Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 




EUGÊNIO DE FREITAS

EUGÊNIO DE FREITAS

 

Eugênio Martins de Freitas nasceu no Brejo, MA, em 1921. Advogado, ex-combatente da Segunda Guerra Mundial. Doutor em leis, honoris causa pela Samuel Benjamin Thomas University, Londres, Inglaterra , entre outras honrarias nacionais e internacionais de sua longa trajetória de poeta. Autor de muitos livros de trovas e sonetos, considerado um mestre nestas categorias.Faleceu em 2008.

 

VISÃO PERENE

 

Ao conterrâneo Omar Furtado

 

Visão do Brejo. O temporal arranca

pela raiz uma fruteira antiga.

Vem a neblina que amanhece branca.

Os passarinhos medem-se em cantiga.

 

Resplende o sol, a chuvarada estanca.

Um sapo sai da gruta em que se abriga.

Ressoa em casa uma risada franca,

que me revela visitante amiga.

 

Corre um regato à sombra da mangueira.

No patamar da igreja escuto a banda.

Recordo a procissão da Padroeira.

 

Abraço e beijo a mãe, querida e branda.

Na festa, uma sanfona de primeira.

E um cheiro forte de mulher tresanda.

 

 

OBRA DE ARTE

 

Ao produzir poemas não me basto,

sozinho nunca estou quando versejo.

Os sons da lira servem-me de pasto,

para eu mudar em rimas um lampejo.

 

No desempenho deste ofício casto,

arrebatado para além me vejo.

De qualquer outra ocupação me afasto,

na realização de meu desejo.

 

Um ser oculto, rigoroso e brando

no estilo próprio, me domina a mente,

que versifica sob igual comando.

 

A inspiração, que todo artista sente,

súbito vem, e não se sabe quando,

nem se algum dia surge novamente.

 

 

DISSABOR

 

Culpado sou também – confesso agora –

do imenso dissabor que me castiga,

desta saudade que em meu peito chora,

depois mudada em sons de uma cantiga.

 

Cego supunha amar-te à moda antiga,

de dentro vinha o que eu mostrava fora.

Em minha solidão a dor me obriga

a revelar-te o mal que me apavora.

 

De nossa ligação, jamais eu via

os laços frouxos do começo ao fim,

dissimulados pela fantasia.

 

O rompimento nos provou assim

os exageros da paixão tardia

que felizmente se afastou de mim.

 

 

Extraídos da obra Gorgeios. São Luis: Arco Íris Gráfica e Editora, 2001. 376 p.

 

COMPLEXIDADE

Embora eu tente acreditar deveras,
não seja um sonho esta união feliz,
no renovar de minhas primaveras,
— o oposto, apenas, a razão me diz.

Tuas palavras — sei que são sinceras,
mas nosso enlace esteve por um triz!
Ainda bem que nunca desesperas,
Com grande esforço, em breve eu me refiz.

Todo otimismo nos convém agora.
No amor, por certo, o pensamento engana
e enfim, só os descrentes apavora.

A sorte, para nós, jamais tirana,
a nosso ouvido revelou, sonora,
quanto é complexa a natureza humana!

 

TARDIO ENCONTRO

 

Não tive, quando moço, o bem que ora desfruto,

mas isto não me rouba a paz nem a alegria.

Antes imploro, humilde, ao Céu, todo minuto,

que me conserve a mente iluminada e pia.

 

Sou grato pela, fé, com que o melhor disputo,

feliz da sorte bela - e rara - que eu pedia.

Nas provações me torno audaz e resoluto.

Minha alma nunca está, de modo algum, vazia.

 

Tão tarde eu te encontrei! Pouco perdi, no entanto.

Nossa união, o Pai Acolhedor completa.

Que aos dois, ela nos traga indefinido encanto.

 

Ninguém nos, f az sair, J amais, da estrada reta.

Nosso convívio dura, inigualado e santo.

Amada esposa minha, inspira teu poeta!

 

(De “Meus Sonhos em Rimas”, 1966

 

LATINIDADE: I COLETÂNEA POÉTICA DA SOCIEDDE DE CULTURA LATINA DO  ESTADO DO MARANHÃO.   Dilercy Adler, org. São Luis: Estação  Produções Ltda, 1998.  108 p.  Capa: Carranca – Fonte do Ribeirão – São Luís – Maranhão – Brasil        Ex. bibl. Antonio Miranda

  

QUANTO TE QUERO!

 

 

A sensação que me imprimes
ao espírito elevado
é gozo dos mais sublimes
que tenho experimentado.

 

Desejo que tu me estimes
quanto te sou devotado;
por teu amor, até crimes
te haveria perdoado.

 

Mas, se um dia resolveres
desfrutar outros prazeres,
que não terias comigo,

 

a verdade me revela,
que, embora sejas tão bela,
não maldirei meu castigo.

 

 

 

 

Página ampliada e republicada em dezembro de 2008

Voltar à página do Maranhão Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar