Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

José da CRUZ FILHO
(1894-1974)

 

José da CRUZ FILHO - Nasceu em Canindé, 16 de outubro de 1894, filho de José Joaquim Cordeiro da Cruz - Júnior e Maria Rocha Cruz. Estudou no Colégio Santo Antônio, dos padres capuchinhos, e ali iniciou, anos depois, sua atividade de Professor. Jornalista, fundou “O Canindé”, o primeiro Jornal publicado na cidade; colaborou também no “Correio de Canindé”, “Imprensa” (nos quais publicou seus primeiros poemas), “Fortaleza”, “Terra da Luz” (Fortaleza), “Álbum Imperial” (São Paulo) e “Fon-Fon” (Rio de Janeiro). Em 1918, em Fortaleza, integrou a Diretoria da Associação dos Homens de Letras do Ceará. Em 1922 foi admitido na Academia Cearense de Letras. Substituiu o Padre Antônio Tomás como Príncipe dos Poetas Cearenses. Foi Inspetor-Escolar, Professor. de português e Literatura do Liceu do Ceará, Diretor-geral da Secretaria do Interior e Justiça, Oficial de Gabinete do Governador Justiniano de Serpa, Secretário da Faculdade de Direito do Ceará e Diretor da Hospedaria Getúlio Vargas. Poeta e contista, publicou: Poemas dos Belos Dias (1924), Poesia (1949), O Soneto (1961, Organizações Simões, Rio de Janeiro), Toda Musa (poesia completa, 1965) e História de Trancoso (1971). Autor também de uma Pequena História do Ceará, de cunho didático, cuja primeira edição data de 1931: Usou os pseudônimos de Caio Flávio 2L C. H. Bento da Silva, César Tigre, Climério Várzea, João das Emas Muniz e Manfrido Rutilio. Morreu em 24 de agosto de 1974.    Fonte:1001 Cearenses Notáveis-F. Silva Nobre.

Obra poética: Poemas dos Belos Dias. Fortaleza, 1924; Poesia (seleção do livro anterior e mais Taça de Ambrósia e Lira de Orfeu. Fortaleza, 1949.

 

A ILUSÃO DO SAPO

          A Alf. Castro

          Aos pinchos, pela sombra, indolente e moroso,
          O batráquio estacou do grande poço à borda,
          E um momento quedou, como quem se recorda,
          Surpreso ante a visão do tanque silencioso.

          Ao fundo, onde do céu, que de nuvens se borda,
          Reflexa a imagem vê — pelo céu luminoso
          Vê da Lua pairar o áureo disco radioso:
          E o disforme animal de júbilo transborda...

          Um momento quedou, mudo e perplexo. Ao centro,
          A tentá-lo, a ilusão do astro de ouro flutua,
          E o monstro eis que se arroja, a súbitas, lá dentro!

          E a água convulsionou-se entre encíclicas ondeante,
          Num naufrágio de luz em que perece a Lua
          Dissolvida em rubis, topázios e diamantes.

 

          SONETO A VULDA

          Viverei! Voltarei, belo Sol, que me douras,
          Inda a viver aqui, sobre o solo em que vivo:
          Meu ser reintegrar-se-á reposto e redivivo,
          Com cambiantes feições, pelas eras vindouras.

          O cérebro, onde, ó Sol, flâmeos dons entesouras
          É que em mim faz radiar o mundo subjetivo,
          Inda após ter tornado ao telúrico arquivo,
          Há de à luz ressurgir em pulcras fontes louras.

          Hei de eterno vibrar na Natureza eterna.
          Sempre a despir inquieto a forma transitória
          E sempre a renascer, como a serpe de Lerna.

          Mas, entre mutações, eclipses e lampejos,
          Comigo levarei, ó Vulda, na memória,
          Teus olhos, teu amor, teus espasmos, teus beijos...

 

Página publicada em agosto de 2015


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar