Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MARLY VASCONCELOS

 

 

Marly Sales Vasconcelos nasceu em Fortaleza no dia 5 de julho. Bacharel em Direito e ltcenciada em Letras pela Universidade Federal do Ceará, ministrou conferências e aulas de Literatura Brasileira e Literatura Infantil na UFC.

 

Poetisa que possui "o toque mágico e simples dos grandes poetas, com sua

linguagem própria que chega e conquista o leitor, também apaixonado" (Fagner).

 

Colaborou com os jornais O Povo e jornal de Cultura da UFC e com as revistas Pássaro, e Revista da Academia Cearense de Letras. Publicou os seguintes livros de poesias: Agua insone, 1973; Cãtygua proençal, 1985; Sala de retratos, 1998; e Azulcobalto,2002, (obteve classificação especial na categoria Literatura Juvenil, no Concurso Nacional de Literatura João-de-Barro, Belo Horizonte). Romancista, publicou em 1982 o livro Coração de areia, o qual recebeu Menção Honrosa do Prêmio Graciliano Ramos, da União Brasileira de Escritores, Rio de Janeiro.

 

O celebrado poeta cearense Francisco Carvalho também teceu expressivos comentários sobre a poetisa: "De 1973 a 1985, Marly Vasconcelos publicou apenas dois livros de poemas. Isto foi o bastante para colocá-la entre o reduzido grupo daqueles que fazem da poesia um exercício permanente de beleza e de aceitação das nossas fragilidades existenciais".

 

Ingressou na Academia Cearense de Letras no dia 22 de março de 1990, ocasião em que foi saudada pelo romancista João Clímaco Bezerra. Ocupa a vaga deixada  pelo escritor Nertan Macedo, cadeira número 7, cujo patrono é o jurisconsulto Clóvis Beviláqua. Foi a primeira a tomar posse no Palácio Luz como sede da academia. Pertence à Academia de Letras e Artes do Nordeste.     Fonte: http://www.academiacearensedeletras.org.br

 

 

RETRATOS

 

Alguma coisa antiga habita a página.

A morte do cão com sua lealdade

um trem apagando a noite

o domingo mais triste, .

a lembrança de um amor na pétala da dalza.

Coisas que o tempo não desfolha

e nos engasgam.

 

MARLY. SALA DE RETRATOS. FoRTALEZA: UFC/ CAsA JosÉ DE ALEN - FoNTE: VASCONCELOS, .(COLEÇãO .ALAGADIÇO Novo, n. 6).

 

 

 

Extraído de

O SACO – 4º. CADERN0 – No. 4 – SETEMBRO – 1976. p. 9
Revista mensal de cultura. Fortaleza, CE: OPÇÃO  Editora Promoções e Publicidade Ltda.
 

 

 

         BAILADO

        

         Que venham os pavões
e substâncias diáfanas, livres,
nas areias sejam jatos de vida.

        
Que venham os pavões
e como chamas em equilíbrio
aos pares levitem.

        

         Que avence esse bando de aves
de carne malva
e faíscas.

 

        

         YEMANJÁ

 

         Antiga como a vaga
adornada de brumas e carne clara
atravessas o porto despida de veneno.
Fosforescentes peixes habitam a ardência de teu seio
e o coral de tua mão.
Tomba a chuva sobre a maresia de teus cabelos
e na inquietude do vento
recolhes os náufragos que ficaram cegos

         e varrendo os destroços do veleiro
caminha contra a cerração.

 

 

         GALOPE

 

         O cavalo corre na estrada
e rumores de aço estalam nos arreios.
Tambores ressoam sob seus cascos
e uma baba cheia de amargura
cobre seu flanco suado
de tempestades e fúrias.
Das sombras escapam tramas.
Densa e espessa a noite é escura.
E encrespando as crinas onde dormem cigarras
ele segue abismos,
caminhos rubros.

 

 

Página publicada em junho de 2018

           

 

 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar