Home
Sobre Antonio Miranda
Currículo Lattes
Grupo Renovación
Cuatro Tablas
Terra Brasilis
Em Destaque
Textos en Español
Xulio Formoso
Livro de Visitas
Colaboradores
Links Temáticos
Indique esta página
Sobre Antonio Miranda
 
 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

CÔRTES-RODRIGUES

 

Armando César Côrtes-Rodrigues (Vila Franca do Campo, 28 de Fevereiro de 1891 — Ponta Delgada, 14 de Outubro de 1971) foi um escritor, poeta, dramaturgo, cronista e etnólogo açoriano que se distinguiu pelos seus estudos de etnografia e em particular pela publicação de um Cancioneiro Geral dos Açores e de um Adagiário Popular Açoriano, obras de grande rigor e qualidade.

 

OUTRO

 

Passo triste no mundo, alheio ao mundo

passo no mundo alheio, sem o ver,

e místico, ideal e vagabundo,

sinto erguer-se minh'Alma do profundo

abismo do meu Ser.

 

Vivo de Mim em Mim e para Mim

e para Deus em Mim ressuscitado.

Sou Saudade do Longe d'onde vim

e sou Ânsia do Longe em que por fim

serei transfigurado.

 

Vivo de Deus, em Deus e para Deus,

e minh'Alma, sonâmbula esquecida,

nÊle fitando os tristes olhos seus,

passa 'triste e sozinha olhando os céus

no caminho da Vida.

 

Fui Outro e, Outro sendo, Outro serei,

Outro vivendo a mística beleza

por esta humana forma que encarnei,

por lágrimas de sangue que chorei

                    na terra de tristeza.

 

Espírito na Dor purificado,

Ser que passa no mundo sem o ver,

em esta pobre terra de pecado

amor divino em Deus extasiado,

O meu Ser é Não-Ser em Outro-Ser.

 

 

 

O mar da minha vida não tem longos.

E tudo água sói E o horizonte

funde-se no céu. Por sobre a ponte

marcha sinistra a procissão dos monges.

 

Velas acesas, opas, ladainhas,

e o rio deslizando para o mar,

e as raparigas vêm à tardinha

buscar à fonte a água, sem cantar.

 

Ermida branca sobre o monte

Nossa Senhora da Paz...

 

Peregrino voltei sem ser ouvido.

Rasguei meus pés pelo caminho ido.

Ai, a calma de tudo quanto jaz

no frio esquecimento! Sobre a ponte

a procissão caminha. Sob o arco

singrou sereno um barco

a caminho do mar.

 

Ó perdida visão da minha Ânsia!

Vejo-me só na lúgubre distância,

cadáver dos meus sonhos a boiar.

 

 

Página publicada em agosto de 2015


 

 

 
 
 
Home Poetas de A a Z Indique este site Sobre A. Miranda Contato
counter create hit
Envie mensagem a webmaster@antoniomiranda.com.br sobre este site da Web.
Copyright © 2004 Antonio Miranda
 
Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Click aqui Home Contato Página de música Click aqui para pesquisar