Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MANIFESTO: Paulo Leminski

 

 

1

 

Mede-se um criador (pintor, contista, poeta) pela originalidade [+ ou — relativa, + ou — absoluta) da sua produção.

 

É fascismo .vetar ou desautorizar a existência/vigência de uma informação mais exigente e sofisticada tecnologicamente sob pretexto de que não é "acessível às massas", acusação que levou Maiakovski ao suicídio. Afinal, que "massas" são essas?

 

2

 

Essa originalidade refere-se ao grau de competência com que aciona os códigos que manipula (o sintáttco, o semântico e o pragmático).

 

3

 

Essa originalidade é estatística; avalia-se em função do (repertório do) meio em que atua e obra (num meio

atrasado, por exemplo, a diluição da Informação nova pode exercer o papel de informação nova).

 

4

 

O grau de competência nada tem que ver com domínio artesanal do (s) código (s). Tem que ver com sua superação.

 

5

 

Critérios outros (postura social, Justeza ideológica, boas intenções) são demagógicos e só servem para encobrir o verdadeiro problema da criação (= produção de informação

nova) e conduzem, natural e logica-mente ao academicismo.

 

6

 

Não há um público. Nem O PÚBLICO. Há públicos.

 

7

 

É correto, portanto, produzir para uma faixa especial (ou muito especial) de público. Produzir para produtores, por exemplo. Fazer poesia, por exemplo, para uma faixa altamente

especializada de consumidores. Para poetas, por exemplo.

8

 

É fascismo vetar ou desautorizar a existência/vigência de uma informação mais exigente e sofisticada tecnologicamente sob pretexto de que não é “acessível às massas”, acusação que levou Maiakovski ao suicídio. Afinal, que “massas” são essas?

 

9

 

O exemplo das ciências é claro. Quando nasceu, a Teoria da Relatividade de Einstein só era acessível a meia dúzia de físicos. Hoje, faz parte do currículo das escolas.

 

10

 

Ë preciso não acreditar que as pessoas vão ficar mais burras. Que irão perder informação. Que saberão cada vez menos mais. Ao contrário.

 

11

 

Há públicos passivos. E públicos ativos. O caso de hoje: só escritores lêem literatura. O dito "grande público" não lê. Ou lê sub-literatura. Sempre haverá quem faça o trabalho mais barato: ele é mais provável, afinal.

 

12

 

A ignorância e a desinformação, o provincianlsmo e o paroquiallsmo (formas de redundância, repetição, banalidades entropia) não prevalecerão sobre a informação nova (CRIAÇÃO).

 

A criatividade, quando radical, é informada.

 

Assim como não se pode fazer o Rivelino jogar como um reserva do Colorado não se pode fazer um reserva do Colorado jogar como o Rivelino. Mas o futebol/farwest literário tem razões que uma outra razão piais altamente equipada não desconhece.

 

 

Extraído da revista

QORPO ESTRANHO. CRIAÇÃO INTERSEMIÓTICA.  N. 2  set – out – nov –dez 1976. São Paulo. Editores: Julio Plaza e Régis Bonicino.

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar