Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

POESIA GOIANA
Coordenação de Salomão Sousa

LOURDES RAMOS GAYOSO


Maria de Lourdes Ramos Gayoso, é psicóloga e poeta, nascida no Rio de Janeiro, vivendo em Goiânia.

 

 

GAYOSO, Lourdes RamosEntre nós. Goiânia, GO: Edições Consorciadas UBE – GO, 1990.  s. p.  10,5x21,5 cm.  Capa e ilustrações de Helen Moraes de Araujo.   

 

“Um elemento que torna singular o texto poético de Lourdinha, é a utilização desse ingrediente de difícil manipulação na dose certa: o humor.”
DARCY F. DENÓFRIO

 

 

 

                COMPOSIÇÃO

                Uma parte de mim
é chumbo,
outra,
a pena.
A parte pena
pesa como chumbo.
A parte chumbo
plana como pena.
A parte pena é meu pesar.
A parte chumbo, meu prazer.
Aquela dá,
esta, cobra.
Aquela se cobre,
esta se despe.
Aquela é má
esta é nobre.
Aquela é pobre,
esta se basta.
Uma se serve em posta,
a outra pasta.
Uma se gasta,
outra se gosta,
uma se guarda,
outra se mostra.
Se uma está de porre
a outra fica alerta,
quando uma morre,
a outra, esperta, ressuscita.

 

 

                O CULTO

        A família
se apronta
para o culto
dos fins de semana.
Nenhum outro compromisso
há de prevalecer.
Nenhuma criança
há de sabotá-lo.

         E durante muitas horas
se repete o ritual
lenta e exatamente igual
aos anteriores.
Estupidamente gelada,
a garrafa de “água benta”
no centro da vida,
vai enchendo o vazio
da mesa de cada fiel,
tendo como tira-gosto
hóstias fritas.

 

         ENTRE QUATRO PAREDES

        Na intimidade
nos intimidamos.
Não dizemos
nem ouvimos
aquilo
que queremos.
Na intimidade
nos desmudamos
dos nossos sentimentos
mais profundos
e exibimos nossas necessidades
mais urgentes.
Dormimos saciados
e acordamos vazios.

 

         DESEJO

        Vem da chuva,
na enxurrada
ou desce pela goteira
essa vontade danada,
subcutânea coceira,
de me fartar de comer este cheiro
irresistível de terra molhada.
Telurismo,
perversão
ou verminose?
Poeta, analista e médico
briguem pela razão,
enquanto chupo calada
meu drops de telha molhada.

 

 

Página publicada em junho de 2018


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar