Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Imagem extraída de: 2011 CALENDÁRIO poetas antologia
Jaboatão dos Guararapes, PE: Editora Guararapes EGM, 2010.
Editor: Edson Guedes de Morais

 

 

ARTUR EDUARDO BENEVIDES

 

(1923-2014)

 

 

 

(Pacatuba, Ceará, 1923) é poeta, ensaísta e contista brasileiro, com mais de quarenta livros publicados. Foi eleito, em 1985, o Príncipe dos Poetas Cearenses, título já detido pelo Padre Antônio Tomás, por Cruz Filho e por Jáder de Carvalho. Bacharel em Direito e em Letras, foi professor titular da Universidade Federal do Ceará.

 

É membro da Academia Cearense de Letras, tendo sido seu presidente entre 1995 e 2005); da Academia Cearense de Língua Portuguesa e da Academia Fortalezense de Letras, integrante, também, do Grupo Clã. Em 2000 foi derrotado em eleição para a Academia Brasileira de Letras pelo escritor Ivan Junqueira.

 

Artur Eduardo Benevides é vencedor de mais de trinta prêmios literários, destacando-se a Bienal Nestlé de Literatura, em 1988. Para comemorar os 80 anos do poeta, em 2003, o escritor José Luís Lira escreveu o livro "O Poeta do Ceará - Artur Eduardo Benevides", com sua biografia e trechos principais de sua obra. O livro saiu com o selo da Academia Fortalezense de Letras, da qual José Lira é fundador juntamente com Matusahila Santiago e Artur Eduardo Benevides o Presidente de Honra.  Fonte: wikipedia

 


Artur Eduardo Benevides

De
Artur Eduardo Benevides
NOTURNOS DE MUCURIPE &
POEMAS DE ÊXTASE E ABISMO

Fortaleza: UFC / Casa de José de Alencar, 1996

 

 

SETE HAICAIS

 

 

 

Memória

 

Frio e solidão!

Lembro uma tarde em setembro.

Esperei-te, em vão.

 

 

Momento

 

Vento leve passa.

E na lenta hora cinzenta

Minha dor te abraça.

 

 

 

Revelação

 

A menina ri.

Tudo leve, vida breve.

Nasce um sonho aqui.

 

 

Suavidade

 

Borboleta voa

No estio, sobre o rio.

Tão gentil, tão boa!

 

 

Conselho

 

Se saudade vem

Mais cuidado com teu fado!

Chega a dor, também.

 

 

Inconformado

 

Quanta ingratidão!

Em teu encanto que é tanto

Só me dizes – não!

 

 

Artur Eduardo Benevides

 

De
Artur Eduardo Benevides
ELEGIAS DE OUTONO E
CANÇÕES DE MUITO AMAR E DE ADEUS

Fortaleza: edição do autor, 1974

 

 

Tu

 

Fui teu confidente.

Um dia, foste a poesia.

Como dois, ausente!

Ai tempos de amar-se, ai velhas ladainhas,

ai voz de minha mãe em preces marianas,

e sinos pela tarde, e noites cordiais,

e um suave e distante rumor de cachoeira.

Ó noites de inverno, ó chuva

batendo nos telhados – e nós

prisioneiros na sala de visitas

enquanto nossos pais ouviam

gramofones.

(Velhas Vienas

doces Danúbios

andorinhas d’Áustria!)

Eram noites difíceis. Pensávamos na morte

e tínhamos pavor de entrar sozinhos

no quarto dos espelhos.

Só a paz estava lá, a paz que não trouxemos,

ricordanza, balada, adeus, flor e poema.

 

ó mundo antigo!

ó serenatas e cabriolés!

 

Mas o tempo nos deu os seus esquifes

e enigmas vieram – fios de navalha

cortando nossa face pesada de exílios.

Em memória me levanto

para saudar-te, tempo,

(dimensão obscura)

canção

sobre nossa sepultura

 

 

 

AS IRMÃS FLORÊNCIO

 

                            I

 

Eram quatro as irmãs. Todas de branco,

Saíam cada tarde para a igreja.

Caminhavam sorrindo, com leveza.

Suas almas aos céus já haviam dado.

 

 

 

Eram quatro as irmãs. O mesmo porte,

A mesma face humilde e delicada,

O  mesmo passo incerto, mas confiante,

Levemente tocando na calçada.

 

De casa minha mãe lhes acenava

E todos lhes sorriam a qualquer hora,

Saudando nos seus olhos a bondade.

 

Passados e perdidos tantos anos,

Em puro amor relembro-as, com saudade,

Vendo-s ternas e tristes como os anjos.

 

 

                            II

 

Nem sei mais os seus nomes. Elas eram

Quatro moças a sós com o compromisso

De nunca procurar do amor os riscos

E ao Cristo se ofertaram e tudo deram.

 

Eram ingênuas e castas como rosas,

Eram frutos que a mão de Deus tocava,

Eram doces e frágeis e rezavam,

Eram pobres, mas cheias de doçura.

 

Eu ficava na rua para vê-las

E seus olhos brilhavam como estrelas,

Sob a lívida luz das tardes calmas.

 

Recordando do tempo os verdes anos,

Entendo que elas foram belas almas

Que nasceram na terra por engano.       

 

 

 

BENAVIDES, Artur EduardoSoneto à beira-mar.  Jaboatão, PE: Editora Guararapes EGM, 2015.   16 p.  20x12,5 cm. ilus. col.    Editor: Edson Guedes de Morais.  Edição artesanal, tiragem limitadíssima.   Ex. bibl. Antonio Miranda. Veje o e-book: https://issuu.com/antoniomiranda/docs/artur_eduardo_benevides

 

REVISTA DE POESIA E CRÍTICA -  Ano V  -  No. 7. Brasília, 1981.   Diretor Responsável: José Jézer de Oliveira
Ex.. bibl. Antonio Miranda 

 

CINCO SONETOS DO POEMA "HOMENAGEM A CAMÕES" 

ARTUR EDUARDO BENEVIDES 

 

I

 

Perdoa, meu Camões, se este cantor,
Este que agora aqui busca cumprir-se,
Entendeu de entender-te e fez abrir-se
Teu verso de claríssimo lavor.

 

Teu verso, meu Camões, que ao referir-se
Aos encantos do ledo e puro amor,
Refulge e belo vem com tal fervor
Que toca o coração e o faz ungir-se.

 

Em sonetos quisera celebrar-te

Por tudo o que escreveste no estandarte

Com que se lança o amor em desatino.

 

Entanto, se mais falo, menos digo,
Pois tudo já disseste. E então prossigo,
Teu canto a renovar no meu destino.

 

 

II

Há quatrocentos anos tu morrias.
Que digo eu? Por certo não morreste.
Deixaste de sofrer o que sofreste
E foste luz na Terra, pelos dias.

 

Quem louva Portugal, nas alegrias
Ou nas mágoas do povo em que tu creste
A ti também te louva e não perdeste
O grande amor da pátria se partias.

 

A pátria renasceu com tua glória.
Se morta estava, amando-te, viveu,
Indo a novos caminhos pela História.

 

Contudo, algo mais alto aconteceu:
Foi ver-te humildemente na vitória
Sobre o tempo que alfim te obedeceu.

 

 

III

 

Na linda e doce Inês posta em sossego
Mais aumentas os dons da eternidade
E sabes que teus versos, na verdade,
Nos dão do claro amor ardente ofego.

Se belas são as luas do Mondego, Se trazem sobre o rio a claridade, Mais belos são teus versos de saudade A que, se dor me vem, sempre me achego.

 

E vês novos sete anos de pastor
Novas almas gentis que se partiram
E falas com o poder de Adamastor.

 

Tudo fazes. E as cousas que sumiram
Retornam com mais graça e com mais cor
Nas rimas que em teus prantos refloriram.

 

 

VII

 

Sabemos, meu Camões, o que restou
De todo o engenho e arte na poesia.
Teu verso está mais claro a cada dia
E nele o amor mais jovem se tornou.

 

És a voz que nos chama e que nos guia
E que tanto caminho iluminou.
Se vai veloz o tempo, e já passou,
Mais novo tu ficaste, em mais mestria.

 

És o poeta imortal e com certeza
Brilhas, qual sol, na língua portuguesa,
Em teu trovar pungente e peregrino.

 

E se mais tempo houvera conquistaras
Novos cultos de um deus por sobre as aras
Qual se fora de um rei o teu destino.

 

 

IX

 

Singular no esplendor, mais alto ficas
Nas almas que de amor colhem tristeza
Ou naquelas que abrigam-se à beleza
Da ditosa nação que glorificas.

 

Em ti tudo é sublime e tem grandeza.
És o génio maior e nos indicas
Os caminhos do tempo e nos suplicas
Que sigamos do eterno a correnteza.

 

Nos insossegos teus, na desventura
Das batalhas e penas que sofreste,
Teus amores louvaste com brandura.

 

Mas louvaste-os tão bem que vivos são
E mesmo o mais humilde, que esqueceste,
Refulge, como estrela, em solidão.


Página publicada em abril de 2010; ampliada e republicada em julho de 2017

 

Voltar à página do Ceará Voltar ao topo da página

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar