Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

CASTRO REBELO JR
(1858-1912)

João Batista de CASTRO REBELO JR. nasceu em Salvador onde também faleceu. Poeta, ensaísta, jornalista, sociólogo, jesuíta, político.

Livros de poesia: Livro de um Anjo (1879), Poema do Lar (1902), Ardentias (1907).

 

O GUARANI

 

Nunca subiram tanto as raias do proscênio.

Dilata-se num sonho o que se passa aqui:

Faz-se imponente, augusta, a elevação do gênio;

Dá-se urna coisa enorme, estranha — O Guarani.

 

Acordam-se emoções vulcânicas de um povo

Em cujo peito bulha a fé nacional.

Tudo isto é belo, e altivo, e gigantesco, e novo;

Assume as proporções do sobrenatural.

 

Tudo, ao maravilhoso aspecto do cenárlo,

Nos arrebata; e forte, enérgica, viril,

Alardeando um brilho imenso, extraordinário,

Vê-se a descomunal figura do Brasil.

 

Contempla-se da pátria o vulto primitivo,

A rude majestade, as formas colossais,

E sente-se que puja esse vigor nativo,

Como que ultrapassando as leis universais.

 

E ante a bizarra pompa, a validez supina

Dessa prodigiosa e máscula visão,

Assombra-nos tamanha hipérbole divina

A exorbitar assim de toda a criação.

 

Quando épica, vivaz, profunda, alta, solene,

Repercutindo inteira em nossos corações,

Irrompe essa harmonia em catadupa infrene,

Que, amontoada, espuma em férvidos cachões;

 

Quando remonta, e vai, nuns ímpetos supremos,

Do que ha de mais suave ao que há de mais atroz;

Quando em naã sei que sons atinge esses extremos

Como se do equador ouvíssemos a voz;

 

Quando essa aluvião de música extravasa

E da arte a fantasia arranca o último véu,

— Esplêndida efusão da natureza em brasa,

-—Transbordamento azul do americano céu;

 

Quando Ceci desata, em nódulos divinos,

Do palpitante seio as virgens emoções,

Como se fossem mesmo uns ecos peregrinos

De asas de amor transpondo etéreas solidões;

 

Quando Peri, lhe arrosta a fúria dos jaguares

E intrépido, desarma o braço do traidor,

Quando Peri, que entorna em místicos ciliares

A chama tropical desse infinito amor,

 

Quebrando-lhe nuns tons de angelical ternura,

Nuns suspirosos tons de imaculada fé,

Esse desvelo infindo, essa paixão tão pura,

Em que sua alma ri, mas que nem sabe o que é;

 

Quando no arbusto em flor o pássaro gorjeia,

E da feroz pocema estruge a invocação;

Quando sorriem da moca os lábios de sereia,

E troam do cacique as fauces de vulcão;

 

Quando estremece a mata, aos cânticos selvagens,

Aos hinos marciais dos broncos aimorés,

E passam do deserto as túmidas aragens,

Arrebatando os sons da inúbia dos borés...

 

Parece que nos foge a alma,

Transpondo vagas regiões,

Nas grandes asas convulsas

Desse pampeiro de sons,

— Ardente sopro fecundo,

Que irrompe do Novo Mundo

E vai num eco profundo

Estremecendo as nações.

 

No arranco vertiginoso

Dessa música em tropel

Sons há que espadanam sangue

E sons que distilam mel.

Uiva e ri, geme e ribomba

A escala, que sobe e tomba,

Desde os arrulhos da pomba

Aos silvos do cascavel.

 

Não sei de que abismo ignoto

Assoma esse turbilhão

De vozes como inflamadas

Em sonora ebulição.

Não sei de que estranhas cavas

Rebenta a harmonia em lavas,

Golfando essas notas bravas

Nos estos de uma explosão.

 

Ouve-se o brando cicio

Dos adejos matinais

Frolando suavemente

A pluma dos taquarais;

E escutam-se os estampidos

Desses hórridos bramidos,

Que retumbam desabridos

Pelas florestas natais.

 

Sente-se então que, vibrante,

A asa do gênio passou

Como um relâmpago imenso

Que toda pátria inundou:

 

E Carlos Gomes — o artista,

Que os olhos perdem de vista

Na remontada conquista

Desse ideal, que abordou.

 

Sente-se mais... que no meio

Destes assomos febris

Paira um clarão deslumbrante,

Que a turba inteira bendiz:

 

E de Alencar a memória

— Vasta púrpura de glória,

Que tomba do alto da história

Nos ombros de te país.

 

Ave, memória excelsa do que fôra

A profunda existência edificante,

O luminoso ponto culminante,

O espírito maior de urna nação!

Ave, nome ¡mortal, que sobre o mundo,

Em vivos raios de um clarão superno,

Hão de as idades refletir eterno,

Sol glorioso desta geração!

 

E tu, que imperas, combalindo as massas,

Dessa harmonia aos trágicos acessos,

Vê com que alma de mãe, vê com que excessos

Te adora a pátria, ouvindo O Guarani!

 

Sê além, nas longes terras estrangeiras,

Os Alpes medes como um capitólio,

Fita nos Andes o soberbo sólio

Que esta alma parens te alevanta aqui!

 

 

Página publicada em maio de 2009.

 

 



 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar