Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


GERARDO MELLO MOURÃO

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada

 

GERARDO MELLO MOURÃO

(1917-2007)

 

 

Gerardo de Melo Mourão (Ipueiras, 8 de janeiro de 1917 — Rio de Janeiro, 9 de março de 2007) foi um jornalista, poeta e escritor brasileiro. Era membro da Academia Brasileira de Filosofia e do Conselho Nacional de Política Cultural do Ministério da Cultura do Brasil. Era um dos mais respeitados escritores brasileiros no exterior.

 

Católico praticante, pertenceu ao movimento integralista, tendo estado preso dezoito vezes durante as ditaduras de Getúlio Vargas e de 1964-1985. Numa delas, ficou no cárcere cinco anos e dez meses (1942–1948).

 

Já na maturidade, foi candidato a uma cadeira na Academia Brasileira de Letras e foi indicado ao Prêmio Nobel de Literatura em 1979. Em 1999 ganhou o Prêmio Jabuti pelo épico Invenção do Mar.

 

Fonte: Wikipédia

 

Bibliografia (incompleta): O Valete de Espadas e as dez elegias (1960), Cabo das Tormentas, A invenção do saber, O valete de espadas, Cânon & fuga, O país dos Mourões (1964), O sagrado e o profano, Invenção do Mar (Prêmio Jabuti de 1999), O Bêbado de Deus (2001).

 

 

Esta é a certidão de nascimento do que em vida
se chamou Gerardo
e ele mesmo a lavrou
em sua primeira e última pessoa — muitas
muitas outras pessoas houve entre a primeira e a última —
uma só verdadeira, pois,
nascido sou, poeta,
no mais cruel dos anos:
nasci em Tróia – e é falsa
a pública fé do registro civil no cartório
                        do coronel Né Guilhermino
pela qual o inocente seria nascido e datado
nas Ipueiras do Siarah Grande (...)

(fragmento de CERTIDÃO DE CARTÓRIO,
do livro CÂNON & FUGA, 1999)
 

GERARDO MELLO MOURÃO


O APRENDIZ

Não mais a Musa não mais
Teresa ou Isabel

e o príncipe devasso?
e o domador de fêmeas?
e o pretendente e o palácio
da mulher de Ulisses?

Galerias de cal
no hospital de Cleveland:

Enfermeiras e a neve e o ouro desses cabelos
e a bainha engomada dessa roupas de linho
por cama e câmara esvoaçam
aprendizes de anjo;

na boca morde termômetro de vidro
aprendiz de defunto.

                   Cleveland, 1994

 

TRAVESSA DAS ISABÉIS

Travessa das Isabéis
Entre pedras e azulejos
Modulam Lisboa à noite
Seus corpos de realejos
A luz desce a ladeira
E cobre as pedras de beijos
Ó lua de Portugal
De seus Tejos e Alentejos.

Vi todas as Isabéis
Sem ver Isabel alguma
Na ladeira fui contando
As pedras uma por uma

Tinha os olhos nas janelas
E pedra a pedra subia
Travessa das Isabéis
Quantas Isabéis havia?

De seu sobrado amarelo
O cônsul francês sorria:
A cada Isabel que olhava
Era outra que aparecia

De sua janela verde
Uma Isabel nos espia
Outra Isabel no balcão
Acenava e me dizia
Que tantas quantas quisesse
Eram Isabéis que havia:
Cada qual a mais bonita
Olhos negros olhos verdes
olhos de azul ou de mel
Cada qual mais portuguesa
Cada qual mais Isabel
Os olhos no doce rosto
Eram mais doces que o mel
Debaixo das sobrancelhas
Duas uvas moscatel
Na guitarra das cinturas
Quero ser vosso segrel
Sois balada e serenata
Nas cordas do menestrel.

Às oito horas da noite
Se abriram vinte janelas
Cem Isabéis me acenaram
Do alto de todas elas

Às oito horas da noite
São cinco em cada balcão
Tomam seu banho de lua
Cheirando a manjericão

Ou cheiro de flor de laranja
Ou de alfazemas dos campos,
Boa noite — me murmuram
Seus olhos de pirilampos

Não sei quantas eram ruivas
Quantas louras e morenas
Trigueiras, claras, castanhas,
Risonhas, sérias, serenas,

Pois eram cem raparigas
Do primeiro ao quarto andar,
E começaram a rir
E eu começava a chorar —
Tão longe de minhas mãos
Tão perto de meu olhar —

Uma viola perdida
Cantava as meninas belas
E devagar uma a uma
Se fechavam as janelas
Não sei se era mão da lua
Ou se seria a mão delas —

Na ladeira um anjo bêbado
Me perguntava por elas
E nas varandas, ausentes,
Apareciam mais belas

Lisboa, boca da noite
aloendros e água-mel:
Cada qual mais portuguesa
Cada qual mais Isabel.

         Lisboa, botequim na esquina da
            trvessa das Isabéis, 1994


EPIGRAMA 4

Ezequiel, o bêbado, era dependente de álcool
Gabriel era dependente de ópio
Rafael dependente de cocaína
Daniel dependente de dinheiro
Salatiel era dependente de roletas e baralhos
Zorobabel dependente de política e poder
Emanuel era dependente de mulher:

Ezequiel Gabriel Rafael Daniel Salatiel e Zorobatel
morreram um depois do outro:
não deixaram memória nem história
talvez um prontuário olvidado e uma repugnância neutra
na lembrança dos justos.

Emanuel também morreu:
deixou cinco engenhos de cana hipotecados
seis fazendas empenhadas
a fortuna paterna em ruínas
quinze viúvas trinta e oito filhos
uns cadernos de elegias e sonetos
e em sua caligrafia voluptuosa
umas estrofes da memória
uns decassílabos de sua memória:

era belo e macho e forte e bravo e bom e dependente
do heroísmo do amor.

E esse é seu testamento:
um coro de fêmeas na noite do velório
quarenta mulheres de coração partido
uma saudade em todas as alcovas
pungência lágrimas ternura
mais valiosas que os engenhos de cana e as fazendas de gado
— a história
da dependência de Emanuel
cobiçada herança dos rapazes do bairro.

        
            Rio de Janeiro, 1998  

 

fuga de Zeus com Leda

 

Para longe de mim embarco e parto

a bordo dum afago as mãos entristecidas

a boca a bordo

deste beijo uma noite no teu seio.

 

De minha ausência embarco

no lago onde flutuas e onde

minhas asas de há tempos

florescem sobre ti.

 

Lá onde eram de Zeus suspiros e saudades

na lonjura de mim eu caminhava

rumo ao cisne: agora sim, que à maciez

de tua orelha sopro

a pluma de teu nome

 

.....

 

 

alargam-se no lago

os círculos morrentes:

ai! para longe de mim embarco e parto.

 

 

um poeta

 

Hás de testemunhar ruínas

antes de existirem ruínas:

engenheiro de troços e destroços

empreitaras demolições —

desmoronaste muros.

 

Profeta — risca riscaste riscarás

roteiros de pássaros no ar — e riscas

calendários passados e futuros — riscas

a arquitetura dos escombros

antes durante e depois deles

os tempos ouvem ouviram e ouvirão

esses passos de pedra

que pisam pisaram pisarão

rosa, lírio, jasmim e às vezes

ovelhas imoladas.

 

Maios, janeiros, setembros e os outros meses

meses azuis e meses pluviais

te saúdam à beira das falésias à beira-mar à beira-rio

à beira-abismos à beira séculos:

piloto do naufrágio

governador dos tempos tetrarca dos milênios

arquivista — tabelião das eras

só os dias, poeta, e as noites, te conhecem

sabem teu nome

e nenhum outro nome.

 

 

Os dois últimos poemas foram extraídos de AZOUGUE 10 ANOS (Rio de Janeiro: Azougue, 2004), editora liderada pelo poeta Sergio Cohn.

 

 

Ulisses e as Sereias


Gerardo Mello Mourão habita o tormentoso cerne humano. É com beleza, que o poeta universal sopra o seu espanto, e canta aos que ouvem como deuses ou como simples seres mortais...Gerardo é meu poeta por excelência, é para ele, os bagos e os vinhos. É sorvo.
[ Texto enviado por DIEGO MENDES SOUSA ]

O QUE AS SEREIAS DIZEM A ORFEU NA NOITE DO MAR

.

                            (Sobre a frase musical de Ivar Frounberg

"Was sagen die Sirenen

                                    als Odysseus vorbei segelte".)


Ninguém jamais ouviu um canto igual
ao canto que te canto
escuta: as ondas e os ventos se calaram e a noite e o mar
só ouvem minha voz - a noite e o mar e tu
marinheiro do mar de rosas verdes:

virás: é um leito de rosas e lençóis de jasmim
mais o lençol de aromas de meu corpo
e dormirás comigo
e os que dormem com  deusas
                     deuses serão - verás
cada arco de minhas curvas
à forma de teu corpo moldaremos - e a pele tua
aprenderá da minha
aroma e maciez e música
e entre garganta e nuca aprenderás
a noite dos que dormem a aurora dos que acordam
sobre os seios das deusas também deuses.

Vem dormir comigo
                     e comigo
e todas as sereias.
 

Todas as deusas se entregam
ao amante que um dia possuiu uma deusa
e então todas as fêmeas dos homens
Helenas, Briseidas e a Penélope tua
hão de implorar às Musas - e as Musas a Eros e Afrodite
a volúpia de uma noite contigo.


Não partas!
                     se partires
as velas de tua nau serão escassas
para enxugar-te as lágrimas - e nunca
nunca mais tocarás a pele das deusas
nunca mais a virilha das fêmeas dos homens
e nunca mais serás um deus
e nunca mais a melodia de uma canção de amor 
dos hinos do himeneu
abelhas mortas para sempre irão morar
na pedra do jazigo de cera
de teus ouvidos cegos.


Mas vem
e vem dormir comigo
                     e comigo
                     e minhas irmãs e todas
                     as sereias do mar
                     as sereias da terra
                     e as sereias dos céus.
                                                  

 

 

 

MOURÃO, Gerardo Mello.  Susana – 3  Elegia e inventário. São Paulo, SP: Edições GRD, 1994.  49 p. ilus.  21x27,5 cm.  Capas: “S” - figuração constelar medieval, expressando a visão de beleza celestial, do profeta Baruch ; contracapa: “Walkyria” de Paul Klee. Ilustrações de Rafael e J. J. Tissot. “ Gerardo Mello Mourão “  Ex. bibl. Antonio Miranda

 

(fragmentos)

 

Posso partir um dia —

                                partirei

com o rouxinol e o galo da madrugada

no peito estrangulados

 

Então já não lerei o fogo e as águas

                             mas

do coração das ondas e das labaredas ilisíveis

as pétalas irão formando

a rosa de água e fogo de teu rosto:

 

e sempre te verei

no silêncio das pedras

onde dançava essa cigana

nas arcadas de Rimini,

                                dpois,

ha dois mil anos eu te quero

 

e há dois mil anos estes olhos esta voz

trabalham o teu rosto e o nome teu

sôbolos rios de Babilônia

entre os bosques de Susa e os mármores de Rimini

entre as fontes de Susa

                                    Susana

pois — vinhas de longe

                                 às vezes

o cântaro na cabeça

caminhavas à beira do rio

                                 e às vezes

as águas lambiam teu corpo nu

e entre o arvoredo

eras espreitada

e ias e voltavas

ao ritmo das águas e das margens

 

 

 

 Página ampliada e republicada em novembro de 2008; ampliada e republicada em setembro de 2014.



Voltar à página do Ceará Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar