Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MARTINS D’ ALVAREZ

 

José MARTINS D’ ALVAREZ - Nasceu em Barbalha, 14 de setembro de 1903, filho de Antônio Marfins de Jesus e Amônia Leite Martins. Estudou no Crato e em Fortaleza. Dentista pela Faculdade de Farmácia e odontologia do Ceará (turma de 1926). Professor de Educação Sanitária da Escola Jornal Pedro II. Radicado no Rio de Janeiro, foi Professor Catedrático da Faculdade Nacional de Odontologia da Universidade do Brasil, e da Faculdade Fluminense de Odontologia. Jornalista, poeta, contista, romancista, ensaísta. Publicou: A Ronda das Horas Verdes (estreando em 1930); Quarta-Feira de Cinzas (novela, menção honrosa da Academia Brasileira de Letras); Vitral (1934); Morro do Moinho (1937); O Norte Canta (1941); No mundo da Lua (poesia infantil, 1934 e 1947); Chama Infinita (1949); Ritmos e Legendas (1954); Roteiro Sentimental (1967); A Morte do Anjo da Guarda e Poesia do Cotidiano. Membro da Academia Brasileira de Odontologia, instituto de História da Medicina, instituto do Ceará, Academia Cearense de Ciências, Letras e Artes do Rio de Janeiro (cadeira n° 8, patrono: Capistrano de Abreu) e de outras entidades científicas e culturais. Morreu no Rio de Janeiro, 3 de julho de 1993.  Fonte da biografia>  http://www.ceara.pro.br/

 

Veja também: POESIA INFANTIL DE  MARTINS D´ALVAREZ

 

ALVAREZ, Martins d´.  Ritmos e legendas (poesias escolhidas).  Rio de Janeiro: Irmãos Pongetti Editores, 1954   202 p.  18x24  cm.  Foto do poeta depois da folha-de-rosto.  Ornado com letras capitais no início dos poemas e vinhetas impressas na cor verde. Não informa autoria da capa.  Col. A.M.

 

 

ZÉ-NINGUÉM

Lá está Zé-Ninguém, feliz como o que. . .
Deitado na areia fresquinha do Morro,
de papo pro ar,
olhando pra lua.
Pensando? Que nada!
Pra que pensamento!
Descansando as pernas...
Refrescando os pés doídos, cansados
de andar marombando na rua.

Plantada no lombo doirado do Morro,
a casa de Zé parece um caixão...
Coberta de palhas, paredes de latas,
pintada com a prata da lua, por fora.
Por dentro, pretinha. . .
Da cor do carvão.

A areia é tão fria, macia, gostosa,
que Zé se espreguiça e tosse e se encolhe...
E tosse e retosse. . .. Que tosse safada!
Que tosse birrenta!
Essa tosse, até parece que é
a mulher ciumenta de Zé,

a família inteirinha de Zé,
que lhe vem recordar

— que maçada! —

que a palha da esteira é quentinha!

Que a hora do sono é chegada!

 

Zé entra e se apaga no escuro da casa,

se espicha na esteira,

nem reza, nem pensa, nem nada!

O vento fuchica na palha do teto,

a areia brinca de chuva nas latas...

Zé gosta daquilo! Depressa cochila...

E logo ressona e ronca, faz coro

com o uivo dolente de um triste cachorro

boémio que faz serenatas.

 

A "barra quebrou".

Lá vai Zé-Ninguém,

feliz como o que!

Pra onde? Não sabe, não pensa.. . Pra que?

Só sabe que é dia, tem f orne e... Depois,

tem toda a certeza

de que há de comer!

De que há de vestir!

De que há de viver!

 

 

 

BENDITA MENTIROSA

 

Mentes, com tal ardor,

que das tuas mentiras não desdenho.

Ainda mais que tu mentes por amor

duma felicidade que não tenho.

 

Mentes para o meu bem!

Bendita esta mentira que consola.

Esta mentira que enternece e tem

o conforto sublime de uma esmola.

 

Mente, pois, e te inspira

naquilo que se sente e não se diz...

Não vês? A própria vida é uma mentira

que a gente enreda para ser feliz.          

 

Sei que mentes. . . Mas eu sei também

que todas as mulheres são assim!

E não dão o conforto que me vem

das mentiras que teces para mim.

 

 

SIMPLICIDADE

 

Se tens teto, tens pão e tens saúde,

alma para sentir e para amar...

Se tens um coração que não te ilude

na razão de querer para alcançar...

 

Se tens a graça, neste mundo rude,

das vaidades humanas desprezar...

E o senso de pedir que alguém te ajude,

para também poderes ajudar...

 

Se tens tudo isso, tens o que te basta.

O excesso de poder e de dinheiro,

só à tortura e ao pesadelo arrasta.

 

Goza a simplicidade dos teus bens!

Que o mundo sofre e luta, companheiro,

pelas sobras inúteis que não tens!

 

 

 

Ver também:

http://www.youtube.com/watch?v=5en3_CaayT4

 

Página publicada em agosto de 2012

 

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar