Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


POETAS DO AMAZONAS

Coordenação: Donaldo Mello  e  Inês Sarmet



 

Inês Sarmet

s/ foto constante em

Poesia e Poetas do Amazonas

 

ANTÍSTHENES PINTO

Antísthenes de Oliveira Pinto, poeta e prosador, membro do Clube da Madrugada e da Academia Amazonense de Letras, nasceu em Manaus, no dia 28 de novembro de 1929. Dedicou boa parte de sua vida ao jornalismo tendo, em função disso, se transferido para o Rio de Janeiro, onde trabalhou na Tribuna da Imprensa e no Jornal do Brasil. Em 1970 retornou a Manaus, cidade em que permaneceu até o seu falecimento, ocorrido no dia 3 de dezembro de 2000. Sua estréia literária aconteceu em 1957, com a publicação do livro de poemas Sombra e Asfalto. Publicou vários outros livros de poesia: Ossuário (1963); Angústia numeral (1976); A rebelião dos bichos (1977) e Curvas do tempo (1984). Foi reconhecido também como importante prosador, tendo publicado romances (Terra firme, 1970; A solidão e os anjos, 1976; Várzea dos afogados, 1982), novelas (Chavascal, 1965; Os agachados, 1985; Porão das almas, 1992), contos (É proibido perturbar os pássaros, 1981; Os suicidas, 1988), crônicas (Quelônios do Carabinani, 1984; Os garis das alturas, 1992) e ensaios (Literatura: novos horizontes (impressões de leitura), 1984; Oito poetas amazonenses, 1992).

Só uma influência pesa sobre este autor: da floresta e dos seus fantas­mas; dos rios deslizando mistérios. Por isso a obra de Antísthenes Pinto é pontuada pelo silêncio das matas e a solidão dos igarapés. Na sua escri­tura há um entretexto marcando um tempo de espera, o acontecer pro­metido, a expectativa.

 JOSÉ LOUZEIRO, Rio de Janeiro

 

Sua literatura é de primeira. Sua leitura ajudou-me a acreditar ainda mais na poesia, pois já estava me sentindo desorientado, achando que ninguém mais estava escrevendo boa poesia neste Brasil sofrido.

 LUIS AVELIMA, São Paulo

 

A novela Porão das Almas, em tom confessional, é uma beleza. Hu­maníssima e lírica. As descrições, ao nível impressionista, são notáveis. As figuras vêm ao vivo em contornos nítidos. Uma bela novela, com aque­le toque de saudade que enriquece qualquer obra de arte.

CAIO PORFÍRIO CARNEIRO, São Pau­lo

 

Escritor de primeira, autor dessa novela impressionante e trágica que é OS AGACHADOS, escrita com dor, delírio, e vida e morte. E pa­rabéns ao Amazonas pelo Autor e pela coragem de assumir a boa lite­ratura. O premiado é o leitor, creia.

STELLA LEONARDOS, Rio de Janeiro

 

O Brasil é uma caixa de surpresas, às vezes triste. Realmente, a forma como valores altos na província não chegam à "Corte" e nela alcançam o prestígio merecido é de espantar. Um romance como este seu ("Terra Firme") merecia estar sendo comen­tado e admirado. Depois de Ferreira de Castro, não conheci ninguém que me desse da Amazônia essa im­pressão de grandeza humana.

­NELSON WERNECK SODRÉ, Rio de Janeiro.

 

Não se sabe, em verdade, em que gênero se realiza melhor, se na obra de ficção, se na poesia. Eu diria que a poesia empurrou o autor para a prosa e para fora do país. Antís­thenes Pinto é bom novelista e é bom poeta. E o leitor pode, agora, com a edição de sua "Poesia Reuni­da" e a novela "Os Agachados", fa­zer uma avaliação mais objetiva de sua vocação literária, um autor sem­pre novo, criativo, social e que se inscreve, com muita propriedade, na vanguarda experimental.

JOSÉ ALCIDES PINTO, Fortaleza/1987

Terra Firme, (...) em terceira edição, totalmente refundido pelo autor, é o livro escolhido para comemorar seus trinta anos de literatura. Romance consagrado pela crítica, dele já se ocuparam os mais argutos estudiosos da ficção brasileira e regional (...).

Escritor de largos recursos linguísticos, sua estréia como poeta, em 1957, com Sombra e Asfalto, marcou época juntamente com a obra de outros membros do Clube da Madrugada (...). São desta fase de maior inquietação os poemas de Ossuário, um verdadeiro documento poético, por assim dizer, de um período realmente forte e decisivo na vida literária do autor desta saga amazônica.

Nestes 30 anos de literatura, portanto, Antísthenes Pinto já conta com uma bagagem de obras sem dúvida apreciável, mas que, pela inquietante procura de uma forma ideal para dar expressão ao mundo de suas angústias e deslumbramentos, constituem o valioso material que há de fundir-se e desdobrar-se, ainda, em novos modelos para comunicar a revolta do homem e a criatividade do artista, ambas comprometidas, ao mesmo tempo, com a defesa dos direitos humanos e a boa qualidade do texto.

JORGE TUFIC, na orelha da 3ª edição de Terra Firme, 1988

 

Antísthenes Pinto, ficcionista que já incursionou pelo romance, o conto e a novela, lança, ago­ra, esta coletânea de pequenos ensaios sobre escritores brasilei­ros e estrangeiros (Literatura: novos horizontes)(...). Sem pretender assumir o papel de críti­co, seus comentários, na verdade, são mais exercícios de análise, de observação pessoal da elaboração e da técnica literárias em outros autores. A leitura atenta desses escritores, como que o ajuda a manter-se em forma, dentro do seu “metier”, livrando-o dos defei­tos de uns (os medíocres) e asse­nhoreando-o das virtudes de ou­tros (os bons e os consagrados). Como a abelha prudente, que só colhe o pólen que pode garantir­-lhe um mel de boa qualidade, Antísthenes Pinto serve-se desse meio para tornar mais eficientes as suas ferramen­tas de trabalho dentro da área que escolheu para cultivar - a ficção.

(...) Dentro da simplicidade do seu contexto, o leitor encontrará ampla informação acerca dos fatos literários mais atuais e significativos, que vão dos intelectuais amazonenses aos consagrados romancistas do Sul, passando por grandes figuras da literatura universal, como Steinbeck, Hemingway, Faulkner e outros. Num estilo ágil e direto, Antísthenes Pinto fala desses escritores e suas obras com muita segurança e propriedade, dando a posição de cada um dentro do contexto em que estão inseridos.

O autor reserva um capítulo do livro aos escritores latino-americanos, cujas obras têm dominado, nos últimos tempos, uma camada considerável de leitores no mundo todo. Ernesto Sábato, Mário Vargas Llosa, Gabriel Garcia Márquez, Miguel Angel Astúrias, Manuel Scorza, Augusto Roa Bastos e outros grandes nomes das letras hispano-americanas são objeto de estudo do autor, que não lhes regateia aplausos, dedicando-lhes páginas onde lhes põe em relevo não só o talento, o valor e a grandeza dos seus livros, como, também, o predomínio que a sua literatura vem exercendo no âmbito internacional.

Literatura: Novos Horizontes, sem ser um livro de crítica, no sentido da profundidade, da exegese, atinge plenamente o objetivo a que se propõe: informar com honestidade, inteligência e clareza os fatos literários.

ARTHUR ENGRÁCIO, na orelha da 2ª. edição de Literatura: novos horizontes

 

Recebi, por intermédio do Ulisses Bittencourt, seu livro Literatura: Novos Horizontes. Li-o. Gostei, você é realmente uma expressão muito lúcida e atualizada da inteligência amazonense, portanto brasileira. Seus pronunciamentos são objetivos e realistas. Não pare. Agradeço suas referências a mim, a propósito da nossa Amazônia que tanto precisa ser cuidada pelo bem do Brasil e dos brasileiros. Estou inteiramente de acordo com o que afirmou o Arthur Engrácio.

  Você escreve com muita clareza e seus conceitos falam da sua inteligência tão clara. Mais uma vez, os meus cumprimentos e agradecimento. (...)

                                                               ARTHUR CEZAR FERREIRA REIS

                           (em carta ao autor, enviada do Rio, em 21.08.1984,

                           em papel timbrado do Conselho Federal de Cultura) 

 

 

Inês Sarmet

s/ foto constante

em Terra Firme

 

 

I

 

Antecipo minhas rugas no espelho.

A sombra hirta que foi vejo curvada.

Piso fundo no chão que silencia

E vou contar estrelas na vidraça.

 

A ave do desejo pousa em livro.

(Não há no vácuo acústica às palavras)

Liberto já do sonho que não tive

Fujo de mim e só de mim fugindo

 

Sem dar um passo além do que pensara

Quando fui velho sem chegar a ser.

O meu patético olhar engole o longe:

 

- Escuro limitando com escuro

E quanto ao perto: cinza no cinzeiro

E o negro cão do tempo me mordendo.

 

                   (Poema transcrito de Sombra e asfalto)

 

 

21

 

Dentro do meu relógio,

a minha dor.

As reticências da tarde

são cães esgueirando seus latidos.

Depois irei para o vale de ardências

ver os utensílios da manhã.

Dentro da minha dor

o relógio se apagou

e as estrelas apodreceram

no prato que trago perto,

queixo em minhas mãos.

Dentro de mim começo a sentir

raízes como se eu fosse um muro estatelando.

               

                              (Poema transcrito de Angústia numeral) 

 

 

 

MORTO VIVO

 

 

fronte caída:

lágrima lavrada

no pedestal da fonte.

 

além o sobreposto

mar de ossos

esgarçando rastros

 

- fuzis de gritos!

 

de bruços:

 

reencontrar a rota

do meu mapa branco.

 

fazer-me bala,

deslocar-me uníssono

como um cão de aço.

 

morto

 

mais vivo. morto pensante

 

de bruços:

 

grave loucura clara:

vivo morto morto vivo.

 

                        (Poema transcrito de Ossuário) 

 

Mostrar área de trabalho

 

Inês Sarmet

s/foto de acervo do escritor Francisco Vasconcelos,

que retrata quatro grandes poetas amazonenses, da esquerda para a direita:

 Farias de Carvalho, Jorge Tufic, Antísthenes Pinto e Alencar e Silva

 



 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar