Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CARLOS EUGÊNIO RÊGO

( Brasília – DF – Brasil )

 

Carlos Eugênio da Silva Rêgo é piauiense, professor e poeta.
Tem um livro de poesias publicado (Lavra) pelo site www.clubedeautores.com.br.

Sua produção poética tem uma tônica social, além de uma vertente regional.

Membro da Academia Cruzeirense de Letras – Cadeira 21 – Patrono: João Cabral de Melo Neto.

Obras publicadas: Operação Arco-Íris – Não Estamos Sós (Editora Thesaurus); Pinote & Outras Histórias (Editora Thesaurus)

 

I COLETÂNEA DA ACADEMIA CRUZEIRENSE DE LETRAS.  Rafael Fernandes de Souza (org.)  Brasília: Art Letras Gráfica e Editora, 2019.  224 p.  ISBN 978-85-9506- 135- 4        Ex. bibl. Antonio Miranda

 

 

RITOS INICIAIS

In nomine art
qui mater vitae est.


Em nome da arte
que é mãe da vida
quando vestida de poesia.

Em nome do dom
que habita o homem
e o faz mais que dia a dia
é que venho ofertar
minha vida em versos.

Confesso a vós que pequei
Quando não fui poesia,
Quando fui só tributável
E só busquei mais valia.

Que o Senhor purifique
Toda essa minha iniquidade.

Entretanto, eu hei de render Graças e Glória,
feito canto de aclamação
às vezes em que fui poema
de crença, fé, devoção
à arte como prumo, meta, rumo,
como "profissão de fé", devoção.

Foi quando encilhei a vida
E ela se vestiu de remansos.
E o mundo inteiro me varreu à porta,
Rameando um punhado de versos,
De encanto infindo, que, afinal,
É mesmo o que mais importa.

Hei de render Graças e Glória
à colheita e ao plantio,
a minha parede de histórias,
ao incerto, ao desafio
a banhar esta alma
que é uma curva de rio

Credo in art.
Ars mater vitae est.

Creio na arte
como a mão que recolhe versos
sem enchiqueirar poemas.
Bendito seja o amor que é forro.

Credo in art.
Credo in vita.
Que a vida nos habite
como a arte deseja.
Que assim seja! Amém!!!


A LUA ALI

O silêncio era cortante como as farpas do jardim,
e, mesmo assim, havia uma poesia, ali, jorrante
a desenhar em mim
um século inteiro num instante.
A lua, então, em segundos,
surgiu tão doida, inteira
em teu jardim, que alagou o silêncio
- aquele de antes.
Por vir assim, entornou todos os versos
no universo que é teu jardim
- inesperadamente claro, desesperadamente raro.

E até seria o contrário (só mais um cenário),
não fosse o meu delírio inteiro ali
cego e servo
do teu silêncio cortante
que se rompeu, enfim!!
Ouvi atento mais uma vez
tuas histórias que sei de cor,
soando a mim
como o encanto da novidade.
E eu sempre a fim de ouvir-te,
assim,
nessa vontade sem fim
a eternizar ali tua imagem, sim!
Mais bela e derramada
que a lua inteira no teu jardim.

 

*

 

VEJA e LEIA outros poetas do DISTRITO FEDERAL em nosso Portal:

http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_brasis/distrito_federal/distrito_federal.html

 

Página publicada em novembro de 2021

 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar