Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

http://www.fortaleza.ce.gov.br/noticias/cultura

O POETA DE MEIA-TIGELA,
 vulgo Alves de Aquino

 

 

O Poeta de Meia-Tigela, vulgo Alves de Aquino... Uma inversão: o heterônimo no lugar do nome, que é chamado de “vulgo”. Sem problema, vamos aceitar o que o autor determina. Conheci-o durante uma Feira do Livro de Fortaleza, e ele ficou de mandar poemas para o nosso Portal de Poesia Iberoamericana. Custou, mas mandou: o livro MEMORIAL BÁRBARA DE ALENCAR & outros poemas (Fortaleza: Expressão Gráfica, 2008.  ISBN 978-85- 7563361-8. E já anunciou que está saindo outro..

 

Elegemos os 4 sonetos que contam a “História cosmológica do Boi” e um fragmento do “Memorial Bárbara de Alencar” que aparece reproduzido no marcador de página que acompanha o livro, pois se trata de um longo cordel. Sorte que o poeta aderiu ao Open access e permite a divulgação de sua obra, sem problemas de direitos autorais, logo, respeitando a autoria e notificando a fonte.

 

 

POETA DE MEIA-TIGELA.  Fortaleza, CE: Expressão Gráfica e Editora, 2014.  76 p.  ilus.  21x21 cm.   ISBN 978-85-420-0500-4.  Pseudônimo de Alves de Aquino. Ex. bibl.     Antonio Miranda. 


 

 



 

 

 

De
O Poeta de Meia-Tijela
CONCERTO No. 1NICO EM MIM MAIOR
PARA PALAVA E ORQUESTRA POEMA

Combinação de realidades puramente imaginárias.
Fortaleza: Expressão Gráfica Editora, 2010.
344 p.  ISBN  978-85-7563-483-4

 

4. M. O MONSTRENGO QUE SOU

O sorriso amarelo
Que por vezes me escapa
Serve-me antes de selo
Sobreposto à alma sapa.

As palavras gentis
Grunhidas, assopradas
São ciladas, ardis,
Pragas edulcoradas.

(Se em delírios recaio
Ao vislumbrá-la mudo
Meu olhar de soslaio
Nem só por isso mudo.)

Estas mãos que desferem
Uma à outra sobrossos
Mais que afagar preferem
Esganar um pescoço.

Acaso me visitem
Sonhos de redenção
Outros que me suscitem
O mal não faltarão.

Porquanto me soergam
Gozos insatisfeitos
Os costados envergam
Ao peso dos malfeitos.

Meu corpo, marionete
De engonços e de esgares,
A mente , o Gabinete
Do Doutor Caligari.

A mim pouco interessa
Amem-me ou me degolem.
Levarei comigo essa
Coisa... Vampiro ou Golem.

Ínfima diferença
Causar prazer ou dor!
Eu, terminal doença,
Calibã, Maldoror.

*

Posso até não querer
Porém nada que eu for
Me fará já não ser
O monstrengo que sou.

 

4. PARA CAMILO PESSANHA & A MORTEMAFOSE

O telefone, campainha?
                   — Deve ter sido na vizinha.
Alguém meu nome chama, blama?
                   — Fantasmas debaixo da cama.
Seguidas batidas na porta?
                   — Aquela namorada morta.
Mão que sobre meus ombros pousa?
                   — Fugitiva da fria lousa.
Um beijo?
                   — Solfejo.

 

 

 


HISTÓRIA COSMOLÓGICA DO BOI

 

Para Rosemberg Cariry

 

O Boi - quem não viu,

Não sabe o que é bom.

Melhor que bombril,

Melhor que bombom.

 

l. O BOI ORIGINAL

 

No princípio dos tempos, Arimã

Não dominava tudo com Seu Mal.

Mas logo procurou difundir Caos

Matando o Homem Perfeito e à Terra sã.

 

Esse malvado amigo de Satã

Deu fim mesmo no Boi Original.

Nem grão de açúcar nem pedra de sal,

Ninguém restou, adeus linda manhã.

 

Opa, aguardem que o Bem já se revolta

Prometendo estar em breve de volta,

Do Boi salvando os restos, o cadáver.

 

Donde nascerão belas Terras outras

E homens bonitos como Jão Travolta,

Mulheres maravilhas, Avas Gardners.

 

 

2. O BOI DE MITRAS

 

Coisa que se mistura e expande é Mito.

Deu que na Roma Antiga existiu Mitras,

Deus da luz e do sol que sacrifica

O Boi para que deste surja muita

 

Coisa que se misture e expanda, mirtos,

Flores, brotos, Vida em todo milímetro.

Eis que Hades sobe ao mundo com Ministros

E instaura a Dor em dose tripla, aos litros.

 

Mitras e Hades farão guerra entre sis

E há de ser catastrófico o conflito,

Antecipadamente apocalíptico.

 

Um Touro virá como jamais vi

Para dar fim ao Reino do Sinistro,

Assegurando a Paz: com Chifre e Cetro.

 

 

3. O BOI-BUMBA

 

Todo o Universo cabe no Nordeste.

Se não fosse heresia, bem diria eu

Ser o Nordeste até maior que Deus

(Calo, pois temo qu'Este me moleste).

 

Também aqui o Boi, aquele Ancestre,

Avivou e depois desfaleceu.

Catirina pediu e o bom Mateo

O matou e trinchou. Ora, acontece

 

Que o dono protestou, fez escarcéu

Com razão (já que o Vitimo era seu).

A poder de orações, cantos e preces,

 

Bumba: a carne do Bicho revivesce

Virando o que era susto em grande festa.

Agora O relembramos sempre em êxtase.

 

 

4. O BOI MANSINHO

 

Estava me esquecendo de contar-lhes

O caso do Boi-Santo, o Boi Mansinho

Mandado de presente ao meu Padinho

Ciço e cuja presença era de talhe

 

Tal, que José Lourenço pôs-se a dar-lhe

Atenção devotada e aos bocadinhos

Foi-lhe enfeitando os chifres, o focinho,

O lombo, os bagos, sem deixar detalhe

 

Do Zebu descoberto de bentinhos,

Mais parecendo um nobre de Versalhes:

Tanto que antes que o culto mais se espalhe

 

Floro Bartolomeu manda cortar-lhe

O corpo em pedacinhos, finos talhes —

Mas Ele encarna em cada bezerrinho...

 

 

 

CARTÕES POSTAIS ILUSTRADOS

Textos extraídos do livro de Sonetos MIRAVILHA

 

A seguir, frente e verso dos postais:
(formato original: 19x17 cm)

 



CARTÕES

5 cartões – formato 7x10 cm -
com poemas no reverso;

A seguir, um exemplo, e
uma dedicatória do POETA DE MEIA TIJELA
para Antonio Miranda

 


[ AQUINO, Alves de ] O POETA DE MEIA-TIJELAGirândola.   Fortaleza, CE: Editora Substância, 2015.  120 p.  ilus.  14x21 cm   capa dura.  ISBN 978-85-918725-3-4   “Alves de Aquino “ Ex. bibl. Antonio Miranda

 

Um haicai

Meu sangue se esvai
(e vão as gotas no chão
compondo um haicai)

 

Meu haicai

Vai vai meu haicai:
contido porém florido
bom (como um bonsai)
 

 

 

iii/ barbara laage - o corpo ardente (1966)

 

Sou a pedra de gelo
no topo

da pilha de copos de vidro
emborcados.

 

A mulher afogada pintada
de bruços

no azulejo do fundo
da fonte.

 

A que coroa rei da pedra o filho
o não-ainda-homem

o por-enquanto-indomado-
menino.

 

Sou a fria laje, por fora.
A da coisa ardente, por dentro.

 

Égua branca no cio
à espera

de negro cavalo solto
que a cubra.

 

Sou esse cavalo
livre

 

 

MAJA

 

Vestida

 

As vestes leves aderem
 aos seus entornas e linhas
 de tal maneira parecem
 mais despi-la que vesti-la

 

 

Despida

 

Nívea sobre o leito a linda
 duquesa se me oferece
 por desnuda esteja ainda
 o meu desejo a reveste

 

 

 

MEIA TIGELA, O Poeta. Acidade / Carlos Nóbrega. Fortaleza, CE: Expressão Gráfica e Editrora, 2016. 156 p. ilus.  10,3x21 cm  ISBN 978-85-420-0901-9   Ex. bibl. Antonio Miranda

 

 

Vejam uma entrevista do Poeta de Meia Tigela no Youtube:

https://www.youtube.com/watch?v=0YRs9RfLhd8&list=PLw-MNvzxkq9scX6qGZNNStFxYs5RSJIqg


Página publicada em março de 2011,ampliada em novembro de 2015; ampliada em maio de 2016.


Voltar à página do Ceará Voltar ao topo da página

 

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar