Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 

CARLOS EDUARDO DA ROCHA


De
Carlos Eduardo da Rocha

Poema do barco sem nome
Desenhos de Aldemir Martins. 
Salvador: Edições Oxumaré, 1977.   s.p

 

1

Nem uma vela
distante
Somente
o imenso mar
Azul.

Aquele barco
vermelho
Velejando
para porto
Algum.

O vento brando
impele
Constante
No rumo
Sul.

Para a viagem
sem porto de chegar
Longa
e sem o desejo
da volta.

 

2

Esse barco
não tem nome
Vai navegando
em segredo
Na rota desconhecida.

Em seu mastro porém
no mais alto
Enorme bandeira
desfraldada
Sem cor alguma também.

Apenas
perfumada
De maresia
de brisa
E água salgada.

 

(...)

 

De
ROCHA, Carlos Eduardo.
O Idílio. Poesia. 
Salvador: Edições O ViceRey, 1979.  s.p.
Impressão nas oficinas da ABC Gráfica Offset Ltda, sob a supervisão gráfica de Abílio Cândido de Jesus, montagem de António Teixeira Lobo- Lay-out: Abílio Cândido de Jesus.  Editor: Nelson de Araújo. Consultor para Literatura e Arte: Carlos Eduardo da Rocha. Consultores para assuntos históricos: Fernando L. Fonseca e Valentín Calderón de Ia Vara. Consultor para as Artes Gráficas: Abílio Cândido de Jesus. Marcada editora: detalhe de gravura de Reiation d'un voyage fait en 7695, 7696 & 7697, aux cotes d'Afrique, détroitde Mageilan, Brésil, Cayenne et les ntiiies, de Froger (Amsterdam.A. chelte, 1699), exemplar da Biblioteca de Frederico Edetweiss, Cidade da Bahia. Fotografo e laboratorista da marca: Nelson de Araújo.  Col. A. M. (EA)

 

IV / A SOLIDÃO

É preciso meditar
na solidão
do homem e seu cão
não compartilhada
em passos seguidos
na grande praia deserta
com as sombras alongadas
na luz amanhecente
no caminho constante
em linha reta
sem atalhos
sem errada
no rumo certo
da casa abandonada.

 

VI / O MILAGRE

Assim também
com o pão de cada dia
que nunca falta multiplicado
e com sabor vário
de iguarias
generosos vinhos
e báquicos licores
e espíritos outros...
nas justas libações
borbulham, espumam
e se evolam
nos copos e nas taças
fluindo na profusão
das ânforas e das jarras.

 

Página publicada em maio de 2011; republicada em setembro de 2011


 



Voltar para a  página da Bahia Voltar ao topo da página

 

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar