          é lama

          malvada

          que suja seus pés

          doridos

          feridos

          irmão e irmão

 

4

 

comida

 

pedida

          negada também

          pelos poderosos

          os donos

de tudo

          de escravos

          de terras

          paradas e virgens

          que nunca correram

          ou estagnaram

          na solidão

          deixando, só fome

          pra irmão e irmão

 

5

 

as roupas

que vestem

o resto de alguém

          que delas cansou

          de velhas

          de podres

          e deu de esmola

          pra livrar-se

          enfim

          de irmão e irmão

 

6

 

e dinheiro

que pedem ?

          eu bem que recordo

          que irmão e irmão

          recebem

          felizes

          e saem correndo

          e compram

          o pão

          irmão e irmão

 

7

 

são pobres

amigos —

          e pedem ajuda

          os dois coitadinhos

          andando

          mãos dadas

no lixo de nós

          que falamos

          mentiras

          de irmão e irmão

 

8

 

são pobres —

nós vemos —

          mas não conhecemos

          a vida que têm

de pobres

          de tristes

e são resultados

          de nossa vaidade

          que fere

          que mata

          não tem piedade

de quem infeliz

          nasceu e morreu

          (pois vivo não é

          o ser que do lixo

          de nossa matéria...)

 

 

Página preparada por ZENILTON DE JESUS GAYOSO MIRANDA,

publicada em novembro de 2008. Ampliada e republicada em maio 2014



Voltar a página do Maranhão Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar