Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Foto: http://www.pallaseditora.com.br/

LUIS PIMENTEL


Luís Pimentel (Itiúba, Bahia,  1953), é um escritor e jornalista brasileiro. Cresceu e teve sua formação básica na cidade de Feira de Santana de onde mudou-se para o Rio de Janeiro para estudar teatro. Ali, contudo, dedicou-se ao jornalismo e à literatura.

Trabalhou em várias publicações e jornais, como O Pasquim (1976-1977), na Mad do Brasil, Última Hora, O Dia e outros.

Como escritor é autor de dezenas de obras, em vários estilos, e dedicadas aos públicos infantil ou adulto, além das biografias de Wilson Batista e Luiz Gonzaga, havendo ganho vários prêmios literários. Foi, ainda, roteirista em programas de humor da televisão, como Escolinha do Professor Raimundo.

Seu trabalho também é voltado para a música do Brasil, havendo editado a revista Música Brasileira, que ainda encontra sua versão no meio digital.

Coordenou, também, a publicação de Paixão e Ficção - Contos e Causos de Futebol, no qual escreveu um texto, ao lado de figuras como Zico, Armando Nogueira, Aldir Blanc, entre outros.

 

PIMENTEL, Luis.  O Calcanhar da memória. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.  112 p.   14X21 cm.  Capa: Silvana Mattlevich.  ISBN 85-286-1078-0  “ Luis Pimentel “ Ex. bibl. Antonio Miranda

 

MARÉS

A vida dá muitas voltas

e volta sempre ao começo.

 

Nos mostrando em cada volta

seus passos e seus tropeços.

 

A vida é maré revolta.

A morte é que vem de berço.


 

 

SEPULTURAS


Salva dos bombardeios,

a memória persiste.

 

Baú que nada esconde,

 

que a tudo assiste

 

e resiste a reunir mistérios.

 

A memória guarda mais prantos

que os cemitérios.

 

 

 

TRAÇADO

 

O poema é como a aranha,

vai vivendo do que tece.

 

Se o campo é vasto, ele cresce.

Se a terra é seca, ele míngua.

 

O poema é uma íngua:

inflama quando adoece.

 

Do poema só se colhe

o que o poeta semeia.

 

E como a aranha,

se envolve,

em sua teia.

 

 

 

 

 

HERA 1972-2005. Antonio Brasileiro et al.. organizadores. Salvador, BA: Fundação Pedro Calmón; Feira de Santana, UFES Editora, 2010. 712 p. fac-símile. ilus. (Memória da Literatura Baiana). ISBN 978-SS85-99799-14-7 Ex. bibl. Antonio Miranda

 

 

 

ESTA NOITE IMPROVISAMOS

 

Para Luigi Pirandello

 

 

Esta noite se improvisa

visa o medo do amanhã

segue rotas não marcadas

não precisa entender nada

esta noite vivo em mim.

Ser poeta improvisando

era sonho de menino

ouço a paz de um sabiá

na penumbra da varanda.

As coisas não são

como deviam ser

só nos resta improvisar.

 

 

 

ESTUDO

 

Estendi meu corpo ao sol

e convidei ao abutres.

 

Fui vê-lo depois de seco

quando os abutres se foram.

 

Apanhei um osso velho

e coloquei na estante.

 

O osso gerou um gênio

que cuspiu em minha face.

 

Estendi minha face ao sol

e nunca mais fui buscá-la.

 

 

 

DIVAGAÇÕES 2

 

Nosso tempo é assim:

seco e compulsório.”

Antonio Brasileiro

 

 

 

O tempo perdeu-se de nós

por isso divagamos

ante-espaço.

 

Hoje

respiramos pelos calcanhares.

Nossos pulmões perdidos, olfato

perdemos

os nossos ideais.

Pequena plenitude saturada

a natureza

hoje de todos saturada.

 

E os radares prometem vingança.

 

 

 

CALAR

 

O cheiro do mar

pelos olhos do vento

me vence. Calado

e completo

na água.

 

E os meus pés são de seda

na areia impassível.

 

 

 

Página publicada em janeiro de 2015. Ampliada em dezembro de 2018.

 

 


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar